Avaliação da qualidade de vida dos profissionais investidores e analistas no mercado de capitais

Avaliação da qualidade de vida dos profissionais investidores e analistas no mercado de capitais

Autor Hayashi, Mauricio Hiroshi Autor UNIFESP Google Scholar
Orientador Ferraz, Marcos Bosi Autor UNIFESP Google Scholar
Instituição Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Resumo Objetivo: Descrever as condições gerais de saúde, avaliar a qualidade de vida e a freqüência dos distúrbios do tipo ansiedade e depressão entre os profissionais investidores e analistas do mercado de capitais. Métodos: Estudo transversal com aplicação auto-administrada via correio eletrônico, de quatro questionários: perfil sócio-demográfico, condições gerais de saúde, WHOQOL-bref e SRQ-20 em profissionais investidores e analistas do mercado de capitais. Os dados da pesquisa foram enviados para um endereço eletrônico criado especialmente para esta finalidade e hospedado no site da UNIFESP. Após o envio do primeiro questionário, foram feitos mais três envios de 15 em 15 dias solicitando a participação dos respondentes. Resultados: foram enviados 2400 questionários dos quais retornaram 153 devidamente preenchidos (6,37%). A maioria dos profissionais de investimento que participou da pesquisa é do sexo masculino (75,20%) predominando a idade entre 31 a 50 anos. Entre os respondentes predominou o perfil analista com 37,80% seguido de executivos com 18,50%. A principal doença referida pelos profissionais de investimento foi deficiência visual com 54,9%, seguida de dor na coluna com 45,40%. A maioria relatou ter qualidade de vida boa ou muito boa (51%) e 45,10% relataram estar mais ou menos satisfeitos com sua saúde. Houve um maior comprometimento dos domínios relação social e meio ambiente em comparação aos domínios físico e psicológico do WHOQOL-bref. A freqüência dos distúrbios do tipo ansiedade e depressão obtidos pelo SRQ-20 entre os profissionais de investimento foi de 28,8%, sendo menos prevalente no perfil executivo. Conclusão: As doenças mais freqüentes entre as referidas pelos profissionais de investimento foram deficiência visual, dor de coluna, disfunção têmporo-mandibular e dor de cabeça. A maioria dos profissionais relatou ter boa ou muito boa qualidade de vida e o instrumento WHOQOL- bref mostrou-se mais comprometido no domínio relação social e meio ambiente entre esses profissionais. A freqüência dos distúrbios do tipo ansiedade e depressão entre os profissionais de investimento foi de 28.8%, sendo semelhante à freqüência encontrada entre indivíduos com idade média de 40 anos, porém maior do que aquela entre pacientes com câncer e gestores públicos. Portanto, a prevenção e os cuidados com saúde mental dos investidores assumem contornos importantes em função da freqüência dos distúrbios do tipo ansiedade e depressão obtidos pelo SRQ-20. Existe uma congruência nos resultados entre os instrumentos de mensuração SRQ-20 e WHOQOL-bref mostrando que aqueles profissionais com distúrbios do tipo ansiedade e depressão também possuem pior qualidade de vida nos quatro domínios, físico, psicológico, relação social e meio ambiente.
Palavra-chave Economia
Idioma Português
Data de publicação 2009-11-25
Publicado em HAYASHI, Mauricio Hiroshi. Avaliação da qualidade de vida dos profissionais investidores e analistas no mercado de capitais . 2009. Dissertação (Mestrado) - Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP), São Paulo, 2009.
Publicador Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Extensão 132 p.
Direito de acesso Acesso restrito
Tipo Dissertação de mestrado
Endereço permanente http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/9037

Exibir registro completo




Arquivo

Nome: Retido-237a.pdf
Tamanho: 1.725MB
Formato: PDF
Descrição:
Abrir arquivo
Nome: Retido-237b.pdf
Tamanho: 1.950MB
Formato: PDF
Descrição:
Abrir arquivo

Este item está nas seguintes coleções

Buscar


Navegar

Minha conta