Frequência de chiado, características clínicas e tratamento em lactentes

Frequência de chiado, características clínicas e tratamento em lactentes

Título alternativo Wheezing in infants: frequency, clinical characteristics and treatment
Autor Bouzas, Maiara Lanna Google Scholar
Solé, Dirceu Autor UNIFESP Google Scholar
Cardoso, Maria Regina A. Google Scholar
Silva, Eliana E. V. Google Scholar
Miranda, Karen S. Google Scholar
Néri, Laíse R. Google Scholar
Silva, Patrícia F. C. Google Scholar
Amoedo, Ramon S. Google Scholar
Meneses, Rômulo B. Google Scholar
Barral, Aldina Google Scholar
Nascimento-carvalho, Cristiana M. Google Scholar
Instituição Universidade Federal da Bahia Faculdade de Medicina da Bahia Programa de Pós-Graduação em Ciências da Saúde
Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Universidade de São Paulo (USP)
Escola Bahiana de Medicina e Saúde Pública
UFBA
UFBA Faculdade de Medicina da Bahia Departamento de Anatomia Patológica e Medicina Legal
UFBA Faculdade de Medicina da Bahia Departamento de Pediatria
Resumo OBJECTIVE: To estimate the frequency and describe the clinical characteristics and respective treatments of previous history of wheezing. METHODS: Infants aged 6-23 months with upper respiratory tract complaints and reporting previous wheezing were followed-up retrospectively. Data were registered on a validated standardized form. RESULTS: Out of 451 infants, 164 (36.4%; 95%CI: 31.9-41.0) had a report of prior history of wheezing, 148 (32.8%; 95%CI: 28.5-37.4) during the first year of life. The mean age at the first episode of wheezing was 5.3±3.9 months. Among those who had had their first episode before 12 months of age, 38.5% reported 3 to 6 episodes and 14.2% > 6 episodes. Mean age at first episode was lower for those with > 3 episodes in comparison with those with < 2 episodes (3.2±2.7 vs. 5.7±2.5 months, p < 0.001). CONCLUSION: One third of the infants reported wheezing during the first year of life. The earlier the first episode occurs, the more frequently wheezing recurs.

OBJETIVO: Estimar a frequência de história pregressa de chiado, descrevendo as características clínicas e formas de tratamento utilizadas. MÉTODOS: Coorte retrospectiva incluindo lactentes (6-23 meses de vida) com sintomas de infecção de vias aéreas superiores e relato de episódio prévio de chiado. Os dados foram registrados em questionário anteriormente validado. RESULTADOS: Dos 451 avaliados, 164 (36,4%; IC95% = 31,9-41,0) apresentaram história pregressa de chiado, 148 (32,8%; IC95% = 28,5-37,4) no primeiro ano de vida. A média de idade no primeiro episódio de chiado foi de 5,3±3,9 meses. Para quem começou a chiar no primeiro ano de vida, 38,5% referiram entre três e seis episódios e 14,2% > seis episódios. A média da idade no primeiro episódio foi menor para os que apresentaram > três episódios em comparação aos que apresentaram até dois episódios (3,2±2,7 versus 5,7±2,5 meses, p < 0,001). CONCLUSÃO: Um terço dos lactentes apresentou chiado no primeiro ano de vida. Quanto mais cedo ocorre o primeiro episódio, mais frequente é a recorrência do chiado.
Palavra-chave Asthma
wheezing
wheezy baby syndrome
wheezy infant syndrome
Asma
sibilância
síndrome do bebê chiador
síndrome do lactente sibilante
Idioma Português
Financiador Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado da Bahia (FAPESB)
Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq)
Data de publicação 2012-08-01
Publicado em Jornal de Pediatria. Sociedade Brasileira de Pediatria, v. 88, n. 4, p. 361-365, 2012.
ISSN 0021-7557 (Sherpa/Romeo, fator de impacto)
Publicador Sociedade Brasileira de Pediatria
Extensão 361-365
Fonte http://dx.doi.org/10.2223/JPED.2187
Direito de acesso Acesso aberto Open Access
Tipo Artigo
Web of Science WOS:000308389000015
SciELO S0021-75572012000400015 (estatísticas na SciELO)
Endereço permanente http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/7212

Exibir registro completo




Arquivo

Nome: S0021-75572012000400015.pdf
Tamanho: 198.4KB
Formato: PDF
Descrição:
Abrir arquivo

Este item está nas seguintes coleções

Buscar


Navegar

Minha conta