Violência contra a mulher: limites e potencialidades da prática assistencial

Violência contra a mulher: limites e potencialidades da prática assistencial

Título alternativo Violence against women: the limits and potentialities of care practice
Autor Silva, Ethel Bastos da Google Scholar
Padoin, Stella Maris de Mello Google Scholar
Vianna, Lucila Amaral Carneiro Autor UNIFESP Google Scholar
Instituição Universidade Federal de Santa Maria
Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Resumo OBJECTIVE: Analyzing the limiting and potentializing situations during the assistance of the Family Health teams to women in situations of violence. METHODS: This is a participatory research carried out with 30 professionals from six Family Health teams. Data production was the result of eight workshop-meetings. The technique of thematic content was used for data analysis. RESULTS: User embracement is potentialized by qualified hearing and the elaboration of an assistance plan shared with users also respecting their decisions and their family context. It is limited by the understanding that women should report the violence to enable the proposition of an intervention. It is recommended to resume concepts and practices of gender as well as human and social rights to strengthen supportive actions. CONCLUSION: Home visits and the bonding between professionals and users are considered potentializers of user embracement and the limitation is the difficulty of obtaining the report of women who suffered violence and engage them in a care project.

OBJETIVO: Analisar as situações limitadoras e potencializadoras da prática assistencial das equipes de Saúde da Família à mulher em situação de violência. MÉTODOS: Trata-se de uma pesquisa participante com 30 profissionais de seis equipes de saúde da família. A produção dos dados foi resultado de oito reuniões-oficinas. A análise dos dados se deu segundo a técnica de conteúdo temática. RESULTADOS: O acolhimento mostra-se potencializado com a escuta qualificada e elaboração de plano assistencial compartilhado com a usuária respeitando sua decisão e seu contexto familiar. Está limitado pelo entendimento de que a mulher deve relatar a violência para que seja possível propor uma intervenção. Recomenda-se retomar conceitos e práticas de gênero, direitos humanos e sociais para fortalecer ações acolhedoras. CONCLUSÃO: A visita domiciliar e o vínculo entre os profissionais e a usuária são considerados potencializadores do acolhimento e, como limite, observa-se a dificuldade de obter o relato da mulher que sofreu violência e de comprometê-la em um projeto assistencial.
Palavra-chave Violence against women
Family health program
Public health nursing
Primary care nursing
Nursing, practical
Violência contra a mulher
Programa saúde da família
Enfermagem em saúde pública
Enfermagem em atenção primária
Enfermagem prática
Idioma Português
Financiador Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES)
Data de publicação 2013-12-01
Publicado em Acta Paulista de Enfermagem. Escola Paulista de Enfermagem, Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP), v. 26, n. 6, p. 608-613, 2013.
ISSN 0103-2100 (Sherpa/Romeo, fator de impacto)
Publicador Escola Paulista de Enfermagem, Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Extensão 608-613
Fonte http://dx.doi.org/10.1590/S0103-21002013000600016
Direito de acesso Acesso aberto Open Access
Tipo Artigo
Web of Science WOS:000332514100016
SciELO S0103-21002013000600016 (estatísticas na SciELO)
Endereço permanente http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/8104

Exibir registro completo




Arquivo

Nome: S0103-21002013000600016-en.pdf
Tamanho: 543.2KB
Formato: PDF
Descrição:
Abrir arquivo
Nome: S0103-21002013000600016-pt.pdf
Tamanho: 534.2KB
Formato: PDF
Descrição:
Abrir arquivo

Este item está nas seguintes coleções

Buscar


Navegar

Minha conta