Epidemiologia dos óbitos neonatais hospitalares associados à asfixia perinatal no interior do Estado de Alagoas em 2009

Epidemiologia dos óbitos neonatais hospitalares associados à asfixia perinatal no interior do Estado de Alagoas em 2009

Título alternativo Epidemiology of hospital neonatal deaths associated to perinatal asphyxia in the country side of Alagoas State in 2009
Autor Silva, Cicero José da Autor UNIFESP Google Scholar
Orientador Almeida, Maria Fernanda Branco de Autor UNIFESP Google Scholar
Instituição Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Pós-graduação Pediatria e Ciências Aplicadas à Pediatria - São Paulo
Resumo Objective: To describe epidemiologic frequency and characteristics of intra-hospital neonatal deaths associated to perinatal asphyxia in the country side of Alagoas state in 2009. Method: Prospective cross-seccional study with weekly active search for medical records of mothers and their newborn infants who died before 28 days of age from January 1st to December 31, 2009, in 11 maternity hospitals from 7 towns which account for 67% of newborn births in the country side of Alagoas. This study was approved by the Research Ethics Committee as well as by all the 11 maternity hospitals. It was considered death associated to perinatal asphyxia if at least one of these criteria was found: Apgar score <6 in the 5th minute; meconium aspiration syndrome (MAS); hypoxic-ischemic encephalopathy; Apgar score <3 in the 1st minute with ventilation at birth; death record of hypoxia/asphyxia at birth in the Declaration of Death. Patients with major malformations, birth weight <400g or gestational age <22 weeks were excluded. Descriptive analysis of patients included the variables of location and condition of birth and death, morbidity and therapeutic interventions. Information on physical structure, material and human resources were collected from hospitals in March and September/09. Results: In 2009, in 11 hospitals were registered 19,740 live births and 173 neonatal deaths, 155 were preventable, of which 100 (65%) had birth asphyxia (5.1 deaths per thousand live births) and 91% occurred at the same hospital of birth. Obstetrician and pediatrician were present, respectively, in 83% and 91% of the births of the 53 infants with low birth weight and 77 and 79% of 47 infants 2500g. Apgar score 3 in the 1st minute occurred in 83% of the 53 low birth weight newborn and 1/3 of them had no improvement at 5 minutes score; 92% developed respiratory distress, 46% received surfactant, 70% mechanical ventilation and 73% remained in incubator. Of the 61 infants >2500g, 47(77%) had asphyxia, half of them had 1st minute Apgar score 3 and 17% of whom remained unchanged at 5 min. MAS was clinically diagnosed in 59% of this group, 59% received mechanical ventilation and 56% remained in the incubator. Died outside environment intensive care 34% of low birth weight newborn infants and 62% of 2500g. Death occurred within 24 hours in 41% and between 2 and 6 days in 47% of the 100 newborn infants. Half of death certificates contained reference to asphyxia and no autopsy was performed. In March/2009, in each hospital there was a single neonatal resuscitation table for reception at birth and 7 had complete material for manual ventilation. In evaluating September/09, all tables had material for resuscitation. Two hospitals had neonatal ICU beds and 4 had care intermediate. Between 2007 and 2009, 58% of pediatricians and 25% of staff nursing had done neonatal resuscitation training course. Conclusion: The rate of neonatal deaths with birth asphyxia in the interior of Alagoas is very high (65%), especially in newborns weighing over 2,500g, identifying inadequate conditions of care in delivery rooms and in neonatal care units.

Introdução: Alagoas é a unidade federativa com a maior mortalidade infantil e neonatal do Brasil. O conhecimento epidemiológico das causas de morte neonatais pode auxiliar a priorizar esforços para sua redução. Objetivo: Descrever a freqüência e características epidemiológicas dos óbitos hospitalares neonatais associados à asfixia ao nascer no interior de Alagoas em 2009. Método: Estudo transversal prospectivo com busca ativa semanal hospitalar nos prontuários maternos e dos recém-nascidos que morreram até 28 dias de vida incompletos de 1º/01 a 31/12/2009 em 11 maternidades públicas de 7 municípios, responsáveis por 67% dos nascidos vivos do interior de Alagoas. Considerou-se óbito associado à asfixia se >1 critério: Apgar 5º minuto 6; síndrome de aspiração meconial (SAM); encefalopatia hipóxico-isquêmica; Apgar 1º minuto 3 com ventilação ao nascer; relato de hipóxia/asfixia ao nascer na declaração de óbito. Excluíram-se RN com malformados maiores, peso <400g ou gestação <22 semanas. A análise descritiva dos pacientes incluiu as variáveis de local e condição de nascimento e óbito, de morbidade e intervenções terapêuticas. Informações sobre estrutura física, material e de recursos humanos das maternidades foram colhidas em março e setembro/09. Resultados: Em 2009, nas 11 maternidades, foram registrados 19.740 nascidos vivos e 173 óbitos neonatais, sendo 155 evitáveis, dos quais 100 (65%) tinham asfixia ao nascer (5,1 óbitos/ mil nascidos vivos) e 91% aconteceu na mesma maternidade de nascimento. Obstetra e pediatra estiveram presentes, respectivamente, em 83 e 91% dos partos de 53 RN com baixo peso e em 77 e 79% dos 47 RN 2.500g. Dentre os 53 RN de baixo peso, Apgar 1º minuto 3 ocorreu em 83%, dos quais em 1/3 não houve melhora no 5º minuto; 92% desenvolveu síndrome do desconforto respiratório, 46% recebeu surfactante, 70% ventilação mecânica e 73% deles permaneceram em incubadora. Nos 61 RN >2.500g, 47 (77%) tinham asfixia, dos quais metade com Apgar 1º minuto 3, que permaneceu inalterado em 17% no 5º minuto. SAM foi diagnosticada clinicamente em 59% desse grupo, dos quais 59% receberam ventilação mecânica e 56% ficaram em incubadora. Faleceram fora de ambiente de cuidado intensivo 34% dos RN de baixo peso e 62% dos 2.500g. Nos 100 casos, o óbito ocorreu antes de 24 horas em 41% e entre 2º e 6º dia em 47% deles. Metade das Declarações de Óbito continha referência à asfixia e nenhuma necrópsia foi realizada. Em março/2009, em cada maternidade havia uma única mesa de reanimação para a recepção ao nascer, com material completo para ventilação manual em 7. Na avaliação de setembro/09, todas as mesas contavam com material para reanimação. Duas maternidades tinham leitos de UTI neonatal e em 4 havia cuidados intermediários. Fizeram curso de reanimação neonatal, entre 2007 e 2009, 58% dos pediatras e 25% da equipe de enfermagem. Conclusão: A freqüência dos óbitos neonatais hospitalares com asfixia ao nascer no interior de Alagoas é muito elevada (65%), em especial, nos recém-nascidos com peso acima de 2.500g, identificando-se condições inadequadas de atendimento nas salas de parto e nas unidades de cuidados neonatais.
Palavra-chave Asfixia neonatal
Recém-nascido
Mortalidade neonatal
Mortalidade infantil
Idioma Português
Data de publicação 2010-11-24
Publicado em SILVA, Cicero José da. Epidemiologia dos óbitos neonatais hospitalares associados à asfixia perinatal no interior do Estado de Alagoas em 2009. 2010. Dissertação (Mestrado) - Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP), São Paulo, 2010.
Publicador Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Extensão 117 p.
Direito de acesso Acesso aberto Open Access
Tipo Dissertação de mestrado
Endereço permanente http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/9464

Exibir registro completo




Arquivo

Nome: Tese-12264.pdf
Tamanho: 5.224MB
Formato: PDF
Descrição:
Abrir arquivo

Este item está nas seguintes coleções

Buscar


Navegar

Minha conta