Apraxia de fala e apraxia não-verbal na doença de Alzheimer

Apraxia de fala e apraxia não-verbal na doença de Alzheimer

Título alternativo Apraxia of speech and apraxia nonspeech in Alzheimer’s disease
Autor Cera, Maysa Luchesi Autor UNIFESP Google Scholar
Orientador Minett, Thaís Soares Cianciarullo Autor UNIFESP Google Scholar
Instituição Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Resumo Purpose: to assess the speech and orofacial apraxia in Alzheimer’s disease (AD) and identify praxic speech errors at different stages of the disease and to verify the similarity among their occurrences. Methods: thirty subjects in each stage of AD (mild, moderate and severe) were submitted to the following assessment: Clinical Dementia Rating (CDR), Mini-Mental State Examination (MMSE) and Lawton Instrumental Activities of Daily Living, and praxis tasks, using the oral agility subtest of the Boston diagnostic aphasia examination and the protocol assessment speech and orofacial apraxias. Results: there were 66 women, the mean age was 80,2±7,2 years and means educational was 4,2 ±3,5 years. The means in the oral agility task of AD patients were significantly lower than of the normal population. Difficulties in verbal and nonverbal praxis increased with the progression of the disease. Regarding the types of errors, omission and substitution were more common, followed by trial-and-error, repetition, self-correction and addition. The error type addition determined different patterns of errors between stages of the disease. Conclusions: the speech and orofacial praxias of patients with AD were impaired and deteriorated according to the stage of the disease.

Objetivos: avaliar as praxias verbal e não-verbal em pacientes com doença de Alzheimer (DA) e identificar os erros práxicos verbais em diferentes fases da doença, além de verificar a similaridade entre as suas ocorrências. Métodos: foram avaliados 90 indivíduos, 30 em cada fase da DA (leve, moderada e grave), submetidos às escalas: Escala clínica da demência (CDR), Mini-exame do estado mental (MEM) e avaliação das atividades instrumentais de vida diária de Lawton, além da avaliação das praxias, por meio das tarefas de agilidade oral do teste de Boston, para a comparação com os dados de normalidade, e do Protocolo de Avaliação da Apraxia Verbal e Não-verbal, para a comparação do desempenho entre os três grupos. Resultados: Em relação à população estudada, 66 pacientes eram mulheres, a média da idade foi de 80,2 ±7,2 e da escolaridade de 4,2 ±3,5 anos. As médias de agilidade oral (verbal e não-verbal) dos grupos estudados foram significativamente menores do que as da população normal. As alterações práxicas verbais e não-verbais aumentaram com a progressão da doença. Quanto aos tipos de erros, os erros de omissão e substituição apresentaram maiores médias, seguidos de ensaio, repetição, autocorreção e adição. O erro do tipo adição determinou padrões de erros diferentes entre as fases da doença. Conclusões: os pacientes com DA apresentaram apraxia verbal e não-verbal que aumentaram com a gravidade demência.
Palavra-chave Transtornos da Articulação
Alzheimer disease
Articulation disorders
Diagnosis
Diagnóstico
Doença de Alzheimer
Apraxias
Apraxias
Idioma Português
Data de publicação 2010-01-27
Publicado em CERA, Maysa Luchesi. Apraxia de fala e apraxia não-verbal na doença de Alzheimer. 2010. Dissertação (Mestrado) - Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP), São Paulo, 2010.
Publicador Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Direito de acesso Acesso aberto Open Access
Tipo Dissertação de mestrado
Formato 114 p.
Endereço permanente http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/8965

Exibir registro completo




Arquivo

Nome: Publico-00395.pdf
Tamanho: 476.9KB
Formato: PDF
Descrição:
Abrir arquivo

Este item está nas seguintes coleções

Buscar


Navegar

Minha conta