Temperatura do ar exalado, um novo biomarcador no controle da asma: um estudo piloto

Temperatura do ar exalado, um novo biomarcador no controle da asma: um estudo piloto

Título alternativo Exhaled breath temperature, a new biomarker in asthma control: a pilot study
Autor Melo, Raul Emrich Autor UNIFESP Google Scholar
Popov, Todor A Google Scholar
Solé, Dirceu Autor UNIFESP Google Scholar
Instituição Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Universidade Médica de Sofia Clínica de Alergia e Asma
Resumo OBJECTIVE: To evaluate whether the exhaled breath temperature (EBT), measured by a noninvasive method, is an effective means of monitoring patients with uncontrolled asthma. METHODS: A pilot study comprising nine patients (seven women and two men; mean age: 39 years) diagnosed with asthma at least one year prior to the beginning of the study and not having been under maintenance therapy for the last three months. In the first visit, the patients underwent spirometry and measurement of EBT. The patients were then instructed to use inhaled budesonide/formoterol (200/6 µg) every 12 h for six weeks. In addition, the patients with severe asthma (FEV1 < 60% of predicted) were instructed to use oral prednisolone (40 mg/day) for five days. After six weeks, the patients underwent the same tests. RESULTS: All of the patients reported an improvement in the symptoms of asthma, as confirmed by a statistically significant increase in FEV1 from the first to the second visit (mean, 56.1% vs. 88.7% of predicted; p < 0.05). Five patients used oral prednisolone for the first five days of the treatment period. Six patients used additional doses of inhaled budesonide/formoterol (mean duration, 2.5 weeks). The EBT decreased significantly from the first to the second visit (mean EBT: 35.1ºC vs. 34.1ºC; p < 0.05). CONCLUSIONS: Uncontrolled asthma, especially during exacerbations, is followed by an increase in EBT, which decreases after appropriate asthma control, as demonstrated by an increase in FEV1 and an improvement of the reported symptoms. These preliminary results suggest that EBT can be used as a parameter for the assessment of asthma control.

OBJETIVO: Avaliar se a temperatura do ar exalado (TAE), medida por um método não invasivo, é efetiva no monitoramento de pacientes com asma não controlada. MÉTODOS: Estudo piloto com nove pacientes (sete mulheres e dois homens; média de idade: 39 anos) com diagnóstico de asma por pelo menos um ano e sem uso de tratamento de manutenção por pelo menos três meses antes do início do estudo. Na primeira visita, os pacientes foram submetidos à espirometria e à medida da TAE. Todos os pacientes foram orientados a iniciar tratamento com budesonida/formoterol (200/6 µg) inalatório a cada 12 h por seis semanas. Além disso, os pacientes com asma grave (VEF1 < 60% do previsto) foram orientados a utilizar prednisolona oral (40 mg/dia) por cinco dias. Após seis semanas, os pacientes foram submetidos aos mesmos testes. RESULTADOS: Todos os pacientes relataram melhora dos sintomas de asma; confirmada por um aumento significativo de VEF1 da primeira para a segunda visita (média de VEF1: 56,1% vs. 88,7% do previsto; p < 0,05). Cinco pacientes utilizaram prednisolona oral, mas somente nos cinco dias iniciais do tratamento. Seis pacientes utilizaram doses extras da medicação inalatória (média de tempo de uso de medicação adicional = 2,5 semanas). Houve uma diminuição significativa da TAE entre os momentos de avaliação (média de TAE: 35,1ºC vs. 34,1ºC; p < 0,05). CONCLUSÕES: A asma não controlada, sobretudo durante exacerbações, é acompanhada pela elevação da TAE, que se reduz após o controle adequado da asma, demonstrado pela melhora do VEF1 e dos sintomas referidos. Esses resultados preliminares apontam para o monitoramento da TAE como um parâmetro possível na avaliação do controle da asma.
Palavra-chave Asthma
Biomarkers, pharmacological
Hydroxycorticosteroids
Asma
Biomarcadores farmacológicos
Hidroxicorticosteroides
Idioma Português
Data de publicação 2010-12-01
Publicado em Jornal Brasileiro de Pneumologia. Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia, v. 36, n. 6, p. 693-699, 2010.
ISSN 1806-3713 (Sherpa/Romeo, fator de impacto)
Publicador Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia
Extensão 693-699
Fonte http://dx.doi.org/10.1590/S1806-37132010000600005
Direito de acesso Acesso aberto Open Access
Tipo Artigo
Web of Science WOS:000285670500005
SciELO S1806-37132010000600005 (estatísticas na SciELO)
Endereço permanente http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/6079

Exibir registro completo




Arquivo

Nome: S1806-37132010000600005.pdf
Tamanho: 572.1KB
Formato: PDF
Descrição:
Abrir arquivo

Este item está nas seguintes coleções

Buscar


Navegar

Minha conta