A rua tem um ímã, acho que é a liberdade: potência, sofrimento e estratégias de vida entre moradores de rua na cidade de Santos, no litoral do Estado de São Paulo

A rua tem um ímã, acho que é a liberdade: potência, sofrimento e estratégias de vida entre moradores de rua na cidade de Santos, no litoral do Estado de São Paulo

Título alternativo The street has a magnet, I think it is freedom: power, suffering, and life strategies among homeless persons in the city of Santos, São Paulo, Brazil
Autor Andrade, Luana Padilha Google Scholar
Costa, Samira Lima da Google Scholar
Marquetti, Fernanda Cristina Autor UNIFESP Google Scholar
Instituição aff1
Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Resumo The text presents discussions on life strategies among homeless persons in the city of Santos, São Paulo, Brazil. The survey of data took place in 2009 and 2010, by tracking the pathway in the territory and gathering narratives of life memories of all those who claimed to be homeless persons, were over 18 years of age, and agreed to participate in the research. Data reveal numerous everyday strategies of life production and future projects, both on the streets and out of them. We also identify the need to deepen debate on public policies aimed at this population that, so far and according to respondents’ reading, are focused on proposing intervention models restricted to the purpose of removing people from the streets, something which does not promote personal and collective transformation initiatives. These public policies show up as authoritative, since they are ruled by disciplining social behavior.

O texto traz discussões acerca das estratégias de vida entre moradores de rua na cidade de Santos (SP). O levantamento dos dados ocorreu em 2009 e 2010, com acompanhamento de trajetória no território e coleta de narrativas de memórias de vida de todos aqueles que se identificaram como moradores de rua, eram maiores de 18 anos, e aceitaram participar da pesquisa. Os dados evidenciam inúmeras estratégias cotidianas de produção de vida e de projetos futuros, tanto nas ruas como fora delas. Identifica-se, também, a necessidade de aprofundar o debate acerca das políticas públicas voltadas a essa população que, até o momento e segundo a leitura dos narradores, concentram-se em propor modelos de intervenção restritos ao objetivo de retirada das pessoas ruas, o que não promove iniciativas pessoais e coletivas de transformação. Essas políticas públicas mostram-se impositivas, pois são pautadas pelo disciplinamento do comportamento social.
Palavra-chave Homeless Persons
Social Policy
Occupational Therapy
Memory
Resilience
Sem-teto
Política Social
Terapia Ocupacional
Memória
Resiliência
Idioma Português
Data de publicação 2014-12-01
Publicado em Saúde e Sociedade. Faculdade de Saúde Pública, Universidade de São Paulo.Associação Paulista de Saúde Pública., v. 23, n. 4, p. 1248-1261, 2014.
ISSN 0104-1290 (Sherpa/Romeo, fator de impacto)
Publicador Faculdade de Saúde Pública, Universidade de São Paulo.Associação Paulista de Saúde Pública.
Extensão 1248-1261
Fonte http://dx.doi.org/10.1590/S0104-12902014000400011
Direito de acesso Acesso aberto Open Access
Tipo Artigo
Web of Science WOS:000344334400029
SciELO S0104-12902014000401248 (estatísticas na SciELO)
Endereço permanente http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/8662

Exibir registro completo




Arquivo

Nome: S0104-12902014000401248.pdf
Tamanho: 161.1KB
Formato: PDF
Descrição:
Abrir arquivo

Este item está nas seguintes coleções

Buscar


Navegar

Minha conta