Benefícios e riscos da prática de atividade física recreativa e/ou esportiva por pessoas com epilepsia

Benefícios e riscos da prática de atividade física recreativa e/ou esportiva por pessoas com epilepsia

Título alternativo Benefits and risks of the practice of leisure and/or sportive physical activity by people with epilepsy
Autor Vancini, Rodrigo Luiz Autor UNIFESP Google Scholar
Lira, Claudio Andre Barbosa de Autor UNIFESP Google Scholar
Scorza, Fulvio Alexandre Autor UNIFESP Google Scholar
Arida, Ricardo Mario Autor UNIFESP Google Scholar
Instituição Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Resumo Epilepsy is the most common chronic neurological disorder in the world. Pharmacological treatment is essential in the majority of cases. However, nonpharmacologic therapies such as regular physical activity have been studied in the treatment of epilepsy. It was well established that the regular physical activity provides benefits on physical fitness and health. However, people with epilepsy are often discouraged from participating in physical activity programs. This reluctance derived from overprotection of health's professionals and relatives, because there are fears that the practice of physical activity may predispose individuals to traumatic injury or that fatigue resulting from physical effort can precipitate a seizure. Growing evidence shows that regular physical activity is beneficial for individuals with epilepsy, with few findings showing an increase in seizure frequency or risk of injury when the disease is pharmacologically controlled. Therefore, the purpose of this review is to present the possible risks and benefits of regular physical activity for people with epilepsy.

A epilepsia é o distúrbio neurológico crônico mais comum no mundo. O tratamento farmacológico é essencial na maioria dos casos. Entretanto, terapias não farmacológicas, como a prática de atividade física regular, vêm sendo estudadas para o tratamento complementar desse distúrbio. Já está bem estabelecido que programas de atividade física promovem benefícios sobre a aptidão física e a saúde. Contudo, pessoas com epilepsia frequentemente são desencorajadas a participar desses programas. Essa relutância origina-se da proteção excessiva dos profissionais da saúde e familiares, pois existe o receio que a prática de atividade física possa predispor os indivíduos a lesões traumáticas ou que a fadiga resultante do esforço físico possa precipitar uma nova crise epiléptica. Evidências crescentes mostram que a prática de atividade física é benéfica para pessoas com epilepsia, havendo poucos achados mostrando o aumento da frequência de crises ou do risco de lesão quando a doença está farmacologicamente controlada. Portanto, o objetivo da presente revisão é apresentar os possíveis riscos e benefícios da prática de atividade física por pessoas com epilepsia.
Palavra-chave Epilepsy
Epileptic seizure
Exercise
Sport
Epilepsia
Crise epiléptica
Exercício
Esporte
Idioma Português
Financiador Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq)
Data de publicação 2011-06-01
Publicado em Fisioterapia em Movimento. Pontifícia Universidade Católica do Paraná, v. 24, n. 2, p. 347-355, 2011.
ISSN 0103-5150 (Sherpa/Romeo)
Publicador Pontifícia Universidade Católica do Paraná
Extensão 347-355
Fonte http://dx.doi.org/10.1590/S0103-51502011000200016
Direito de acesso Acesso aberto Open Access
Tipo Artigo
SciELO S0103-51502011000200016 (estatísticas na SciELO)
Endereço permanente http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/6527

Exibir registro completo




Arquivo

Nome: S0103-51502011000200016.pdf
Tamanho: 622.9KB
Formato: PDF
Descrição:
Abrir arquivo

Este item está nas seguintes coleções

Buscar


Navegar

Minha conta