Avaliação do efeito terapêutico da colina após a recirculação em ratos submetidos à isquemia encefálica global transitória

Avaliação do efeito terapêutico da colina após a recirculação em ratos submetidos à isquemia encefálica global transitória

Autor Borges, Andrea Aurélio Autor UNIFESP Google Scholar
Orientador Sinigaglia-Coimbra, Rita Autor UNIFESP Google Scholar
Instituição Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Resumo O Acidente Vascular Encefalico (AVE) representa uma das principais causas de mortalidade e morbidade , sendo a estimativa dos custos gerados pelo cuidado paliativo de pacientes portadores de sequelas neurológicas decorrentes do AVC de aproximadamente 43 bilhões de dólares ao ano somente nos Estados Unidos. A citicolina, um intermediário na síntese de fosfolipídeos da membrana, é a única droga cujos efeitos neuroprotetores contra a lesão isquêmica foram comprovados cientificamente. Apesar disso, o mecanismo de sua neuroproteção ainda não foi completamente elucidado. Uma vez que a ligação entre a colina e a citidina é quebrada após a sua administração e seu efeito benéfico não foi reproduzido com a administração isolada de citidina, é provavel que a colina seja a única responsável pela neuroproteção atribuida a citicolina. Baseando-se nesses dados o presente estudo procurou investigar a viabilidade da colina como agente terapêutico no modelo de isquemia global transitória em ratos. Na primeira fase do estudo, foram administradas diferentes doses de bitartarato de colina por via oral ao longo de sete dias de sobrevida para a avaliação da sobrevida neuronal. A dose terapêutica com melhor efeito neuroprotetor foi a dose de 400mg colina/Kg. Na segunda fase do estudo, foi verificada a estabilidade da neuroproteção numa sobrevida mais longa (2 meses) pela administração crônica de colina. Nesta fase também estudamos o efeito pró-neurogênico da colina e seu efeito sobre o desempenho cognitivo dos animais. O resultados obtidos demonstraram que a dose de 400mg colina/Kg ao longo de 7 dias propiciou um efeito neuroprotetor bastante significante (p<0,001; ANOVA seguido pelo teste de Newman-Keuls) e esse efeito manteve-se estável na sobrevida longa. A adminstração crônica de colina não propiciou neuroproteção adicional em relação à sobrevida de 7 dias, mas propiciou melhor desempenho cognitivo dos animais no teste do labirinto aquático de Morris. Em conclusão, a colina é uma substância capaz de propiciar um efeito neuroprotetor na isquemia global transitória. Tal efeito é duradouro e capaz de promover melhora do desempenho cognitivo no modelo lesional empregado neste estudo.
Assunto Circulação cerebrovascular
Colina
Ratos Wistar
Cognição
Isquemia encefalica/Quimioterapia
Idioma Português
Data 2011-11-24
Publicado em BORGES, Andrea Aurélio. Avaliação do efeito terapêutico da colina após a recirculação em ratos submetidos à isquemia encefálica global transitória. 2011. Tese (Doutorado) - Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP), São Paulo, 2011.
Editor Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Extensão 184 p.
Direito de acesso Acesso aberto Open Access
Tipo Tese de doutorado
URI http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/9082

Mostrar registro completo




Arquivos deste item

Nome: Publico-12648a.pdf
Tamanho: 1.843Mb
Formato: PDF
Descrição:
Visualizar/Abrir
Nome: Publico-12648b.pdf
Tamanho: 1.901Mb
Formato: PDF
Descrição:
Visualizar/Abrir
Nome: Publico-12648c.pdf
Tamanho: 1.699Mb
Formato: PDF
Descrição:
Visualizar/Abrir

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(s)