Avaliação do papel do nível plasmático de citocinas e de alguns polimorfismos dos genes de citocinas no risco de tromboembolismo venoso

Avaliação do papel do nível plasmático de citocinas e de alguns polimorfismos dos genes de citocinas no risco de tromboembolismo venoso

Título alternativo The role of plasma levels of cytokines and some of their polymorphisms on the risk of venous thromboembolism
Autor Matos, Marinez Farana Autor UNIFESP Google Scholar
Orientador Morelli, Vania Maris Autor UNIFESP Google Scholar
Instituição Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Resumo thromboembolism (VTE). However, clinical studies are few and show controversial results regarding the role of cytokines, acute-phase proteins and polymorphisms of cytokine genes on the risk of VTE. Objectives: the aims of this case-control study were to (1) investigate the association between the risk of VTE and plasma levels of IL-1beta, IL-6, IL-8, MCP-1 and acute-phase proteins; (2) evaluate the effect of some demographic and clinical variables as well as polymorphisms on the risk of VTE and whether these variables could influence cytokines levels; (3) investigate a possible correlation between levels of cytokines, acute-phase proteins and markers of blood coagulation and fibrinolysis in patients with VTE. Patients and methods: 122 patients (96 women, 79%) with a first objectively confirmed episode of VTE and a median age of 39.5 years were included. Exclusion criteria were malignancy, autoimmune diseases, antiphospholipid syndrome, chronic renal or liver disease and arterial thrombosis. Patients were seen at least 1 month after the discontinuation of the anticoagulant treatment and > 7 months after the event of VTE. Control group was comprised of 131 healthy subjects (105 women, 80%), with median age of 38 years. The following polymorphism were investigated: IL-1 beta -511CT, IL-1 beta -31TC, IL-6 -174GC, IL-8 -251 AT and MCP-1 -2518AG Results: gender, age and body mass index (BMI) were significantly associated with cytokine and acute-phase proteins levels. Elevated levels (> 90th percentile of controls) of IL-6 [Odds ratio (OR) = 3.64; 95% confidence interval (CI) 1.82 – 7.30] and IL-8 (OR = 2.42; 95%CI 1.15 – 5. 08) had a significant impact on the risk of VTE that remained after adjustment for sex, age, BMI and C-reactive protein. No correlation was found between the time since the event of VTE and levels of IL-6 (r = 0.064; P = 0.485) and IL-8 (r = 0.070; P = 0.442). There was a positive correlation between IL-8 and prothrombin fragment 1 + 2 levels (r = 0.203; P = 0.025). Median levels of d-dimer were significantly higher among patients with detectable levels of IL-1 beta (P < 0.0001). Except for the polymorphism IL-1 beta -31TC in controls, none of the polymorphisms were able to influence cytokine levels. Furthermore no polymorphism influenced thrombosis risk. Conclusion: elevated levels of IL-6 and IL-8 had a significant impact on the risk of VTE in a relatively young population of patients. No association was found between the time since the event and the level of these cytokines, which could suggest that inflammation is not only a consequence of the thrombosis. The relationship between IL-8 and IL-1 beta with markers of blood coagulation and fibrinolysis might indicate a possible procoagulant role of these cytokine in patients with VTE.

Introdução: dados da literatura mostram importante interface entre inflamação e tromboembolismo venoso (TEV). Estudos clínicos, entretanto, são escassos e controversos quanto ao papel de citocinas, de proteínas de fase aguda e de alguns polimorfismos dos genes de citocinas no risco de TEV. Objetivos: conduziu-se estudo de caso-controle com os seguintes objetivos: (1) avaliar o efeito de algumas das principais citocinas que compõem a interface entre inflamação e hemostasia (IL-1 beta, IL-6, IL-8 e MCP-1) e de proteínas de fase aguda (proteína C reativa e fibrinogênio) no risco de TEV; (2) investigar a influência de variáveis clínicas e demográficas e de polimorfismos na determinação dos níveis de citocinas e do risco de TEV; (3) correlacionar níveis de citocinas e proteínas de fase aguda com marcadores de ativação da coagulação e fibrinólise em pacientes com TEV. Material e Métodos: foram investigados 122 pacientes (96 mulheres, 79%), com evento único de TEV (há > 7 meses), idade mediana de 39,5 anos, com anticoagulação suspensa há mais de 1 mês e sem doença sistêmica que pudesse predispor ao TEV. O grupo controle foi constituído por 131 indivíduos saudáveis (105 mulheres, 80%), com idade mediana de 38 anos. Foram investigados os polimorfismos -511CT e -31TC da IL-1 beta, -174GC da IL-6, -251AT da IL-8 e - 2518AG de MCP-1. Resultados: sexo, idade e índice de massa corpórea (IMC) associaram-se frequentemente com os níveis de proteínas de fase aguda e de citocinas. Níveis elevados (> Percentil 90) de IL-6 [Odds ratio (OR) = 3,64; IC (Intervalo Confiança) 95% 1,82 - 7,30] e de IL-8 (OR = 2,42; IC95% 1,15 - 5,08) tiveram impacto significante no risco de TEV, que persistiu após ajuste para sexo, idade, IMC e proteína c reativa. Não foi observada correlação entre intervalo de tempo após TEV e níveis de IL-6 (r=0,064; P= 0,485) e de IL-8 (r=0,070; P= 0,442). Níveis de IL-8 e de fragmento 1+2 da protrombina correlacionaram-se positivamente (r = 0,203; P = 0,025). A mediana dos níveis de dímero-d foi maior em pacientes com níveis detectáveis de IL-1 beta comparada ao grupo com nível não detectável (P < 0,0001). Nenhum genótipo dos polimorfismos pesquisados influenciou o risco de TEV e a concentração plasmática de citocinas, excetuando-se o polimorfismo -31TC da IL-1 que influenciou os níveis desta citocina em controles. Conclusões: Níveis elevados de IL-6 e de IL-8 comportaram-se como fatores de risco para TEV em uma população de pacientes relativamente jovens. A ausência de associação entre intervalo de tempo após o TEV e nível de citocina sugere que a inflamação possa não ser apenas consequência da trombose. IL-8 e IL-1 beta poderiam contribuir para um estado procoagulante em pacientes com TEV, traduzido por meio de uma associação entre os níveis destas citocinas e marcadores da ativação da coagulação e da fibrinólise.
Palavra-chave Citocinas
Fatores De Risco
Polimorfismo genetico
Proteinas
Reacao de fase aguda
Tromboembolia Venosa
Cytokines
Risk factors
Polymorphism, genetic
Proteins
Acute-phase reaction
Venous Thromboembolism
Idioma Português
Data de publicação 2009-11-25
Publicado em MATOS, Marinez Farana. Avaliação do papel do nível plasmático de citocinas e de alguns polimorfismos dos genes de citocinas no risco de tromboembolismo venoso. 2009. Tese (Doutorado) - Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP), São Paulo, 2009.
Publicador Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Extensão 146 p.
Direito de acesso Acesso restrito
Tipo Tese de doutorado
Endereço permanente http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/9093

Exibir registro completo




Arquivo

Nome: Retido-161a.pdf
Tamanho: 198.8KB
Formato: PDF
Descrição:
Abrir arquivo
Nome: Retido-161b.pdf
Tamanho: 1.106MB
Formato: PDF
Descrição:
Abrir arquivo
Nome: Retido-161c.pdf
Tamanho: 760.3KB
Formato: PDF
Descrição:
Abrir arquivo
Nome: Retido-161d.pdf
Tamanho: 1.556MB
Formato: PDF
Descrição:
Abrir arquivo

Este item está nas seguintes coleções

Buscar


Navegar

Minha conta