Limiares eletrofisiológicos e psicoacústicos por via óssea em indivíduos normais e com perda auditiva

Limiares eletrofisiológicos e psicoacústicos por via óssea em indivíduos normais e com perda auditiva

Título alternativo Electrophysiological and psychoacoustic thresholds bone in normal hearing impaired
Autor Fernandes, Luciana Castelo Branco Camurça Autor UNIFESP Google Scholar
Orientador Azevedo, Marisa Frasson de Autor UNIFESP Google Scholar
Instituição Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Pós-graduação Distúrbios da comunicação humana (fonoaudiologia) - São Paulo
Resumo To investigate the electrophysiological thresholds obtained by bone and compared them with the psychoacoustic thresholds obtained in pure tone audiometry in adults with normal hearing and with different types and degrees of hearing loss. Methods: The sample consisted of 70 subjects, 35 men and 35 women (30 normal, 10 with conductive hearing loss, 10 with mild sensorineural hearing loss, 10 with moderate sensorineural hearing loss, sensorineural loss with 10 descending ramp) aged 18 to 55 years. We carried out the following: physical examination, audiologic complete, tympanometry and ABR by air and bone conduction. In the evaluation of ABR by bone type was used click stimuli with alternating polarity, presentation speed 27.7 clicks / s, model B-71 vibrator and dildo pressure of 300g, starting the test 50dBnNA. Variables: intensity, absolute latency of wave V, gender and ear. The data were statistically analyzed, considering a significance level of 0.05. Results: The electrophysiological thresholds by bone were consistent with thresholds. The thresholds of air and bone were similar in subjects with normal hearing and sensorineural hearing loss, but in subjects with conductive hearing loss was observed gap between these thresholds via air and bone. In all groups, we obtained excellent correlation between psychoacoustic thresholds and electrophysiological bone at frequencies of 2 KHz, 4 KHz and 3KHz. In normal subjects the latency of wave V threshold and 50dBnNA was higher in males, no significant difference between the ears. Conclusion: The threshold of ABR by bone was modified according to the type of hearing loss, presenting the normal conductive hearing loss and changes in sensorineural hearing loss. So, with this research and can say that it is a VO by ABR evaluation technique that can be used in clinical practice as a factor serving to define the type of hearing loss.

Objetivo: Verificar os limiares eletrofisiológicos obtidos por via óssea, comparandoos com os limiares psicoacústicos obtidos na audiometria tonal liminar, em indivíduos adultos com audição normal e com diferentes tipos e graus de perda auditiva. Métodos: A amostra foi composta por 70 indivíduos, sendo 35 homens e 35 mulheres, (30 normais, 10 com perda auditiva condutiva, 10 com perda auditiva sensorioneural leve, 10 com perda auditiva sensorioneural moderada, 10 com perda sensorioneural descendente em rampa), com faixa etária de 18 a 55 anos. Foram realizados os seguintes procedimentos: otoscopia, audiometria completa, imitanciometria e PEATE por via aérea e via óssea. Na avaliação de PEATE por via óssea foi utilizado estímulo tipo clique, com polaridade alternada, velocidade de apresentação 27,7 cliques/s, vibrador modelo B-71 e pressão do vibrador de 300g, iniciando o teste a 50dBnNA. Variáveis estudadas: intensidade; latência absoluta da onda V; gênero; orelha avaliada. Os dados foram analisados estatísticamente, considerando nível de significância de 0,05. Resultados: Os limiares eletrofisiológicos por via óssea foram compatíveis com limiares psicoacústicos. Os limiares de via aérea e via óssea foram equivalentes nos indivíduos com audição normal e perda auditiva sensorioneural, contudo nos indivíduos com perda auditiva condutiva foi observado GAP entre esses limiares de via aérea e via óssea. Em todos os grupos obteve-se ótima correlação entre os limiares de via óssea psicoacústico e eletrofisiológico, nas freqüências de 2KHz, 3KHz e 4KHz. Nos indivíduos normais a latência da onda V no limiar e a 50dBnNA, foi maior no sexo masculino, sem diferença significativa entre as orelhas. Conclusão: O limiar do PEATE por via óssea modificou-se de acordo com o tipo da perda auditiva, apresentando-se normal na perda auditiva condutiva e alterado na perda auditiva sensorioneural. Assim é possível afirmar que o PEATE por VO é uma técnica de avaliação que pode ser usada na prática clínica como um fator característico para definir o tipo da perda auditiva.
Palavra-chave Eletrofisiologia
Perda auditiva
Audição
Idioma Português
Data de publicação 2011-01-26
Publicado em FERNANDES, Luciana Castelo Branco Camurça. Limiares eletrofisiológico e psicoacústicos por via óssea em indivíduos normais e com perda auditiva. 2011. 72 f. Dissertação (Mestrado) - Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP), São Paulo, 2011.
Publicador Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Extensão 72 f.
Direito de acesso Acesso aberto Open Access
Tipo Dissertação de mestrado
Endereço permanente http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/9785

Exibir registro completo




Arquivo

Nome: Publico-12452.pdf
Tamanho: 540.5KB
Formato: PDF
Descrição:
Abrir arquivo

Este item está nas seguintes coleções

Buscar


Navegar

Minha conta