Contaminação fúngica em cascas de quixaba comercializadas na cidade de Juazeiro do Norte, CE

Contaminação fúngica em cascas de quixaba comercializadas na cidade de Juazeiro do Norte, CE

Título alternativo Fungi contamination in barks of quixaba sold in the city of Juazeiro do Norte, CE
Autor Silva, Emanuel Mauricio Bezerra e Autor UNIFESP Google Scholar
Orientador Rodrigues, Eliana Autor UNIFESP Google Scholar
Instituição Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Resumo O uso de plantas medicinais como forma de tratamento de doenças é prática de civilizações antigas como a chinesa e a egípcia, cujos registros datam de 3.000 a.C. e 2.000 a.C., respectivamente. Há evidências de que o homem pré-histórico já utilizava plantas medicinais para amenizar os sofrimentos e os males físicos que lhes acometiam. A quixaba [Sideroxylon obtusifolium (Humb. ex Roem. & Schlt.) T.D. Penn.] é um exemplo de planta medicinal utilizada na cidade de Juazeiro do Norte, Ceará, para o tratamento de inflamações em geral, na forma de decoto ou maceração. No entanto, o uso de plantas medicinais deve se dar de maneira orientada, submetido ao controle sanitário, de modo que o uso não ocasione problemas à saúde da população que as consome. O principal objetivo deste estudo foi verificar a contaminação fúngica em cascas de quixaba comercializadas nos mercados públicos da cidade de Juazeiro do Norte, Ceará. Para tanto, utilizou-se de métodos e técnicas da etnografia, tais como a observação participante, entrevistas informais e semiestruturadas, para a realização do trabalho de campo, sendo selecionados para participarem do estudo, 20 (vinte) ervaneiros de 03 (três) mercados públicos da cidade. Destes, foram adquiridas amostras de cascas de quixaba, na forma de compra em duplicata, totalizando 40 (quarenta) amostras. As amostras foram submetidas à análise macroscópica, quanto à presença de elementos estranhos ou traços de outras plantas medicinais, e análise microscópica, utilizando o método de Câmara Úmida. A análise macroscópica revelou que 10% das amostras apresentaram exúvias e outros restos de insetos, além de teias de aranha. Quanto a análise microscópica, 100% das amostras apresentaram-se contaminadas por fungos, sendo os mais frequentes Aspergillus flavus, Aspergillus niger, Aspergillus tamarii, Fusarium solani e Penicillium sp.. Estes resultados revelam que as cascas de quixaba comercializadas nos mercados de Juazeiro do Norte estavam em condições sanitárias precárias para consumo, indicando condições insatisfatórias de armazenamento e comercialização, além de possibilitarem danos à saúde dos consumidores.
Palavra-chave Contaminação fúngica
Fungal contamination
Micotoxinas
Medicinal plants
Plantas medicinais
Comércio
Micotoxicose
Idioma Português
Data de publicação 2011-05-25
Publicado em SILVA, Emanuel Mauricio Bezerra e. Contaminação fúngica em cascas de quixaba comercializadas na cidade de Juazeiro do Norte, CE. 2011. Dissertação (Mestrado) - Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP), São Paulo, 2011.
Publicador Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Extensão 89 p.
Direito de acesso Acesso restrito
Tipo Dissertação de mestrado
Endereço permanente http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/9257

Exibir registro completo




Arquivo

Nome: Retido-12711a.pdf
Tamanho: 773.5KB
Formato: PDF
Descrição:
Abrir arquivo
Nome: Retido-12711b.pdf
Tamanho: 1.464MB
Formato: PDF
Descrição:
Abrir arquivo

Este item está nas seguintes coleções

Buscar


Navegar

Minha conta