Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unifesp.br/11600/9471
Title: Escherichia coli na cavidade oral: Frequência na creche como fator de risco
Other Titles: Escherichia coli in oral cavity: attendance to child day care center as a risk factor
Authors: Morais, Tania Beninga de [UNIFESP]
Oliveira, Ageane Monteiro [UNIFESP]
Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Keywords: Child, preschool
Escherichia coli
Escherichia coli
Infant
Lactente
Pré-escolar
Saliva
Saliva
Child day care centers
Creches
Fatores de risco
Risk factors
Transmissão de doença infecciosa
Disease transmission, infectious
Issue Date: 25-May-2011
Publisher: Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Citation: OLIVEIRA, Ageane Monteiro. Escherichia coli na cavidade oral: Frequencia na creche como fator de risco. 2011. 51 f. Dissertação (Mestrado) - Escola Paulista de Medicina, Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP), São Paulo, 2011.
Abstract: Objective: To investigate the ocurrence of Escherichia coli (E.coli) in samples of saliva in children up to 36 months after exposure to child public daycare center and home environments. Methods: We investigated the presence of E. coli, considered as an indicator of fecal contamination, in saliva samples from 141 children, 53 non-attending and 88 attending child daycare center. Two samples of each child were collected on the same day at 7:00 am and 3:00 pm and plated on MacConkey Agar for further identification of E. coli. The following characteristics of the daycare center were evaluated: attended full-time only children up to 36 months, staff training, diaper changing area and toilets only for children’s use. Results: Samples E. coli negative in the morning and positive in the afternoon were statistically associated with the condition of the child attending day care center (Odds ratio= 2.72; 95% confidence interval= 1.15/6.46). There were no statistically significant associations between gender, age over 12 months, bottle feeding, use of diaper and pacifier, and tooth brushing.Conclusion: Exposure to the daycare center environment favored the potential risk of transmission of enteropathogens, as demonstrated by the presence of E. coli in saliva, even though the daycare center provided adequate child care practices and had good hygiene condition. The method proved to be easy to sampling, non-invasive and feasible in young children. As is unknown how long E. coli can survive in oral cavity that may have prevented the finding of associations between positive samples and some risk factors depending upon the time of the sampling.
Objetivo: investigar a ocorrência de Escherichia coli (E.coli) em amostras de saliva em crianças de até 36 meses após a exposição da criança em creche pública e ambientes domésticos. Métodos: Nós investigamos a presença de E. coli, considerando como um indicador de contaminação fecal, em amostras de saliva de 141 crianças, 53 não frequentadoras e 88 frequentando creche infantil. Duas amostras de cada criança foram coletadas no mesmo dia, às 7h e 15h e semeadas em Agar MacConkey para posterior identificação de E. coli. As seguintes características da creche, foram avaliados: presença em tempo integral apenas crianças de até 36 meses, treinamento de pessoal, área de troca de fraldas e banheiros apenas para uso das crianças. Resultados: As amostras E.coli negativo na parte da manhã e positivo no período da tarde foram estatisticamente associados com a condição da criança frequentando creche (Odds ratio = 2,72; intervalo de confiança 95% = 1.15/6.46). Não houve associação estatisticamente significativa entre sexo, idade superior a 12 meses, a mamadeira, o uso de fralda e chupeta, e de escovação dentária. Conclusão: A exposição ao ambiente de creche favoreceu o risco potencial de transmissão de enteropatógenos, como demonstrado pela presença de E. coli em saliva, mesmo que a creche desde práticas de cuidado adequado da criança e tinha condição de higiene. O método mostrou ser de fácil amostragem, não-invasiva e viável em crianças pequenas. Como se sabe quanto tempo de E. coli podem sobreviver na cavidade oral, que pode ter impedido a descoberta de associações entre amostras positivas e alguns fatores de risco, dependendo da época da amostragem.
URI: http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/9471
Appears in Collections:Dissertação de mestrado

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Publico-12638.pdf551.34 kBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.