Efeitos do ambiente alimentar e nutricional sobre o excesso de peso em crianças menores de 10 anos

Efeitos do ambiente alimentar e nutricional sobre o excesso de peso em crianças menores de 10 anos

Título alternativo Effects of the food and nutritional environment on overweight of children under 10 years
Autor Cremm, Elena de Carvalho Autor UNIFESP Google Scholar
Orientador Martins, Paula Andrea Autor UNIFESP Google Scholar
Instituição Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Pós-graduação Nutrição – São Paulo
Resumo Introduction: The prevalence of childhood overweight has been increasing throughout the world. Given the consequences of overweight to individuals and society, researchers have been trying to identify the economic, social, environmental and biological variables associated with overweight. It has been suggested that the environment has a important part in the etiology of overweight, in that relates to physical activity and food intake. Objectives: To analyze the relationship between the BMI of children under 10 years of age in the city of Santos and socio-economic and environmental factors. Methods: In a cross sectional, population based study, 531 children under 10 years living in the city of Santos were assessed. Socio-economic, physical activity and food intake data were collected at the individual level. Logistic regression was performed to analyze the influence of the individual level variables on overweight. To evaluate the nutrition environment, questionnaires adapted and validated for the Brazilian population were created. Food stores and food service places were assessed in the whole city and also in a 500m area around the children´s census tract. The individual and environmental data were analyzed in an ecological model in order to assess possible correlations. Results: Lower socio-economic status was associated with overweight in children at the individual level and was also associated with less access to healthy food and healthy establishments at the environment level. The presence of health promoting food stores was associated with lower BMI/age. Conclusion: The ecological analysis showed a negative association between the nutritional status and the nutrition environment. However, in order to assess the individual influence of the environment on the individual, more advanced statistical methods are necessary. The area and the population’s socio-economic status should be considered when planning interventions focused on the nutrition environment.

Introdução: A prevalência de excesso de peso em crianças vem aumentando acentuadamente em todo o mundo e em decorrência das conseqüências que esta condição traz, tem-se buscado identificar os fatores associados ao excesso de peso. Atualmente, tem sido bastante discutido o efeito do ambiente sobre o estado nutricional de indivíduos, especificamente sobre a prática de atividade física e o consumo de alimentos. Objetivo: Analisar a relação entre o estado nutricional de crianças menores de 10 anos do município de Santos e fatores socioeconômicos e ambientais. Métodos: Foi realizado estudo transversal, com um componente de base domiciliar e um componente ambiental. No componente domiciliar, foram coletados dados sobre a condição socioeconômica, estado nutricional, atividade física e consumo alimentar de 531 crianças menores de 10 anos moradoras do município de Santos. Foi realizada análise de regressão para avaliar a influência dos fatores individuais no excesso de peso. Para avaliação do componente ambiental, foram elaborados questionários adaptados para a realidade brasileira e validados. Foram avaliados os alimentos e refeições disponíveis em comércios e restaurantes localizados no município e numa área de 500m ao redor dos setores censitários de residência das crianças. Em seguida, os dados ambientais e domiciliares foram agregados na unidade do setor censitário e foi realizada análise de correlação. Resultados: A pior condição sócio-econômica foi determinante na presença do excesso de peso em crianças em nível individual e do menor acesso a alimentos saudáveis nos diversos estabelecimentos analisados em nível ambiental. Ao analisar a relação do ambiente com o IMC/idade, encontrou-se que a presença de estabelecimentos promotores de uma alimentação saudável resultou em menor IMC. Conclusão: Analisando os dados ecologicamente, foi possível observar a presença de associação entre o estado nutricional e o ambiente. No entanto, é necessário avaliar a influência individual do ambiente no indivíduo, por meio de métodos estatísticos mais avançados. A condição sócio-econômica do local e da população deve ser levada em consideração ao se planejar ações de intervenção no ambiente nutricional.
Palavra-chave Ambiente nutricional
Análise ecológica
Criança
Geoprocessamento
Obesidade
Estado nutricional
Idioma Português
Financiador Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP)
Número do financiamento FAPESP: 2008/55969-8
Data de publicação 2011-02-22
Publicado em CREMM, Elena de Carvalho. Efeitos do Ambiente Alimentar e Nutricional sobre o Excesso de Peso em Crianças Menores de 10 anos. 2011. Dissertação (Mestrado) - Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP), São Paulo, 2011.
Publicador Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Extensão 141 p.
Direito de acesso Acesso restrito
Tipo Dissertação de mestrado
Endereço permanente http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/9416

Exibir registro completo




Arquivo

Nome: Retido-12450.pdf
Tamanho: 1.252MB
Formato: PDF
Descrição:
Abrir arquivo

Este item está nas seguintes coleções

Buscar


Navegar

Minha conta