Avaliação transversal dos métodos terapêuticos do pé torto congênito equinovaro idiopático: controvérsias sobre a tenotomia do tendão calcâneo

Avaliação transversal dos métodos terapêuticos do pé torto congênito equinovaro idiopático: controvérsias sobre a tenotomia do tendão calcâneo

Título alternativo Cross-evaluation of the therapeutical methods for idiopathic congenital clubfoot (talipes equinovarus): controversies regarding the tendocalcaneous tenotomy
Autor Chaim, Renan Moukbel Autor UNIFESP Google Scholar
Silva, Fabio Assunção e Autor UNIFESP Google Scholar
Angelini, Felipe Bertelli Autor UNIFESP Google Scholar
Dobashi, Eiffel Tsuyoshi Autor UNIFESP Google Scholar
Andrade Júnior, Luiz Carlos de Autor UNIFESP Google Scholar
Blumetti, Francesco Camara Autor UNIFESP Google Scholar
Pinto, Jose Antonio Autor UNIFESP Google Scholar
Instituição Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Resumo OBJECTIVE: There has been a lot of discussion regarding the treatment of congenital clubfoot (talipes equinovarus,) and Posenti's methodology currently seems to be the most rational, offering high rates of satisfactory results when compared to Kite's approach that prevailed in orthopedics until the end of the 90s. With the recent change of concepts, this study purports to analyze the profile of orthopedists treating this infirmity in Brazil, through a questionnaire used at the 39th Brazilian Congress of Orthopaedics and Traumatology, since such data is unknown in the Brazilian literature. METHODS: An investigative questionnaire was prepared to ascertain the treatment method used, the characteristics of the population studied, the results acquired with treatment and, particularly, how they approached the Achilles tendon. RESULTS: Of the 5,329 registered orthopedists, we acquired 539 spontaneous participations. Of these, only 88 (16.30%) orthopedists perform the treatment for congenital clubfoot; 78 (88.60%) use the Ponseti method and 9 (10.20%) use Kite's; for 47.70%, conservative treatment is performed between 4 and 6 months and for 35.30%, between 1 and 3 months; 58 (66.00%) interviewees perform the Achilles tendon tenotomy in 80% to 100% of their patients and 59 (67.05%) perform it at a surgical center due to safety conditions, sterilized environment, anesthesia, ease of access, and patient monitoring; 32 (36.36%) orthopedists present 80% of good results or more, 54 (61.36%) present 50% to 80% good results and 46 (52.27%) present a 10% relapse rate. CONCLUSIONS: Although the Ponseti Method defines that the Achilles tendon tenotomy should be performed in an outpatient setting, most of the orthopedists (59 - 67.05%) perform it in the operating room.

OBJETIVO: Há muita discussão em relação ao tratamento do pé torto congênito equino-cavo-varo e atualmente a sistemática proposta por Ponseti parece ser a mais racional oferecendo altas taxas de resultados satisfatórios em detrimento à metodologia de Kite que predominou no meio ortopédico até o final da década de 90. Com a recente mudança de conceitos, este trabalho tem o intuito de analisar, por meio de questionário aplicado no 39° Congresso Brasileiro de Ortopedia e Traumatologia, o perfil dos ortopedistas no Brasil frente a esta afecção, fato este desconhecido considerando a literatura nacional. MÉTODO: Um questionário para investigação foi elaborado para verificar o método de tratamento utilizado, as características da população estudada, os resultados obtidos com o tratamento e particularmente como abordam cirurgicamente o tendão calcâneo. RESULTADOS: Do total de 5.329 ortopedistas inscritos, obtivemos 539 participações espontâneas; destes, somente 88 (16,30%) indivíduos executam o tratamento para o pé torto congênito; 78 (88,60%) aplicam o método de Ponseti; e nove (10,20%) o de Kite. Para 47,70%, o tratamento conservador é realizado entre quatro e seis meses e para 35,20% entre um e três meses; 58 (66,00%) entrevistados efetuam a tenotomia do tendão calcâneo em 80% a 100% de seus pacientes e 59 (67,05%) a realizam no centro cirúrgico devido às condições de segurança, assepsia, anestesia, facilidade de acesso e monitorização do paciente; 32 (36,36%) ortopedistas apresentam 80% ou mais de bons resultados, 54 (61,36%) apresentam 50% a 80% de bons resultados e 46 (52,27%) apresentam taxa de recidiva de 10%. CONCLUSÃO: Embora o método de Ponseti defina que a tenotomia do tendão calcâneo seja realizada ambulatorialmente com anestesia local, a maioria 59 (67,05%) dos ortopedistas a realiza no centro cirúrgico.
Palavra-chave Clubfoot
Questionnaires
Achilles Tendon
Methods
Pé Torto
Questionários
Tendão do Calcâneo
Método
Idioma Português
Data de publicação 2010-12-01
Publicado em Revista Brasileira de Ortopedia. Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia, v. 45, p. 31-36, 2010.
ISSN 0102-3616 (Sherpa/Romeo)
Publicador Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia
Extensão 31-36
Fonte http://dx.doi.org/10.1590/S0102-36162010000700006
Direito de acesso Acesso aberto Open Access
Tipo Artigo
SciELO S0102-36162010000700006 (estatísticas na SciELO)
Endereço permanente http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/6030

Exibir registro completo




Arquivo

Nome: S0102-36162010000700006.pdf
Tamanho: 828.1KB
Formato: PDF
Descrição:
Abrir arquivo

Este item está nas seguintes coleções

Buscar


Navegar

Minha conta