Estudo por ressonância magnética da região da pineal: pineal normal e cistos simples

Estudo por ressonância magnética da região da pineal: pineal normal e cistos simples

Título alternativo Magnetic resonance study of the pineal region: normal pineal gland, simple cysts
Autor Caldas, JosÉ Guilherme Autor UNIFESP Google Scholar
Doyon, Dominique Autor UNIFESP Google Scholar
Lederman, Henrique Manoel Autor UNIFESP Google Scholar
Carlier, Robert Autor UNIFESP Google Scholar
Instituição Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Universidade Paris-Sul Centro Hospitalar Universitário de Bicêtre
Resumo A magnetic resonance imaging (MRI) study of the normal pineal gland and pineal simple cysts was performed in 762 cases. A fine section technique (maximum 3 millimeters) enabled most of the times the identifying of a normal pineal in addition to demonstrating that a pineal without any cyst shows an isointense signal in Tl and T2 which, in turn, is enhanced following gadolinium. The measure of the normal pineal was of about 6.1 millimeters in its diameter length. Pineal simple cysts were observed in a 2.6% frequency in relation to the whole series (762 cases); however reaches 6.1% when only the visualized pineals were considered (329 cases). Also, it was found out that simple cysts were not correlated to age or gender. Simple cysts characteristics are: dimension less or equal to 20 millimeters; absence of expansive effect; similar signal to that of the cerebrospinal fluid; absence of cyst growth.

Realiza-se um estudo por ressonância magnética da pineal normal e dos cistos simples da pineal e estabelece-se um protocolo para estudo da região pineal analisando-se 762 exames. A utilização da técnica com cortes finos (3 milímetros no máximo) identifica a pineal normal na maioria das vezes (84,4%) e demonstra que a pineal normal, sem cistos, apresenta sinal isointenso em Tl e T2 com realce após a injeção de gadolínio, medindo em média 6,1 milímetros no seu maior diâmetro. Os cistos simples da pineal aparecem com frequência de 2,6% em relação a toda a série (762 casos) elevando-se essa frequência para 6,1% se forem consideradas somente as pineais visiblizadas (329 casos). Os cistos simples não se correlacionam nem com a idade nem com o sexo e os cistos sintomáticos são raros. Os critérios para diagnóstico diferencial dos cistos simples versus tumores da região da pineal são: dimensões menores ou iguais a 20 milímetros; espessura da parede abaixo de 2 milímetros; ausência de efeito expansivo; sinal igual ao líquido cefalorraquidiano e ausência de crescimento dos cistos.
Palavra-chave pineal cysts
pineal gland
encephalic tumors
magnetic resonance imaging
cistos da pineal
glândula pineal
tumores encefálicos
radiodiagnóstico
ressonância magnética
Idioma Português
Data de publicação 1998-06-01
Publicado em Arquivos de Neuro-Psiquiatria. Academia Brasileira de Neurologia - ABNEURO, v. 56, n. 2, p. 237-244, 1998.
ISSN 0004-282X (Sherpa/Romeo)
Publicador Academia Brasileira de Neurologia - ABNEURO
Extensão 237-244
Fonte http://dx.doi.org/10.1590/S0004-282X1998000200012
Direito de acesso Acesso aberto Open Access
Tipo Artigo
SciELO S0004-282X1998000200012 (estatísticas na SciELO)
Endereço permanente http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/626

Exibir registro completo




Arquivo

Nome: S0004-282X1998000200012.pdf
Tamanho: 210.0KB
Formato: PDF
Descrição:
Abrir arquivo

Este item está nas seguintes coleções

Buscar


Navegar

Minha conta