Prevalence of health promotion programs in primary health care units in Brazil

Prevalence of health promotion programs in primary health care units in Brazil

Título alternativo Prevalência de programas de promoção da saúde em unidades básicas de saúde no Brasil
Autor Ramos, Luiz Roberto Autor UNIFESP Google Scholar
Malta, Deborah Carvalho Google Scholar
Gomes, Grace Angélica de Oliveira Google Scholar
Bracco, Mario Maia Autor UNIFESP Google Scholar
Florindo, Alex Antonio Google Scholar
Mielke, Gregore Iven Google Scholar
Parra, Diana C Google Scholar
Lobelo, Felipe Google Scholar
Simoes, Eduardo J Google Scholar
Hallal, Pedro Curi Google Scholar
Instituição Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância Epidemiológica
Universidade Estadual de São Paulo Núcleo de Atividade Física, Esporte e Saúde
Hospital Israelita Albert Einstein
Universidade de São Paulo (USP)
Universidade Federal de Pelotas
Washington University in St. Louis George Warren Brown School of Social Work Prevention Research Center in St. Louis
Centers For Disease Control and Prevention National Center for Chronic Disease Prevention and Health Promotion Division of Diabetes Translation
University of Missouri School of Medicine Department of Health Management and Informatics
Universidade Federal de Pelotas Faculdade de Educação Física
Resumo OBJECTIVEAssessment of prevalence of health promotion programs in primary health care units within Brazil’s health system. METHODSWe conducted a cross-sectional descriptive study based on telephone interviews with managers of primary care units. Of a total 42,486 primary health care units listed in the Brazilian Unified Health System directory, 1,600 were randomly selected. Care units from all five Brazilian macroregions were selected proportionally to the number of units in each region. We examined whether any of the following five different types of health promotion programs was available: physical activity; smoking cessation; cessation of alcohol and illicit drug use; healthy eating; and healthy environment. Information was collected on the kinds of activities offered and the status of implementation of the Family Health Strategy at the units. RESULTSMost units (62.0%) reported having in place three health promotion programs or more and only 3.0% reported having none. Healthy environment (77.0%) and healthy eating (72.0%) programs were the most widely available; smoking and alcohol use cessation were reported in 54.0% and 42.0% of the units. Physical activity programs were offered in less than 40.0% of the units and their availability varied greatly nationwide, from 51.0% in the Southeast to as low as 21.0% in the North. The Family Health Strategy was implemented in most units (61.0%); however, they did not offer more health promotion programs than others did. CONCLUSIONSOur study showed that most primary care units have in place health promotion programs. Public policies are needed to strengthen primary care services and improve training of health providers to meet the goals of the agenda for health promotion in Brazil.

OBJETIVOEstimar a prevalência de programas de promoção da saúde nas unidades básicas de saúde no Brasil. MÉTODOSEstudo transversal descritivo realizado por meio de entrevistas telefônicas com coordenadores de unidades básicas de saúde. Do total de 42.486 unidades básicas de saúde cadastradas pelo Ministério da Saúde, 1.600 foram aleatoriamente selecionadas. As unidades foram amostradas nas cinco regiões do País de acordo com a proporção de unidades em cada região. Foi analisada a presença ou não de cinco programas de promoção da saúde: promoção de atividade física, cessação de tabagismo, cessação de uso de álcool e drogas ilícitas, alimentação saudável e ambiente saudável. Foram coletados dados sobre o tipo de ações desenvolvidas nos programas e a presença ou não da Estratégia de Saúde da Família na unidade. RESULTADOSA maioria das unidades básicas de saúde (62,0%) referiu ter pelo menos três programas de promoção da saúde e apenas 3,0% não tinha nenhum. A promoção do ambiente saudável e da alimentação saudável foram os programas mais prevalentes (77,0% e 72,0%, respectivamente), enquanto o controle do tabaco e do álcool foram referidos em 54,0% e 42,0% das unidades de saúde, respectivamente. A promoção de atividade física foi referida em menos de 40,0% das unidades e teve grande variação regional, com prevalência de 51,0% nas unidades do Sudeste e apenas 21,0% nas do Norte. A maioria das unidades de saúde (61,0%) oferecia Estratégia de Saúde da Família, porém não foi verificada maior prevalência de programas de promoção da saúde nessas unidades em relação às outras. CONCLUSÕESEste estudo mostrou que programas de promoção da saúde estão presentes na maioria das unidades básicas de saúde. Políticas públicas devem fortalecer a infraestrutura das unidades básicas de saúde e melhorar a capacitação dos trabalhadores de saúde para executar adequadamente a agenda de promoção de saúde do governo brasileiro.
Palavra-chave Health Programs and Plans
Health Centers
Health Promotion
Primary Health Care
Health Surveys
Planos e Programas de Saúde
Centros de Saúde
Promoção da Saúde
Atenção Primária à Saúde
Inquéritos Epidemiológicos
Idioma Inglês
Data de publicação 2014-10-01
Publicado em Revista de Saúde Pública. Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo, v. 48, n. 5, p. 837-844, 2014.
ISSN 0034-8910 (Sherpa/Romeo)
Publicador Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo
Extensão 837-844
Fonte http://dx.doi.org/10.1590/S0034-8910.2014048005249
Direito de acesso Acesso aberto Open Access
Tipo Artigo
SciELO S0034-89102014000500837 (estatísticas na SciELO)
Endereço permanente http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/8639

Exibir registro completo




Arquivo

Nome: S0034-89102014000500837.pdf
Tamanho: 219.7KB
Formato: PDF
Descrição:
Abrir arquivo

Este item está nas seguintes coleções

Buscar


Navegar

Minha conta