Transição tecnológica em uma operadora de plano de saúde: o olhar do usuário

Transição tecnológica em uma operadora de plano de saúde: o olhar do usuário

Título alternativo Technological transition in a supplemental health care provider: the user's viewpoint
Autor Cuginotti, Aloísio Punhagui Autor UNIFESP Google Scholar
Instituição Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Resumo The Brazilian supplemental health care sector has been experiencing new health care models in the last few years. This paper aims at featuring how users perceive and how they express themselves in relation to the deployment of a program known as Family Health Strategy (FHS) by a self-management health care provider. Through focal groups, the research reveals that users present a rather clear view on the meaning of strategy, including its remarkable rationalizing elements. In addition, they percept contradictions as well as deficiencies in the formulation and deployment process, and they keep a high level of autonomy in the choice for more adequate services, which are greatly influenced by the type of insertion that they exert in the bank institution that maintains the health care service provider. Users also perceive the predicament presented by self-management regarding the maintenance of a broad authorized free access network and the advance towards turning FHS into the structuring backbone of its assistance network.

O setor de saúde suplementar no Brasil vem experimentando, nos últimos anos, novos modelos de atenção à saúde. O presente estudo teve como objetivo caracterizar como os usuários percebem e se posicionam em relação à implantação da Estratégia Saúde da Família (ESF) por uma operadora do tipo autogestão. Utilizandose de grupos focais com usuários considerados aderidos e não-aderidos à ESF, a pesquisa revela que os usuários têm uma compreensão bastante clara do significado da estratégia, inclusive de seus fortes elementos racionalizadores, percebem as contradições e deficiências no seu processo de formulação e implantação e mantêm um elevado grau de autonomia na escolha dos serviços que lhe sejam mais adequados, muito influenciados pelo tipo de inserção que têm no estabelecimento bancário que mantém a operadora. O usuário percebe, ainda, o impasse da autogestão entre manter uma ampla rede credenciada de livre acesso ou conseguir avançar no sentido de fazer da ESF o eixo estruturante de sua rede assistencial.
Palavra-chave Supplemental Health Care
Self-Management Service Provider
Technological Transition in Health.
Family Health Strategy
Saúde Suplementar
Operadoras de Planos de Saúde
Transição Tecnológica em Saúde
Estratégia Saúde da Família
Idioma Português
Data de publicação 2011-01-01
Publicado em Physis: Revista de Saúde Coletiva. IMS-UERJ, v. 21, n. 1, p. 159-176, 2011.
ISSN 0103-7331 (Sherpa/Romeo)
Publicador IMS-UERJ
Extensão 159-176
Fonte http://dx.doi.org/10.1590/S0103-73312011000100010
Direito de acesso Acesso aberto Open Access
Tipo Artigo
SciELO S0103-73312011000100010 (estatísticas na SciELO)
Endereço permanente http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/6154

Exibir registro completo




Arquivo

Nome: S0103-73312011000100010.pdf
Tamanho: 751.0KB
Formato: PDF
Descrição:
Abrir arquivo

Este item está nas seguintes coleções

Buscar


Navegar

Minha conta