When the non-contrast-enhanced phase is unnecessary in abdominal computed tomography scans? A retrospective analysis of 244 cases

When the non-contrast-enhanced phase is unnecessary in abdominal computed tomography scans? A retrospective analysis of 244 cases

Título alternativo Quando a fase sem contraste intravenoso é desnecessária nos exames de tomografia computadorizada do abdome? Análise retrospectiva de 244 casos
Autor Costa, Danilo Manuel Cerqueira Google Scholar
Salvadori, Priscila Silveira Google Scholar
Monjardim, Rodrigo da Fonseca Google Scholar
Bretas, Elisa Almeida Sathler Google Scholar
Torres, Lucas Rios Google Scholar
Caldana, Rogerio Pedreschi Google Scholar
Shigueoka, David Carlos Autor UNIFESP Google Scholar
Medeiros, Regina Bitelli Autor UNIFESP Google Scholar
D'Ippolito, Giuseppe Autor UNIFESP Google Scholar
Instituição Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Department of Diagnostic Imaging Department of Diagnostic Imaging
Resumo Objective: To evaluate the necessity of the non contrast-enhanced phase in abdominal computed tomography scans. Materials and Methods: A retrospective, cross-sectional, observational study was developed, evaluating 244 consecutive abdominal computed tomography scans both with and without contrast injection. Initially, the contrast-enhanced images were analyzed (first analysis). Subsequently, the observers had access to the non-contrast-enhanced images for a second analysis. The primary and secondary diagnoses were established as a function of the clinical indications for each study (such as tumor staging, acute abdomen, investigation for abdominal collection and hepatocellular carcinoma, among others). Finally, the changes in the diagnoses resulting from the addition of the non-contrast-enhanced phase were evaluated. Results: Only one (0.4%; p > 0.999; non-statistically significant) out of the 244 reviewed cases had the diagnosis changed after the reading of non-contrast-enhanced images. As the secondary diagnoses are considered, 35 (14%) cases presented changes after the second analysis, as follows: nephrolithiasis (10%), steatosis (3%), adrenal nodule (0.7%) and cholelithiasis (0.3%). Conclusion: For the clinical indications of tumor staging, acute abdomen, investigation of abdominal collections and hepatocellular carcinoma, the non-contrast-enhanced phase can be excluded from abdominal computed tomography studies with no significant impact on the diagnosis.

Objetivo: Avaliar a necessidade da fase sem contraste nos exames de tomografia computadorizada de abdome. Materiais e Métodos: Foi realizado estudo retrospectivo, transversal e observacional, no qual foram avaliados 244 exames consecutivos de tomografia computadorizada de abdome realizados sem e com a injeção do meio de contraste. Procurou-se estabelecer, mediante análise das fases com o uso do meio de contraste (primeira análise), e posteriormente com o acréscimo da avaliação da fase sem meio de contraste (segunda análise), o diagnóstico principal e os secundários em função da indicação clínica do exame (estadiamento tumoral, abdome agudo, pesquisa de coleção abdominal e hepatocarcinoma, entre outros). Foram medidas as mudanças nos diagnósticos principais e secundários, decorrentes do acréscimo da fase sem meio de contraste. Resultados: Dos 244 casos avaliados, apenas um (0,4%; p > 0,999; não significante) teve o seu diagnóstico modificado após a leitura da fase sem meio de contraste. Com relação aos diagnósticos secundários, 35 exames (14%) foram modificados após a segunda análise, sendo: nefrolitíase (10%), esteatose (3%), nódulo de adrenal (0,7%) e colelitíase (0,3%). Conclusão: Para as indicações clínicas de estadiamento tumoral, abdome agudo, pesquisa de coleção abdominal e carcinoma hepatocelular, a supressão da fase sem meio de contraste não apresentou impacto diagnóstico expressivo.
Palavra-chave Computed tomography
Ionizing radiation
Abdomen
Contrast media
Tomografia computadorizada
Radiacao ionizante
Abdome
Meio de contraste
Idioma Inglês
Data de publicação 2013-07-01
Publicado em Radiologia Brasileira. Colégio Brasileiro de Radiologia e Diagnóstico por Imagem, v. 46, n. 4, p. 197-202, 2013.
ISSN 0100-3984 (Sherpa/Romeo)
Publicador Colégio Brasileiro de Radiologia e Diagnóstico por Imagem
Extensão 197-202
Fonte http://dx.doi.org/10.1590/S0100-39842013000400004
Direito de acesso Acesso aberto Open Access
Tipo Artigo
SciELO S0100-39842013000400197 (estatísticas na SciELO)
Endereço permanente http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/7847

Exibir registro completo




Arquivo

Nome: S0100-39842013000400197.pdf
Tamanho: 230.0KB
Formato: PDF
Descrição:
Abrir arquivo

Este item está nas seguintes coleções

Buscar


Navegar

Minha conta