Função endotelial venosa na Doença d e Chagas

Função endotelial venosa na Doença d e Chagas

Título alternativo Venous endothelial function in Disease Chagas
Autor Plentz, Rodrigo Della Méa Autor UNIFESP Google Scholar
Orientador Irigoyen, Maria Claudia Autor UNIFESP Google Scholar
Instituição Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Resumo A Insuficiência Cardíaca Crônica é um importante problema de saúde pública em todo o mundo. Ela é uma complexa síndrome clínica que apresenta a via final comum de diversas doenças do coração, das mais diferentes etiologias, caracterizada por disfunção sistólica e/ou diastólica de um ou mais freqüentemente, de ambos os ventrículos, de evolução progressiva e quase sempre fatal. A interação entre os sistemas cardiovascular e respiratório é muito estreita. Um exemplo disso é a dispnéia, uma queixa respiratória, que é a principal manifestação clínica da ICC. Outros exemplos são as oscilações respiratórias caracterizadas por ciclos regulares em crescendo e decrescendo do volume corrente pulmonar interposto por apnéias centrais (respiração de Cheyne-Stokes) ou apnéias obstrutivas. O endotélio participa dos mecanismos de controle de controle do sistema cardiovascular e respiratório e encontra-se alterado em pacientes com ICC, entretanto ainda não há na literatura trabalhos verificando o efeito da respiração de Cheyne-Stokes sobre a função endotelial em pacientes com ICC o qual foi objetivo dessa pesquisa. Como metodologia utilizou-se a técnica polissonografia para avaliar a presença ou não da respiração Cheyne-Stokes em pacientes com ICC e posteriormente foi realizada a avaliação da função endotelial venosa com a técnica complacência da veia dorsal da mão. Foram infundidas doses crescentes de fenilefrina para se obter pré-constrição de 70% do basal; a seguir foram administradas acetilcolina e nitroprussiato de sódio para avaliar as respostas de venodilatação, respectivamente, dependentes e independentes do endotélio. A casuística foi composta de grupo um (G1) cinco pacientes com ICC sem respiração Cheyne-Stokes, de ambos os sexos (quatro homens e uma mulher), com idade média de 45,4 ± 14 anos; e grupo dois (G2) constituído por 6 pacientes ICC com respiração Cheyne-Stokes de ambos os sexos (02 homens e 4 mulheres), com idade média de 54,1 ± 2,3 anos, todos os pacientes apresentavam-se na classe funcional II e III NYHA. Como resultados obteve-se: a demonstração de dessensibilização do receptores α –adrenérgico observado pela maior necessidade de fenilefrina para venocostrição de 70% (VC70%) no G2 em relação ao G1 (569 ± 219,8 vs 126,8 ± 52,5 p=0,05); não foi observado diferença nas respostas endotélio dependente e independente entre os grupos, entretanto os valores observado encontram-se abaixo do valores de indivíduos sem patologias. Concluímos que pacientes com ICC e respiração Cheyne- Stokes apresentam disfunção endotelial agravada pela menor sensibilidade dos receptores α –adrenérgicos.
Palavra-chave Endotélio vascular - fisiopatologia
Veias
Complacência
Chagas - fisiopatologia
Idioma Português
Data de publicação 2006-12-31
Publicado em PLENTZ, Rodrigo Della Méa. Função endotelial venosa na Doença d e Chagas. 2006. Tese (Doutorado) - Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP), São Paulo, 2006.
Publicador Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Direito de acesso Acesso restrito
Tipo Tese de doutorado
Endereço permanente http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/9665

Exibir registro completo




Arquivo

Nome: Restrito-0119.pdf
Tamanho: 748.3KB
Formato: PDF
Descrição:
Abrir arquivo

Este item está nas seguintes coleções

Buscar


Navegar

Minha conta