Common mental disorders in Petrópolis-RJ: a challenge to integrate mental health into primary care strategies

Common mental disorders in Petrópolis-RJ: a challenge to integrate mental health into primary care strategies

Título alternativo Transtornos mentais comuns em Petrópolis-RJ: um desafio para a integração da saúde mental com a estratégia de saúde da família
Autor Fortes, Sandra Google Scholar
Lopes, Claudia de Souza Google Scholar
Villano, Luiz Augusto Brites Autor UNIFESP Google Scholar
Campos, Mônica Rodrigues Autor UNIFESP Google Scholar
Gonçalves, Daniel Almeida Autor UNIFESP Google Scholar
Mari, Jair de Jesus Autor UNIFESP Google Scholar
Instituição Universidade do Estado do Rio de Janeiro School of Medical Science
Universidade do Estado do Rio de Janeiro Institute of Social Medicine
Public Health National School
Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
University of London King's College Institute of Psychiatry
Resumo OBJECTIVE: Common mental disorders are present in more than 50% of patients attending primary care clinics. The main objectives of this study were to detect whether there is any special group of patients within the Family Health Strategy that should be considered to be in greater risk for common mental disorders and to recommend alternative interventions to aid these patients. METHOD: In 2002, a cross-sectional study on common mental disorders seen at Family Health Strategy centers was conducted in Petrópolis, State of Rio de Janeiro. RESULTS: Common mental disorders were associated with women (OR = 2.90; 95% CI 1.82-4.32), younger than 45 years of age (OR = 1.43; 95% CI 1.02-2.01), with a monthly per capita family income of less than US$40.00 (OR = 1.68; 95% CI 1.20-2.39), and without a partner (OR = 1.71; 95% CI 1.22-2.39). Illiteracy was associated with common mental disorders among patients who were not extremely poor. Social support networks such as going often to church (OR = 0.62; 95% CI 0.43-0.89); participating in artistic and sporting activities (OR = 0.42; 95% CI 0.26-0.70) and having at least four trusted relatives or friends (OR = 0.53; 95% CI 0.31-0.91) was inversely associated with common mental disorders. DISCUSSION: Poor women with little social support represent a special group at risk for common mental disorders in the primary care setting. Some countries have developed special interventions to treat patients with common mental disorders in primary care. CONCLUSION: Mental health care programs could include evidence-based psychosocial interventions to assist women in overcoming the vicious circle of poverty and dealing with their mental disorders.

OBJETIVO: Transtornos mentais comuns estão presentes em cerca de 50% dos pacientes atendidos nas unidades de atenção primária. Os principais objetivos deste estudo foram investigar a presença de grupos especiais de pacientes na Estratégia de Saúde da Família que devam ser considerados como em maior risco para transtornos mentais comuns e recomendar intervenções alternativas que auxiliem estes pacientes. MÉTODO: Em 2002, um estudo de corte transversal sobre transtornos mentais comuns foi realizado nas unidades do Programa de Saúde da Família em Petrópolis-RJ. RESULTADOS: A presença de transtornos mentais comuns estava associada a ser mulher (OR = 2,90; 95% CI 1,82-4,32), ter menos de 45 anos (OR = 1,43; 95% CI 1,02-2,01), com uma renda per capita familiar menor que U$40,00 (OR = 1,68; 95% CI 1,20-2,39) e sem companheiro (OR = 1,71; 95% CI 1,22-2,39). Analfabetismo se associava a transtornos mentais comuns em pacientes que não eram extremamente pobres. Redes de suporte social, tais como frequentar regularmente a igreja (OR = 0,62; 95% CI 0,43-0,89), participar de atividades esportivas e artísticas (OR = 0,42; 95% CI 0,26-0,70) e ter pelo menos quatro amigos ou parentes em quem se podia confiar (OR = 0,53; 95% CI 0,31-0,91) estavam inversamente associadas a ter transtornos mentais comuns. DISCUSSÃO: Existe um grupo de risco especial para transtornos mentais comuns na atenção primária: mulheres, pobres, com pouco suporte social. Intervenções especiais para que sejam cuidadas na atenção primária têm sido desenvolvidas em outros países. CONCLUSÃO: Intervenções terapêuticas com comprovada evidência científica para apoiar essas mulheres a romper o círculo vicioso de pobreza e transtornos mentais podem ser inseridas nas ações de saúde mental.
Palavra-chave Mental disorders
Primary health care
Mental health
Gender identity
Strategies
Transtornos mentais
Atenção primária à saúde
Saúde mental
Identidade de gênero
Estratégias
Idioma Inglês
Financiador Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq)
Data de publicação 2011-06-01
Publicado em FORTES, Sandra et al . Common mental disorders in Petrópolis-RJ: a challenge to integrate mental health into primary care strategies. Rev. Bras. Psiquiatr., São Paulo , v. 33, n. 2, p. 150-156, jun. 2011
ISSN 1516-4446 (Sherpa/Romeo, fator de impacto)
Publicador Associação Brasileira de Psiquiatria - ABP
Extensão 150-156
Fonte http://dx.doi.org/10.1590/S1516-44462011000200010
Direito de acesso Acesso aberto Open Access
Tipo Artigo
Web of Science WOS:000293652800010
SciELO S1516-44462011000200010 (estatísticas na SciELO)
Endereço permanente http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/6482

Exibir registro completo




Arquivo

Nome: S1516-44462011000200010.pdf
Tamanho: 1.379MB
Formato: PDF
Descrição:
Abrir arquivo

Este item está nas seguintes coleções

Buscar


Navegar

Minha conta