Análise das células inflamatórias e da proteína anexina 1 no modelo de artrite experimental e reumatoide humana

Análise das células inflamatórias e da proteína anexina 1 no modelo de artrite experimental e reumatoide humana

Título alternativo Analysis of the inflammatory cells and annexin 1 protein in the experimental model arthritis and in the human rheumatoid
Autor Pimentel, Tatiana Aparecida Autor UNIFESP Google Scholar
Orientador Oliani, Sonia Maria Autor UNIFESP Google Scholar
Instituição Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Resumo Rheumatoid arthritis (RA) is a disease characterized by auto-antibody formation, chronic inflammation and joint oedema resulting in injury of affected cartilage and adjacent bone. In the treatment of this disease glucocorticoids (GC) have been used, wich induce genic expression of anti-inflammatory mediators, such as the annexin 1 protein (Anx-A1), and proinflammatory ones. In the pathogenesis of arthritis inflammatory cells such as mast cells are involved. Under activation these release potent proinflammatory mediators, wich are stored in their citoplasmic granules. In the present study we have analyzed the occurrence of mast cells during collageninduced arthritis (CIA) and their effect on neutrophils, a kind of leukocyte that promotes joint inflammation. Paw volume analysis of experimental mice showed that clinical signs of rheumatoid arthritis gradually increased until 42 days after collagen immunization. Knee and digit analysis showed neutrophil influx into the joints on the 21st and 32nd days, respectively, after CIA. Histologically, knees and digits presented different levels of leukocyte infiltration, showing that these joints are affected at different stages of the inflammation. Neutrophil migration was accompanied by an augmented number of mast cells in the digits and an intense process of degranulation in the knees, on the 21st day after CIA. To evaluate the effects of these inflammatory cells in CIA the animals were treated with prednisolona, commonly used in clinical treatment, and nedocromil, a membrane mast cell stabilizer drug. After drug administration, although the occurrence of arthritis was not modified, neutrophilic migration to the tissue was reduced. The prednisolona GC produced a marked mast cell migration to the joints and nedocromil action inhibited neutrophil proliferation and migration, with a profound effect on the digit joints. Collagen immunization induced an inflammatory process mainly characterized by mast cell activation and degranulation, with a profound effect on the maintenance of the inflammatory process and neutrophil recruitment. From this point of view, the profile of the cells studied in the digits and knees suggested that the joints are affected in a time-dependent manner during CIA development. In the studies related to human rheumatoid arthritis (RA) we investigated endogenous mobilization of the Anx-A1 protein and its formyl peptide receptor like 1 (FPRL-1) in the circulating lymphocytes of active and remissive patients. Ultrastructural analysis showed co-localization and high expression of Anx-A1 and FPRL-1, especially in the nucleus and cytosol of the lymphocytes of active RA patients in relation to remissive ones. These data suggest that endogenous Anx-A1 is activated during RA and this may be correlated to FPRL- 1. In this way we may conclude that the study of cellular types involved in arthritis and that the role that Anx-A1 protein may play during disease development may contribute to the development of new anti-inflammatory therapies based on the Anx- A1 system.

A artrite reumatóide é uma doença caracterizada por formação de autoanticorpos, inflamação crônica e edema articular, resultando em lesão das articulações afetadas e do osso adjacente. No tratamento dessa doença, tem sido utilizado glicocorticóides (GCs), que induzem a expressão de genes dos mediadores anti-inflamatórios, como a proteína anexina 1 (Anx-A1), e a regulação dos pró-inflamatórios. Na patogênese da artrite, estão envolvidas células inflamatórias como os mastócitos, que, sob ativação, liberam potentes mediadores pró-inflamatórios contidos nos seus grânulos citoplasmáticos. No presente estudo, avaliamos a ocorrência dos mastócitos na evolução da artrite induzida por colágeno (CIA) e os seus efeitos sob os neutrófilos, leucócitos que auxiliam na promoção da inflamação articular. As avaliações dos volumes de patas dos camundongos experimentais mostraram que os sinais clínicos da artrite aumentaram gradualmente, até 42 dias após a imunização com o colágeno. As análises dos joelhos e dos dígitos mostraram influxo de neutrófilos nas articulações nos 21º e 32º dias, respectivamente, após a CIA. Histologicamente, os joelhos e dígitos apresentaram diferentes níveis de infiltração leucocitária, mostrando que essas articulações são afetadas em diferentes períodos da inflamação. A migração neutrofílica foi acompanhada por aumento do número de mastócitos nos dígitos e intenso processo de desgranulação nos joelhos, no 21º dia após a CIA. Para avaliar os efeitos dessas células inflamatórias na CIA, os animais foram tratados com os fármacos prednisolona, comumente utilizado na clínica médica, ou nedocromil, estabilizador da membrana de mastócitos. Após a administração dos fármacos, a ocorrência da artrite não foi modificada, embora a migração neutrofílica tenha sido reduzida. O GC prednisolona causou aumento dos mastócitos nos tecidos articulares, enquanto a ação do nedocromil inibiu a proliferação e migração de neutrófilos, com efeitos potencialmente aumentados nos dígitos. A imunização com o colágeno bovino induziu o processo inflamatório caracterizado, principalmente, por ativação e desgranulação dos mastócitos, com consequente efeito na propagação do processo inflamatório e no recrutamento dos neutrófilos. Assim, o perfil inflamatório das células estudadas, nos dígitos e nos joelhos, sugeriu que o acometimento das articulações durante o desenvolvimento da CIA é tempodependente. Nos estudos relacionados com a artrite reumatóide (AR) humana investigamos a mobilização endógena da proteína Anx-A1 e do seu receptor para peptídeos formilados tipo 1 (FPRL-1) nos linfócitos circulantes de pacientes em atividade ou em remissão. As análises ultraestruturais mostraram colocalização e alta expressão da Anx-A1 e do FPRL-1, principalmente no núcleo e citosol dos linfócitos de pacientes com AR em atividade, em relação aos remissivos. Esses dados sugerem que a Anx-A1 endógena é ativada durante a AR, podendo estar correlacionada com o receptor FPRL-1. Dessa forma, chegamos à conclusão de que o estudo dos tipos celulares envolvidos na artrite e a atividade que a proteína Anx- A1 pode exercer durante a evolução desta doença poderão definir o desenvolvimento de novas terapias anti-inflamatórias baseadas no sistema Anx-A1.
Palavra-chave Anexina A1
Artrite experimental e reumatoide humana
Mastócitos
Neutrófilos
Linfócitos
Artrite reumatoide
Artrite experimental
Idioma Português
Data de publicação 2010-01-27
Publicado em PIMENTEL, Tatiana Aparecida. Análise das células inflamatórias e da proteína anexina 1 no modelo de artrite experimental e reumatóide humana. 2010. Tese (Doutorado) - Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP), São Paulo, 2010.
Publicador Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Extensão 111 p.
Direito de acesso Acesso restrito
Tipo Tese de doutorado
Endereço permanente http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/8912

Exibir registro completo




Arquivo

Nome: Retido-016a.pdf
Tamanho: 626.1KB
Formato: PDF
Descrição:
Abrir arquivo
Nome: Retido-016b.pdf
Tamanho: 861.6KB
Formato: PDF
Descrição:
Abrir arquivo
Nome: Retido-016c.pdf
Tamanho: 1.646MB
Formato: PDF
Descrição:
Abrir arquivo
Nome: Retido-016d.pdf
Tamanho: 1.931MB
Formato: PDF
Descrição:
Abrir arquivo

Este item está nas seguintes coleções

Buscar


Navegar

Minha conta