Unsafe abortion: social determinants and health inequities in a vulnerable population in São Paulo, Brazil

Unsafe abortion: social determinants and health inequities in a vulnerable population in São Paulo, Brazil

Título alternativo Aborto inseguro: determinantes sociais e iniquidades em saúde em uma população vulnerável, São Paulo, Brasil
Autor Fusco, Carmen L. B. Autor UNIFESP Google Scholar
Silva, Rebeca de Souza e Autor UNIFESP Google Scholar
Andreoni, Solange Autor UNIFESP Google Scholar
Instituição Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Resumo This cross-sectional population-based study in a peripheral low-income community in São Paulo, Brazil, aimed to estimate the prevalence of unsafe abortion and identify the socio-demographic characteristics associated with it and its morbidity. The article discusses the study's results, based on univariate and multiple multinomial logistic regression analyses. The final regression models included: age at first intercourse < 16 years (OR = 4.80); > 2 sex partners in the previous year (OR = 3.63); more live born children than the woman's self-reported ideal number (OR = 3.09); acceptance of the abortion due to insufficient economic conditions (OR = 4.07); black ethnicity/color (OR = 2.67); and low schooling (OR = 2.46), all with p < 0.05. The discussion used an approach to social determinants of health based on the concept and model adopted by the WHO and the health inequities caused by such determinants in the occurrence of unsafe abortion. According to the findings, unsafe abortion and socio-demographic characteristics are influenced by the social determinants of health described in the study, generating various levels of health inequities in this low-income population.

Valendo-se de uma pesquisa de base populacional, com desenho transversal, realizada em uma comunidade da periferia de São Paulo, Brasil, que teve como objetivos estimar a prevalência de mulheres com aborto inseguro, identificar as características sociodemográficas a ele associadas, e sua morbidade, são discutidos neste artigo os resultados, após efetuadas análises de regressão logística multinomial univariadas e múltipla. Tem-se nos modelos finais da regressão: idade da 1ª relação sexual < 16 (OR = 4,80); número de parceiros no último ano > 2 (OR = 3,63); número de filhos nascidos vivos > ideal (OR = 3,09); aceitação do aborto por falta de condições econômicas (OR = 4,07); etnia negra/cor preta (OR = 2,67); e escolaridade baixa (OR = 2,46), todos com p < 0,05. Foi utilizada na discussão uma abordagem voltada aos determinantes sociais da saúde, segundo conceito e modelo adotados pela WHO, e às iniquidades em saúde por esses geradas na ocorrência do aborto inseguro. Verificou-se que o aborto inseguro e características sociodemográficas são influenciados pelos determinantes sociais da saúde descritos, gerando nessa população iniquidades em saúde de proporções diversas.
Palavra-chave Abortion
Social Inequity
Social Medicine
Epidemiologic Factors
Aborto
Iniquidade Social
Medicina Social
Fatores Epidemiológicos
Idioma Inglês
Data de publicação 2012-04-01
Publicado em Cadernos de Saúde Pública. Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, Fundação Oswaldo Cruz, v. 28, n. 4, p. 709-719, 2012.
ISSN 0102-311X (Sherpa/Romeo, fator de impacto)
Publicador Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, Fundação Oswaldo Cruz
Extensão 709-719
Fonte http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2012000400010
Direito de acesso Acesso aberto Open Access
Tipo Artigo
Web of Science WOS:000302556700010
SciELO S0102-311X2012000400010 (estatísticas na SciELO)
Endereço permanente http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/7050

Exibir registro completo




Arquivo

Nome: S0102-311X2012000400010.pdf
Tamanho: 94.14KB
Formato: PDF
Descrição:
Abrir arquivo

Este item está nas seguintes coleções

Buscar


Navegar

Minha conta