Impact of childhood stress on psychopathology

Impact of childhood stress on psychopathology

Título alternativo Impacto de estresse na infância na psicopatologia
Autor Brietzke, Elisa Autor UNIFESP Google Scholar
Kauer-Sant'anna, Márcia Google Scholar
Jackowski, Andrea Parolin Autor UNIFESP Google Scholar
Grassi-Oliveira, Rodrigo Google Scholar
Bucker, Joanna Google Scholar
Zugman, André Autor UNIFESP Google Scholar
Mansur, Rodrigo Barbachan Autor UNIFESP Google Scholar
Bressan, Rodrigo Affonseca Autor UNIFESP Google Scholar
Instituição Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Universidade Federal do Rio Grande do Sul Laboratory of Molecular Psychiatry
Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Nucleus of Studies and Research in Trauma and Stress
Resumo OBJECTIVE: Advances in our knowledge of mental disorder (MD) genetics have contributed to a better understanding of their pathophysiology. Nonetheless, several questions and doubts persist. Recent studies have focused on environmental influences in the development of MDs, and the advent of neuroscientific methodologies has provided new perspectives. Early life events, such as childhood stress, may affect neurodevelopment through mechanisms such as gene-environment interactions and epigenetic regulation, thus leading to diseases in adulthood. The aim of this paper is to review the evidence regarding the role of the environment, particularly childhood stress, in the pathophysiology of MD. METHODOLOGY: We reviewed articles that evaluated environmental influences, with a particular focus on childhood trauma, brain morphology, cognitive functions, and the development of psychopathology and MD. RESULTS AND CONCLUSION: MRI studies have shown that exposure to trauma at an early age can result in several neurostructural changes, such as the reduction of the hippocampus and corpus callosum. Cognitive performance and functioning are also altered in this population. Finally, childhood stress is related to an increased risk of developing MD such as depression, bipolar disorder, schizophrenia and substance abuse. We conclude that there is robust evidence of the role of the environment, specifically adverse childhood experiences, in various aspects of MD.

OBJETIVO: Avanços no conhecimento da genética dos transtornos mentais (TM) contribuíram para um melhor entendimento de suas bases fisiopatológicas. No entanto, dúvidas e questões ainda persistem. Estudos recentes têm se concentrado nas influências do ambiente no desenvolvimento de TM, e o advento de metodologias neurocientíficas oferece novas perspectivas. Eventos precoces de vida, como estresse na infância, podem ser capazes de alterar o neurodesenvolvimento através de mecanismos como interação gene-ambiente e regulação epigenética, resultando em patologias na idade adulta. O objetivo deste artigo é revisar as evidências referentes ao papel do ambiente, em especial o estresse na infância, na fisiopatologia de TM. METODOLOGIA: Revisamos artigos que avaliam as influências ambientais, com um foco especial no trauma na infância, na morfologia cerebral, nas funções cognitivas e no desenvolvimento de psicopatologias e TM. RESULTADOS E CONCLUSÃO: Estudos com ressonância magnética demonstram que a exposição a traumas em uma idade precoce pode levar a diversas alterações neuroestruturais, como a diminuição do hipocampo e do corpo caloso. O desempenho e o funcionamento cognitivo também são alterados nessa população. Por fim, o estresse na infância está ligado a um maior risco de desenvolver TM como depressão, transtorno bipolar, esquizofrenia e abuso de substâncias. Concluímos que existem evidências sólidas quanto à importância do ambiente, especificamente das experiências adversas na infância, em diversos aspectos dos TM.
Palavra-chave Childhood Maltreatment
Trauma
Early Life Stress
Post-Traumatic Stress Disorder
Cognition
Bipolar Disorder
Maus tratos na infância
Trauma
Estresse precoce
Transtorno de estresse pós-traumático
Cognição
Transtorno bipolar
Idioma Inglês
Data de publicação 2012-12-01
Publicado em Revista Brasileira de Psiquiatria. Associação Brasileira de Psiquiatria - ABP, v. 34, n. 4, p. 480-488, 2012.
ISSN 1516-4446 (Sherpa/Romeo)
Publicador Associação Brasileira de Psiquiatria - ABP
Extensão 480-488
Fonte http://dx.doi.org/10.1016/j.rbp.2012.04.009
Direito de acesso Acesso aberto Open Access
Tipo Artigo
SciELO S1516-44462012000400016 (estatísticas na SciELO)
Endereço permanente http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/7401

Exibir registro completo




Arquivo

Nome: S1516-44462012000400016.pdf
Tamanho: 819.8KB
Formato: PDF
Descrição:
Abrir arquivo

Este item está nas seguintes coleções

Buscar


Navegar

Minha conta