O remédio é o menor dos problemas: seguindo redes na adesão ao tratamento de aids

O remédio é o menor dos problemas: seguindo redes na adesão ao tratamento de aids

Título alternativo The medicine is the least of the problems: following networks in adherence to AIDS treatment
Autor Rossi, Pedro Santo Autor UNIFESP Google Scholar
Pereira, Pedro Paulo Gomes Autor UNIFESP Google Scholar
Instituição Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Resumo This essay intends to question Bruno Latour’s methodological proposal. In research on people living with HIV and their adherence dilemmas, using Latour’s proposal, we sought to address the following issues: how does one bring the universes of people living with HIV closer, without fractioning their lives? How does one understand the relationship established between PLHIV (People living with HIV) and their medication without setting aside the issue of medication management from other experiences? Despite the obstacles, common to those who decide to follow certain itineraries (the dangers of the journey, as Brazilian author Guimarães Rosa would say), the research guided by the methodology proposed by Latour – the ethnographic methodology of the “Actor-Network Theory” – allowed us to follow the actors’ steps, although timidly and initially, without fractioning their lives and without making isolated cutouts, monitoring what happens in a network and is interconnected, interfering and suffering interference. The ethnography carried out led us through tortuous paths, forcing us to venture into confusing itineraries, networks of humans and non-humans, medications, swimming pools, NGOs, health care, and a network of relationships among people living with HIV, through the difficult paths that our interlocutors developed.

Este texto buscou problematizar a proposta metodológica de Bruno Latour. Numa pesquisa sobre pessoas vivendo com HIV (Vírus da imunodeficiência humana) e seus dilemas de adesão, valendo-nos da proposta de Latour, buscamos trabalhar com as seguintes questões: como efetuar uma aproximação aos universos das pessoas vivendo com HIV sem fracionar a vida das pessoas? Como compreender as relações que a PVHIV (Pessoas vivendo com HIV) estabelece com a medicação sem separar a questão da administração medicamentosa do restante das experiências? Apesar dos percalços, comuns àqueles que se dedicam a seguir itinerários (os perigos da travessia, diria Guimarães Rosa), a pesquisa guiada pela metodologia proposta por Latour – a metodologia etnográfica da “Teoria Ator-Rede” – permitiu, ainda que tímida e inicialmente, seguir os passos de atores, sem fracionar as suas vidas, sem fazer recortes isolados, acompanhando o que acontece em rede e está interligado, interferindo e sofrendo interferências. A etnografia realizada nos levou por caminhos tortuosos, fazendo-nos embrenhar em itinerários confusos, em redes de humanos e não humanos, de remédios, piscinas, Organização Não Governamental (ONG), serviços de saúde, uma rede de relações de pessoas vivendo com HIV nos caminhos difíceis que nossos interlocutores elaboraram.
Palavra-chave AIDS
Addiction to the Treatment
Ethnography
NGO
Aids
Adesão ao tratamento
Etnografia
ONG
Idioma Português
Data de publicação 2014-06-01
Publicado em Saúde e Sociedade. Faculdade de Saúde Pública, Universidade de São Paulo.Associação Paulista de Saúde Pública., v. 23, n. 2, p. 484-495, 2014.
ISSN 0104-1290 (Sherpa/Romeo, fator de impacto)
Publicador Faculdade de Saúde Pública, Universidade de São Paulo.Associação Paulista de Saúde Pública.
Extensão 484-495
Fonte http://dx.doi.org/10.1590/S0104-12902014000200010
Direito de acesso Acesso aberto Open Access
Tipo Artigo
Web of Science WOS:000340328300011
SciELO S0104-12902014000200484 (estatísticas na SciELO)
Endereço permanente http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/8436

Exibir registro completo




Arquivo

Nome: S0104-12902014000200484.pdf
Tamanho: 135.1KB
Formato: PDF
Descrição:
Abrir arquivo

Este item está nas seguintes coleções

Buscar


Navegar

Minha conta