Federalism and health policy: the intergovernmental committees in Brazil

Federalism and health policy: the intergovernmental committees in Brazil

Título alternativo Federalismo e política de saúde: comissões intergovernamentais no Brasil
Autor Machado, Cristiani Vieira Google Scholar
Lima, Luciana Dias de Google Scholar
Viana, Ana Luiza D'Ávila Google Scholar
Oliveira, Roberta Gondim de Google Scholar
Iozzi, Fabíola Lana Google Scholar
Albuquerque, Mariana Vercesi de Google Scholar
Scatena, João Henrique Gurtler Google Scholar
Mello, Guilherme Arantes Autor UNIFESP Google Scholar
Pereira, Adelyne Maria Mendes Google Scholar
Coelho, Ana Paula Santana Google Scholar
Instituição Fundação Oswaldo Cruz Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca Departamento de Administração e Planejamento em Saúde
Universidade de São Paulo (USP)
Fundação Oswaldo Cruz Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca Escola de Governo em Saúde
Universidade Federal do Mato Grosso Instituto de Saúde Coletiva Departamento de Saúde Coletiva
Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Fundação Oswaldo Cruz Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio Laboratório de Educação Profissional em Gestão em Saúde
Universidade Federal do Espírito Santo Centro Universitário Norte do Espírito Santo Departamento de Ciências da Saúde
Resumo OBJECTIVETo analyze the dynamics of operation of the Bipartite Committees in health care in the Brazilian states. METHODSThe research included visits to 24 states, direct observation, document analysis, and performance of semi-structured interviews with state and local leaders. The characterization of each committee was performed between 2007 and 2010, and four dimensions were considered: (i) level of institutionality, classified as advanced, intermediate, or incipient; (ii) agenda of intergovernmental negotiations, classified as diversified/restricted, adapted/not adapted to the reality of each state, and shared/unshared between the state and municipalities; (iii) political processes, considering the character and scope of intergovernmental relations; and (iv) capacity of operation, assessed as high, moderate, or low. RESULTSTen committees had advanced level of institutionality. The agenda of the negotiations was diversified in all states, and most of them were adapted to the state reality. However, one-third of the committees showed power inequalities between the government levels. Cooperative and interactive intergovernmental relations predominated in 54.0% of the states. The level of institutionality, scope of negotiations, and political processes influenced Bipartite Committees’ ability to formulate policies and coordinate health care at the federal level. Bipartite Committees with a high capacity of operation predominated in the South and Southeast regions, while those with a low capacity of operations predominated in the North and Northeast. CONCLUSIONSThe regional differences in operation among Bipartite Interagency Committees suggest the influence of historical-structural variables (socioeconomic development, geographic barriers, characteristics of the health care system) in their capacity of intergovernmental health care management. However, structural problems can be overcome in some states through institutional and political changes. The creation of federal investments, varied by regions and states, is critical in overcoming the structural inequalities that affect political institutions. The operation of Bipartite Committees is a step forward; however, strengthening their ability to coordinate health care is crucial in the regional organization of the health care system in the Brazilian states.

OBJETIVO : Analisar a dinâmica de funcionamento das Comissões Intergestores Bipartites em saúde, nos estados do Brasil. MÉTODOS : A pesquisa compreendeu visitas a 24 estados, observação direta, análise documental e realização de entrevistas semiestruturadas com dirigentes estaduais e municipais. A caracterização das comissões de 2007 a 2010 considerou quatro dimensões: (i) institucionalidade, classificada como avançada, intermediária ou incipiente; (ii) conteúdo das negociações intergovernamentais, qualificado como diversificado/restrito, aderente/não aderente à realidade estadual e compartilhado/não compartilhado entre estado e municípios; (iii) processo político, considerando o caráter e a intensidade das relações intergovernamentais; e (iv) capacidade de atuação, avaliada como elevada, moderada ou baixa. RESULTADOS : Dez comissões apresentaram institucionalidade avançada. O conteúdo das negociações foi diversificado em todos os estados e na maioria aderente à realidade estadual. Entretanto, um terço das comissões expressaram assimetrias de poder entre esferas de governo. Relações intergovernamentais cooperativas e interativas predominaram em 54,0% dos estados. As dimensões de institucionalidade, conteúdo das negociações e processo político influenciaram a capacidade de atuação das Comissões Intergestores Bipartites na formulação da política e na coordenação federativa em saúde. Predominaram comissões com capacidade de atuação elevada nas regiões Sul e Sudeste e comissões com capacidade de atuação baixa no Norte e Nordeste. CONCLUSÕES : A variação regional entre as comissões sugere a influência de condicionantes histórico-estruturais (desenvolvimento socioeconômico, barreiras geográficas, características do sistema de saúde) na sua capacidade de coordenação intergovernamental em saúde. No entanto, em alguns estados, observou-se a possibilidade de superação de parte das dificuldades estruturais por meio de transformações institucionais e políticas. A realização de investimentos federais diferenciados por macrorregiões e estados é fundamental para a superação de desigualdades estruturais que repercutem nas instituições políticas. A atuação das CIB constitui um avanço, mas o fortalecimento de sua capacidade de coordenação federativa em saúde é crucial para a organização regionalizada do sistema de saúde nos estados brasileiros.
Palavra-chave Federalism
Unified Health System
Health Policy
Health Care Management
Intergovernmental relations
Federalismo
Sistema Único de Saúde
Política de Saúde
Gestão em Saúde
Relações intergovernamentais
Idioma Inglês
Data de publicação 2014-08-01
Publicado em Revista de Saúde Pública. Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo, v. 48, n. 4, p. 642-650, 2014.
ISSN 0034-8910 (Sherpa/Romeo)
Publicador Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo
Extensão 642-650
Fonte http://dx.doi.org/10.1590/S0034-8910.2014048005200
Direito de acesso Acesso aberto Open Access
Tipo Artigo
SciELO S0034-89102014000400642 (estatísticas na SciELO)
Endereço permanente http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/8517

Exibir registro completo




Arquivo

Nome: S0034-89102014000400642.pdf
Tamanho: 255.9KB
Formato: PDF
Descrição:
Abrir arquivo

Este item está nas seguintes coleções

Buscar


Navegar

Minha conta