Por que a maioria dos pais e alunos defende a reprovação?

Por que a maioria dos pais e alunos defende a reprovação?

Título alternativo Why do most parents and students defend school retention?
Autor Jacomini, Márcia Aparecida Autor UNIFESP Google Scholar
Instituição Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Resumo This paper analyses the opinions of parents and students on social promotion by learning cycles. The field research was conducted in two public school in São Paulo City for a whole school year. Date were collected through observation of everyday school life and from semi-structured interviews with 56 parents and students, and organized into thematic categories, according to Bardin (2004). There were two central questions behind the research: Why are most parents and students against social promotion? How did they reach this way of thinking? The belief that retention exerts a healthy pressure on the students is a general assumption among them. So, for the subjects interviewed, pupils would felt obliged to study more, to behave well and to dedicate themselves to their studies. As the subject's school experiences do not confirm the positive effects of school repetition, they were asked why they continue thinking in this way. Their statements suggest that they have appropriated the dominant discourse, which is against the social promotion policies, without thinking critically about their own school experiences.

O objetivo do artigo é analisar a opinião de pais e alunos sobre a progressão continuada e a reprovação escolar. A pesquisa de campo, realizada em duas escolas municipais de São Paulo, teve duração de um ano letivo. Os dados foram coletados por meio de observação do cotidiano escolar e de entrevistas semiestruturadas com 56 pais e alunos, e organizados em categorias temáticas, de acordo com Bardin (2004). Duas questões centrais pautaram a pesquisa: Por que a maioria dos pais e dos alunos é contra a progressão continuada? Como construíram essa forma de pensar? A crença de que a reprovação exerce uma pressão salutar sobre os alunos que, por temor de perder o ano, estudariam mais e se sentiriam obrigados a ter bom comportamento e dedicação aos estudos, foi preponderante entre os sujeitos. Como as experiências escolares dos sujeitos não confirmam tais efeitos da reprovação anual, questionou-se por que eles continuam pensando assim? Os depoimentos sugerem, entre outros aspectos, que os entrevistados se apropriaram do discurso dominante, contrário às políticas de não reprovação anual, sem refletir criticamente sobre suas próprias experiências de escolarização.
Palavra-chave students
democratization of education
parents
grade repetition
alunos
democratização do ensino
pais
repetência
Idioma Português
Data de publicação 2010-12-01
Publicado em Cadernos de Pesquisa. Fundação Carlos Chagas, v. 40, n. 141, p. 895-919, 2010.
ISSN 0100-1574 (Sherpa/Romeo)
Publicador Fundação Carlos Chagas
Extensão 895-919
Fonte http://dx.doi.org/10.1590/S0100-15742010000300012
Direito de acesso Acesso aberto Open Access
Tipo Artigo
SciELO S0100-15742010000300012 (estatísticas na SciELO)
Endereço permanente http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/6056

Exibir registro completo




Arquivo

Nome: S0100-15742010000300012.pdf
Tamanho: 116.1KB
Formato: PDF
Descrição:
Abrir arquivo

Este item está nas seguintes coleções

Buscar


Navegar

Minha conta