Quais os impactos da desaposentação? Um estudo para as aposentadorias por tempo de contribuição do regime geral de previdência social

Quais os impactos da desaposentação? Um estudo para as aposentadorias por tempo de contribuição do regime geral de previdência social

Autor Zanella, Angelo José Google Scholar
Carvalho, João Vinícius de França Autor UNIFESP Google Scholar
Afonso, Luís Eduardo Google Scholar
Instituição Escola Superior de Administração e Gestão Strong
Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Universidade de São Paulo (USP)
Resumo This study aims to evaluate the impacts of re-retirement, a term used when an Brazilian insured INSS retires, but remains in the formal labor market, and asks recalculation of the pension benefit due to the increase in the contribution period. There is an important tradeoff: the more the insured take to ask re-retirement, the greater the increase in the value of the benefit. However, the time of enjoyment of this gain will be less. Conversely, the more premature re-retirement, the lower the effective increase in the period and greater enjoyment. The theoretical framework is based on the concepts of actuarial justice and actuarial neutrality. Were employed four indicators used in the literature pension: Replacement Rate, Internal Rate of Return, Necessary Rate and Effective Rate. The results show an optimal period for re-retirement: at least 4.83 years (men) and 7.83 years for (women). If the return of the benefit is required before the recalculation, there is no advantage in re-retirement.

Este trabalho visa a avaliar os impactos da desaposentação, termo empregado quando um segurado do INSS se aposenta, mas se mantém no mercado de trabalho formal e pede recálculo do valor da aposentadoria, devido ao acréscimo no período contributivo. Há um trade off importante: quanto mais o segurado demorar em pedir a desaposentação, maior será o incremento no valor do benefício. Porém, o tempo de usufruto deste ganho será menor. Inversamente, quanto mais prematura a desaposentação, menor será o aumento no benefício e maior o período de desfrute. A fundamentação teórica baseia-se nos conceitos de justiça atuarial e neutralidade atuarial. Foram utilizados quatro indicadores usualmente adotados na literatura previdenciária: Taxa de Reposição, Taxa Interna de Retorno, Alíquota Necessária e Alíquota Efetiva. Os resultados evidenciam um período ótimo para a desaposentação: pelo menos 4,83 anos (homens) e 7,83 anos para (mulheres). Se a devolução do benefício for obrigatória antes do recálculo, não há vantagens na desaposentação.
Palavra-chave Social Security
re-retirement
retirement
actuarial fairness
Previdência Social
desaposentação
aposentadoria
justiça atuarial
Idioma Português
Data de publicação 2014-12-01
Publicado em Estudos Econômicos (São Paulo). Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas - FIPE, v. 44, n. 4, p. 723-748, 2014.
ISSN 0101-4161 (Sherpa/Romeo)
Publicador Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas - FIPE
Extensão 723-748
Fonte http://dx.doi.org/10.1590/S0101-41612014000400003
Direito de acesso Acesso aberto Open Access
Tipo Artigo
SciELO S0101-41612014000400003 (estatísticas na SciELO)
Endereço permanente http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/8769

Exibir registro completo




Arquivo

Nome: S0101-41612014000400003.pdf
Tamanho: 1.389MB
Formato: PDF
Descrição:
Abrir arquivo

Este item está nas seguintes coleções

Buscar


Navegar

Minha conta