Clinical correlates of the restless legs syndrome

Clinical correlates of the restless legs syndrome

Título alternativo Correlações clínicas da síndrome das pernas inquietas
Autor Marin, Luis Fabiano Autor UNIFESP Google Scholar
Felício, André Carvalho Autor UNIFESP Google Scholar
Santos, William Adolfo Autor UNIFESP Google Scholar
Prado, Lucila Bizari Fernandes do Autor UNIFESP Google Scholar
Prado, Gilmar Fernandes do Autor UNIFESP Google Scholar
Instituição Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Resumo OBJECTIVE: To determine the clinical correlates of the restless legs syndrome (RLS) in a Brazilian sleep disorders center. METHODS: We retrospectively studied 118 patients with RLS from January, 2004, to December, 2010. The analyzed variables were: age at disease onset, gender, race, years of school instruction, primary and secondary RLS, and treatment options. RESULTS: Among the studied patients, 83.9% were women with a female/male sex ratio of 5:1. Mean age of the patients at symptom onset ± standard deviation was 41.7±17.9 years-old. The primary RLS was found in 85% of patients. The other 15% remainders consisted of secondary forms, and they were associated with neuropathy, iron deficiency anemia, end-stage renal disease, or Parkinson's disease. Drug therapy for RLS was introduced in 67% of patients. CONCLUSIONS: Most patients presented primary RLS with an early disease onset. Further epidemiological studies are welcomed to provide better information on secondary RLS in Brazil.

OBJETIVO: Determinar as correlações clínicas da síndrome das pernas inquietas (SPI) em um centro brasileiro de distúrbios de sono. MÉTODOS: Foram estudados retrospectivamente 118 pacientes com SPI atendidos entre janeiro de 2004 e dezembro de 2010. As variáveis analisadas compreendiam: idade ao início da doença, sexo, raça, escolaridade, SPI primária e secundária e tratamento da SPI. RESULTADOS: Do total de pacientes estudados, 83,9% eram mulheres e a razão mulher∕homem foi de 5:1. A média de idade dos pacientes ± desvio padrão de quando iniciaram sintomas da SPI foi de 41,7±17,9 anos. Oitenta e cinco por cento dos pacientes apresentaram SPI primária. Os restantes 15% apresentaram a forma secundária, que estava associada à neuropatia periférica, anemia por deficiência de ferro, insuficiência renal crônica e doença de Parkinson. Foi introduzida medicação para SPI em 67% dos pacientes. CONCLUSÕES: A maioria dos pacientes apresentou SPI primária com início precoce da doença. Mais estudos epidemiológicos são necessários para prover informações sobre as causas secundárias de SPI no Brasil.
Palavra-chave restless legs syndrome
epidemiology
Brazil
síndrome das pernas inquietas
epidemiologia
Brasil
Idioma Inglês
Data de publicação 2012-07-01
Publicado em Arquivos de Neuro-Psiquiatria. Academia Brasileira de Neurologia - ABNEURO, v. 70, n. 7, p. 529-531, 2012.
ISSN 0004-282X (Sherpa/Romeo, fator de impacto)
Publicador Academia Brasileira de Neurologia - ABNEURO
Extensão 529-531
Fonte http://dx.doi.org/10.1590/S0004-282X2012000700011
Direito de acesso Acesso aberto Open Access
Tipo Artigo
Web of Science WOS:000306840800011
SciELO S0004-282X2012000700011 (estatísticas na SciELO)
Endereço permanente http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/7198

Exibir registro completo




Arquivo

Nome: S0004-282X2012000700011.pdf
Tamanho: 97.91KB
Formato: PDF
Descrição:
Abrir arquivo

Este item está nas seguintes coleções

Buscar


Navegar

Minha conta