Distribuição de valores de medidas antropométricas e avaliação do estado nutricional de escolares de 7 a 10 anos de idade, da cidade de Santos - SP

Distribuição de valores de medidas antropométricas e avaliação do estado nutricional de escolares de 7 a 10 anos de idade, da cidade de Santos - SP

Título alternativo Anthropometric measures values distribution and nutritional status assessment of school children between 7 and 10 years old, in the city of Santos
Autor Costa, Roberto Fernandes da Autor UNIFESP Google Scholar
Orientador Fisberg, Mauro Autor UNIFESP Google Scholar
Instituição Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Resumo Aim: Describe the distribution of anthropometric measures and indices, and the nutritional status in schoolchildren between 7 and 10 years old. Methods: Were evaluated 10,822 schoolchildren of public and private schools from the city of Santos – SP, 5,211 boys and 5,611 girls, corresponding to 52.17% of schoolchildren in this age range. The measures were: weight, height and skinfold thickness; and the calculated indices were: body mass index, subscapular/triceps index, sum of five skinfolds, and body fat percentage. The nutritional status was estimated by body mass index for age and gender, using CDC (2000) diagnostic criteria, where 5th percentile is a cutoff point for underweight, 85th percentile is cutoff for overweight, and 95th percentile is cutoff for obesity. The prevalence of nutritional status was also calculated by Cole et al. (2000) diagnostic criteria, adopted by the International Obesity Task Force (IOTF), for comparison the predictive values of the two criteria in relation to body fat percentage. Percentile tables were constructed for all studied variables. Results: The total prevalence of underweight, overweight and obesity was 3.7%, 15.7% and 18.0%, respectively. In the public schools, the prevalence of underweight was 4.5% for boys and 4.2% for girls; and in the private schools, 3.2% for boys and 2.7% for girls. The prevalence of overweight was 13.7% for boys and 14.8% for girls, in the public schools. In the private schools was 17.7% for boys and 22.2% for girls. Obesity was prevalent in 16.9% of boys and 14.3% of girls, in public schools. In the private schools, 29.8% of boys and 20.3% of girls were diagnosed as obese. The sensibility and specificity analysis for two diagnostic criteria showed that the best results of overweight and obesity estimative for boys was obtained by CDC (2000). For girls, CDC showed the best diagnostic results in 9 and 10 years old, and did not present difference of IOTF in other ages. In relation to body fat distribution, 23.6% of boys and 26.7% of girls presented abdominal obesity; among obese children, 46.2% of boys and 59.0% of girls showed this status. Conclusions: The prevalence of underweight was comparable of those in developed countries; overweight and obesity were higher than other studies conducted in Brazil, being more prevalent in private schools. Elevated proportion of children with abdominal obesity was found. Although private schools have more obese children, abdominal obesity was not different between public and private schools. The diagnostic criteria that showed best efficiency was CDC, presenting higher positive and negative predictive values, in the majority of the studied ages, in both genders. The normative values for anthropometric measures and body indices, in percentile tables, associated with known diagnostic criteria, can enhance the understanding about the variables behavior related to the studied population nutritional status.

Objetivo: Descrever a distribuição de valores de medidas e índices antropométricos, e o estado nutricional de escolares de sete a 10 anos de idade. Métodos: Foram avaliados 10.822 escolares de escolas públicas e particulares da cidade de Santos – SP, 5.211 meninos e 5.611 meninas, correspondendo a 52,17% dos escolares nesta faixa etária. As medidas realizadas foram: massa, estatura e dobras cutâneas; e os índices calculados foram: índice de massa corporal, índice subescapular/tríceps, somatório de cinco dobras cutâneas e porcentagem de gordura corporal. O estado nutricional foi estimado pelo índice de massa corporal para idade e gênero, utilizandose o critério diagnóstico proposto pelo CDC (2000), que propõe o percentil 5 como valor de corte para baixo peso, o percentil 85 para sobrepeso e o percentil 95 para obesidade. As prevalências do estado nutricional também foram calculadas utilizandose o critério diagnóstico proposto por Cole et al. (2000) adotado pela IOTF (International Obesity Task Force), para comparação dos valores preditivos destes critérios em relação à porcentagem de gordura. Foram construídas tabelas de percentil para todas as variáveis estudadas. Resultados: As prevalências totais de baixo peso, sobrepeso e obesidade foram de 3,7%, 15,7% e 18,0%, respectivamente. Nas escolas públicas a prevalência de baixo peso foi de 4,5% para os meninos e 4,2% para as meninas; nas particulares 3,2% para os meninos e 2,7% para as meninas. A prevalência de sobrepeso foi 13,7% nos meninos e 14,8% nas meninas das escolas públicas. Nas particulares foi de 17,7% nos meninos e 22,2% nas meninas. A obesidade foi prevalente em 16,9% dos meninos e 14,3% das meninas das escolas públicas. Nas particulares, 29,8% dos meninos e 20,3% das meninas foram diagnosticados como obesos. Na análise da sensibilidade e especificidade dos dois critérios, o do CDC apresentou melhores resultados para o diagnóstico de sobrepeso e obesidade nos meninos. Para as meninas, o CDC apresentou melhores resultados diagnósticos de sobrepeso e obesidade aos nove e aos 10 anos de idade, não sendo diferente da IOTF nas demais idades. Quanto à distribuição da gordura corporal 23,6% dos meninos e 26,7% das meninas apresentaram obesidade abdominal; entre as crianças obesas, 46,2% dos meninos e 59,0% das meninas apresentaram esta condição. Conclusões: As prevalências de baixo peso foram comparáveis às encontradas em países desenvolvidos, os diagnósticos de sobrepeso e obesidade foram mais elevados do que os encontrados na maioria dos estudos realizados no Brasil, sendo mais prevalentes nas escolas particulares do que nas públicas. As meninas apresentaram maior prevalência de sobrepeso e os meninos de obesidade. Havia elevada proporção de crianças com obesidade abdominal; embora tenham sido encontradas mais crianças obesas nas escolas particulares, a obesidade abdominal não diferiu entre os tipos de escola. O critério diagnóstico que mostrou maior eficiência foi o do CDC, por apresentar melhores valores preditivos positivos e negativos, na maior parte das idades estudadas, em ambos os gêneros. Os valores normativos para medidas antropométricas e índices corporais, em percentis, associados aos critérios diagnósticos conhecidos, podem ampliar o entendimento do comportamento das variáveis relacionadas ao estado nutricional da população estudada.
Palavra-chave Criança
Antropometria
Estado nutricional
Padrões de referência
Adiposidade
Índice de massa corporal
Idioma Português
Data de publicação 2006-01-01
Publicado em COSTA, Roberto Fernandes da. Distribuição de valores de medidas antropométricas e avaliação do estado nutricional de escolares de 7 a 10 anos de idade, da cidade de Santos - SP. 2006. Tese (Doutorado) - Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP), São Paulo, 2006.
Publicador Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Extensão 163 p.
Direito de acesso Acesso restrito
Tipo Tese de doutorado
Endereço permanente http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/9338

Exibir registro completo




Arquivo

Arquivo Tamanho Formato Visualização

Não existem arquivos associados a este item.

Este item está nas seguintes coleções

Buscar


Navegar

Minha conta