Interações entre ingestão de vitamina K, vitamina K sérica, tempo de protrombina e a dose de varfarina e polimorfismo do gene CYP2C9 em pacientes cardiopatas usuários de anticoagulantes orais de um Instituto de Cardiologia de São Paulo

Interações entre ingestão de vitamina K, vitamina K sérica, tempo de protrombina e a dose de varfarina e polimorfismo do gene CYP2C9 em pacientes cardiopatas usuários de anticoagulantes orais de um Instituto de Cardiologia de São Paulo

Título alternativo Interactions between vitamin K, vitamin K serum prothrombin time and warfarin dose and CYP2C9 gene polymorphisms in cardiac patients users of oral anticoagulants for a Cardiology Institute in São Paulo
Autor Melchior, Claudia Autor UNIFESP Google Scholar
Orientador Cendoroglo, Maysa Seabra Autor UNIFESP Google Scholar
Instituição Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Resumo Introduction: Warfarin is a mainstay in the treatment of oral anticoagulation and prophylaxis of thromboembolic illness. It has a narrow therapeutic index, and it’s important to regulate it’s monitoring to avoid serious adverse effects. There is a wide variety of dose applications, which makes the anticoagulant responses unpredictable. The environmental factors discussed in the literature that most affect the response to anticoagulation are: age, height and weight, diet and drug interactions. Recently, several polymorphisms were studied for contributing significantly in the dosage variability of coumarin. The racial and cultural differences have influence in the dosage requirements, which can be explained, at least in part, by genetic factors and eating habits. The study of genetic and environmental factors may help in predicting a more personal applying and maintenance of the doses for a safer anticoagulation therapy. Methods and Materials: We studied 66 heart patients users of oral anticoagulants, and applied a food frequency questionnaire with 10 food sources of vitamin K, a period of 24 hours / usual, we guide the patient to a regular intake of vitamin K or even 500 μg / day and a seven day food record. We observed the daily dose of OAC; followed 10 RNI values before and after nutritional counseling, analysis of serum vitamin K and polymorphism of CYP2C9. Results: The regular consume of vitamin K1 prior to nutritional counseling averaged 80.95 ± 82.37 μg / day and after nutritional counseling, the result was 64.03 ± 39.77 μg / day. Analyzing the FFQ (food frequency questionnaire) in our study, consumption of vitamin K1 was lower than recommended. In evaluating the type of oil, the consumption of soybean oil was higher. The values of vitamin K1 plasmatic found in our population averaged 0.55 ± 0.52 ng/mL. In our study, there was no correlation between increased or decreased consume of vitamin K1 and the RNI in support of this relationship. In the analysis of genotyping for polymorphism in CYP2C9 was observed 46 (69%) patients with wild type * 1 / * 1, with an average dose of 3.16 ± 1.69 mg / day; 13 (20%) patients with genotype * 1 / * 2, with an average dose of 3.28 ± 2.23 mg / day, 5 (7%) patients with genotype * 1 / * 3, with an average dose of 2.24 ± 0.65 mg / and day 2 (3%) patients with genotype * 2 / * 2, with an average dose of 3.03 ± 1.26 mg / day. Conclusion: The variability in dose requirements of warfarin is multifactorial. The dietary approach to patients using oral anticoagulants should be individualized, the role of the multidisciplinary team can positively affect the control of anticoagulant activity for a safer treatment, as well as improving eating habits and nutrition. The incorporation of genetic factors can help to predict and maintain the individualized dose.

Introdução: Varfarina é o principal suporte no tratamento da anticoagulação oral (ACO) e na profilaxia de doenças tromboembólicas. Ela têm um índice terapêutico estreito, e é necessário regular sua monitorização para evitar efeitos adversos sérios. Existe uma ampla variabilidade interindividual na dosagem, o que torna-se imprevisível a resposta anticoagulante. Os fatores ambientais mais discutidos na literatura que afetam a resposta a anticoagulação são: a idade, o peso e altura, a dieta e interações medicamentosas. Mais recentemente, alguns polimorfismos foram estudados por contribuirem significativamente na variabilidade da dosagem de cumarina. As diferenças raciais e culturais influenciam os requisitos da dosagem, que pode ser explicado, pelo menos em parte, por fatores genéticos e alimentares. Incorporação de fatores genéticos e ambientais podem ajudar na previsão de carga mais individualizado e doses de manutenção para a terapia de anticoagulação mais segura. Materiais e método: Foram estudados 66 pacientes cardiopatas usuários de anticoagulantes orais, aplicamos um questionário induzido de frequência alimentar com 10 alimentos fonte de vit K, um recordatório de 24 hs / habitual, orientamos o paciente para uma ingestão de vit K regular ou até 500 μg/dia e um registro Alimentar de 7 dias. Observamos a dose diária do ACO; acompanhamos 10 valores de INR antes e após a orientação nutricional; análise da Vitamina K sérica e polimorfismo do CYP2C9. Resultados: O consumo habitual de vitamina K1 antes da orientação nutricional foi em média de 80,95 ± 82,37 μg/dia e após a orientação nutricional o resultado foi de 64,03 ± 39,77 μg/dia. Analisando o QFA do nosso estudo, o consumo da vitamina K1 estava abaixo do recomendado. Na avaliação sobre o tipo de óleo, o consumo do óleo de soja foi maior. Os valores achados de vitamina K1 plasmática na nossa população foram em média de 0,55 ± 0,52 ng/mL. No nosso estudo, não foi observada uma correlação entre o aumento ou diminuição da ingestão da vitamina K1 e o INR que sustentasse essa relação. Na análise da genotipagem para o polimorfismo no CYP2C9, foi observado 46 (69%) pacientes com o tipo selvagem *1/*1, com dose média de 3,16 ± 1,69 mg/dia; 13 (20%) dos pacientes com genótipo *1/*2, dose média de 3,28 ± 2,23 mg/dia; 5 (7%) dos pacientes com genótipo *1/*3, com dose média de 2,24 ± 0,65 mg/dia e 2 (3%) dos pacientes com genótipo *2/*2, com dose média de 3,03 ± 1,26 mg/dia. Conclusão: A variabilidade das necessidades da dose de warfarina é multifatorial. A abordagem dietoterápica para pacientes em uso de anticoagulante oral deve ser individualizada, o papel da equipe multidisciplinar poderá interferir positivamente no controle da atividade anticoagulante para um tratamento mais seguro, assim como melhores condições de alimentação e nutrição. A incorporação de fatores genéticos e ambientais pode ajudar na previsão e manutenção da dose individualizada.
Palavra-chave Gene CYP2C9
Nutrição
Vitamina K sérica
Varfarina
Vitamina K filoquinona
Vitamina K 1
Nutrição em saúde pública
Genes
Idioma Português
Data de publicação 2010-05-26
Publicado em MELCHIOR, Claudia. Interações entre ingestão de vitamina K, vitamina K sérica, tempo de protrombina e a dose de varfarina e polimorfismo do gene CYP2C9 em pacientes cardiopatas usuários de anticoagulantes orais de um Instituto de Cardiologia de São Paulo. 2010. Dissertação (Mestrado) - Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP), São Paulo, 2010.
Publicador Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Extensão 177 p.
Direito de acesso Acesso aberto Open Access
Tipo Dissertação de mestrado
Endereço permanente http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/9770

Exibir registro completo




Arquivo

Nome: Publico-276a.pdf
Tamanho: 876.6KB
Formato: PDF
Descrição:
Abrir arquivo
Nome: Publico-276b.pdf
Tamanho: 1.762MB
Formato: PDF
Descrição:
Abrir arquivo
Nome: Publico-276c.pdf
Tamanho: 1.088MB
Formato: PDF
Descrição:
Abrir arquivo

Este item está nas seguintes coleções

Buscar


Navegar

Minha conta