Espessura do músculo adutor do polegar como preditor da força de preensão manual nos pacientes em hemodiálise

Espessura do músculo adutor do polegar como preditor da força de preensão manual nos pacientes em hemodiálise

Título alternativo Adductor pollicis muscle thickness as a predictor of handgrip strength in hemodialysis patients
Autor Pereira, Raíssa Antunes Autor UNIFESP Google Scholar
Caetano, Alex Lopes Autor UNIFESP Google Scholar
Cuppari, Lilian Autor UNIFESP Google Scholar
Kamimura, Maria Ayako Autor UNIFESP Google Scholar
Instituição Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Resumo INTRODUCTION: Recently, the adductor pollicis muscle thickness (APMT) has been suggested as a new nutritional marker in several population. OBJECTIVE: In view of the scarce data regarding the use of this marker in CKD patients, we aimed to evaluate APMT and its association with nutritional parameters in patients on hemodialysis. METHODS: We evaluated 73 hemodialysis patients (52.3 ± 17 years, without residual renal function). The APMT was assessed in the non vascular access arm by means of skinfold caliper. Body composition (bioelectrical impedance), handgrip strength (HGS, dynamometer), nutritional status (subjective global assessment), and laboratory parameters (creatinine, total protein and albumin) were also evaluated. RESULTS: Subjects with APMT values above the median were in greater proportion black/ brown, younger and had higher HGS. The APMT correlated positively with HGS, albumin and body cell mass (%), and negatively with age. In the linear regression analysis adjusted for sex, age and length on hemodialysis, APMT was independently associated with HGS. CONCLUSION: APMT was able to predict HGS in hemodialysis patients, suggesting APMT as a promising nutritional marker in this population.

INTODUÇÃO: A espessura do músculo adutor do polegar (EMAP) tem sido sugerida como um novo marcador de estado nutricional em diversas populações. OBJETIVO: Diante da escassez de dados sobre o uso desse marcador nos pacientes com doença renal crônica, o objetivo deste estudo foi avaliar a EMAP e sua associação com indicadores nutricionais em pacientes em hemodiálise. MÉTODOS: Foram avaliados 73 pacientes em hemodiálise (52,3 ± 17 anos, sem função renal residual). A EMAP foi aferida no braço sem o acesso vascular com o auxílio de um adipômetro. A composição corporal (bioimpedância elétrica), a força de preensão manual (dinamômetro), o estado nutricional (Avaliação Global Subjetiva) e os exames laboratoriais (creatinina, proteína total e albumina) também foram avaliados. RESULTADOS: Indivíduos com valores de EMAP acima da mediana eram em maior proporção negros/pardos, jovens e possuíam maior força de preensão manual. A EMAP correlacionou-se positivamente com a força de preensão manual, albumina sérica e massa celular (%), e negativamente com a idade. Na análise de regressão linear ajustada para sexo, idade e tempo em hemodiálise, a EMAP esteve independentemente associada com a força de preensão manual. CONCLUSÃO: A EMAP foi capaz de predizer a força de preensão manual nos pacientes em hemodiálise, o que sugere a EMAP como um marcador promissor de estado nutricional nessa população.
Palavra-chave kidney failure, chronic
muscle strength dynamometer
nutritional assessment
nutritional status
avaliação nutricional
dinamômetro de força muscular
estado nutricional
falência renal crônica
Idioma Português
Data de publicação 2013-09-01
Publicado em Jornal Brasileiro de Nefrologia. Sociedade Brasileira de Nefrologia, v. 35, n. 3, p. 177-184, 2013.
ISSN 0101-2800 (Sherpa/Romeo)
Publicador Sociedade Brasileira de Nefrologia
Extensão 177-184
Fonte http://dx.doi.org/10.5935/0101-2800.20130029
Direito de acesso Acesso aberto Open Access
Tipo Artigo
SciELO S0101-28002013000300003 (estatísticas na SciELO)
Endereço permanente http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/7952

Exibir registro completo




Arquivo

Nome: S0101-28002013000300003.pdf
Tamanho: 270.8KB
Formato: PDF
Descrição:
Abrir arquivo

Este item está nas seguintes coleções

Buscar


Navegar

Minha conta