Comportamento de risco para transtorno alimentar em universitárias brasileiras

Comportamento de risco para transtorno alimentar em universitárias brasileiras

Título alternativo Eating disorders risk behavior in Brazilian female university students
Autor Alvarenga, Marle dos Santos Google Scholar
Scagliusi, Fernanda Baeza Autor UNIFESP Google Scholar
Philippi, Sonia Tucunduva Google Scholar
Instituição Universidade de São Paulo (USP)
Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Resumo BACKGROUND: Risk behavior for eating disorders enrolled inadequate practices and attitudes with food and weight control and could be evaluated with valid instruments. OBJECTIVES: To evaluate risk behaviors for eating disorders among Brazilian female university students from different regions. METHODS: 2.483 college students filled out the Eating Attitudes Test (EAT-26) at five regions in Brazil. The test score was compared among regions by chi-square test and possible associations or correlations with major, age, nutritional status, individual income and parental education evaluated by Pearson and Spearman coefficients. A covariance analysis compared the EAT scores among regions. RESULTS: The frequency of positive eating disorder behavior ranges from 23.7% to 30.1% among five regions. There was no difference in EAT scores among regions, and there was not strong correlation between EAT scores and the variables studied. DISCUSSION: Brazilian female university students have high frequency of risk behaviors for eating disorders in all regions of the country. Prevention strategies must be developed for the young female population of Brazil.

CONTEXTO: Comportamentos de risco para transtornos alimentares envolvem atitudes e práticas inadequadas para com o alimento e o peso e podem ser avaliados com base em instrumentos validados. OBJETIVOS: Avaliar comportamento de risco para transtornos alimentares em universitárias brasileiras das cinco regiões do país. MÉTODOS: 2.483 universitárias responderam ao Teste de Atitudes Alimentares (EAT-26) nas cinco regiões. A pontuação no teste foi comparada entre as regiões por meio do teste qui-quadrado. Possíveis associações ou correlações com curso de graduação, idade, estado nutricional, renda individual e escolaridade do chefe da família foram avaliadas pelos coeficientes de Pearson e Spearman. Uma análise de covariância comparou o escore do EAT entre as regiões. RESULTADOS: A frequência de comportamento de risco para transtornos alimentares variou de 23,7% a 30,1% nas cinco regiões e não houve diferença na pontuação média do EAT e na proporção de escores positivos para comportamento de risco entre as regiões. Não houve forte correlação do escore do EAT com nenhuma das variáveis. CONCLUSÃO: Universitárias brasileiras apresentam alta frequência de comportamentos de risco para TA em todas as regiões do país. Medidas de prevenção devem ser planejadas para a população jovem feminina do Brasil.
Palavra-chave Eating disorders
EAT-26
risk factors
eating attitudes
college students
Transtornos alimentares
EAT-26
fatores de risco
atitudes alimentares
universitárias
Idioma Português
Financiador Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP)
Data de publicação 2011-01-01
Publicado em ALVARENGA, Marle dos Santos; SCAGLIUSI, Fernanda Baeza; PHILIPPI, Sonia Tucunduva. Comportamento de risco para transtorno alimentar em universitárias brasileiras. Rev. psiquiatr. clín., São Paulo , v. 38, n. 1, p. 03-07, 2011
ISSN 0101-6083 (Sherpa/Romeo, fator de impacto)
Publicador Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo
Extensão 03-07
Fonte http://dx.doi.org/10.1590/S0101-60832011000100002
Direito de acesso Acesso aberto Open Access
Tipo Artigo
Web of Science WOS:000289857700002
SciELO S0101-60832011000100002 (estatísticas na SciELO)
Endereço permanente http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/6118

Exibir registro completo




Arquivo

Nome: S0101-60832011000100002.pdf
Tamanho: 121.6KB
Formato: PDF
Descrição:
Abrir arquivo

Este item está nas seguintes coleções

Buscar


Navegar

Minha conta