Avaliação e seguimento em médio prazo em candidatos a transplante cardíaco submetidos a exercício de baixa intensidade

Avaliação e seguimento em médio prazo em candidatos a transplante cardíaco submetidos a exercício de baixa intensidade

Título alternativo Assessment and medium-term follow up of heart transplant candidates undergoing low-intensity exercise
Autor Yoshimori, Darlene Yuri Autor UNIFESP Google Scholar
Cipriano Junior, Gerson Autor UNIFESP Google Scholar
Mair, Vanessa Autor UNIFESP Google Scholar
Branco, João Nelson Rodrigues Autor UNIFESP Google Scholar
Buffolo, Enio Autor UNIFESP Google Scholar
Instituição Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Universidade de Brasília
Resumo OBJECTIVE: To study cardiovascular behavior and safety regarding a low-intensity exercise program for heart transplant candidates with severe heart failure. METHODS: Twenty-one patients with severe heart failure on the transplant list of the UNIFESP university hospital (Brazil) were studied. Following evaluation, the patients were monitored during an exercise program with six progressive phases (1 - upper limbs; 2 - lower limbs; 3 - walking; 4 - ½ flight of stairs; 5 - walking 200 m; and 6 - whole flight of stairs), with the intensity estimated at two to six metabolic equivalents (1 MET = 3.5 ml of O2/kg/min.). The patients were prospectively followed up for approximately 17 months for the occurrence of clinical complications and death. RESULTS: Three patients were unable to perform the complete program; BMI, maximal respiratory pressure (Pimax and Pemax, cmH2O) and number of previous hospitalizations were considered predictors for this subgroup. Heart rate (HR, bpm), double product (DP, bpm x mmHg) and Borg perceived exertion scale (PE) underwent the greatest oscillation during exercise, especially in phase 5 (HMETS), and are considered the best markers related to exertion. Blood pressure (BP, mmHg) oscillated little. There was no increase in the incidence of arrhythmia (Kappa=0.552) during exercise. There was a moderate positive correlation between PE and BP (r=0.4; P=0.02) in phase 5 (walking 200 m). The patients who died had low Pimax values upon the initial evaluation. During the exercise program, there was a reduction in BP response and an increase in HR response. CONCLUSION: Regarding cardiovascular behavior, the exercise program proved safe and well tolerated, but there is a need for monitoring. Information obtained upon the initial evaluation and during exercise program is associated to decompensation and death. Such information could assist in determining the stage of the disease.

OBJETIVOS: Estudar o comportamento cardiovascular e segurança frente a protocolo de exercícios de baixa intensidade em pacientes com insuficiência cardíaca (IC) grave, candidatos a transplante cardíaco. MÉTODOS: Foram estudados 21 pacientes com IC grave, inscritos na lista de transplante cardíaco do Hospital Universitário da UNIFESP. Após avaliação, os pacientes foram monitorados durante a realização de protocolo de exercício com seis fases progressivas (1º membros superiores, 2º membros inferiores, 3º caminhada 35 m, 4º ½ lance de escada, 5º caminhada de 200 m e 6º 1 lance de escada), com intensidade estimada em 2 a 6 equivalentes metabólicos (1 MET = 3,5 ml de O2/kg/min.). Os pacientes foram acompanhados prospectivamente por aproximadamente 17 meses quanto à ocorrência de complicações clínicas e óbito. RESULTADOS: Dentre os pacientes estudados, três não foram capazes de realizar o protocolo completo, sendo as variáveis índice de massa corporal (IMC), pressão respiratória máxima (Pimáx e Pemáx, cmH2O) e número de internações prévias, consideradas preditivas neste subgrupo. Frente ao protocolo de exercício, a frequência cardíaca (FC, bpm), duplo produto (DP, bpm x mmHg) e escala de percepção de esforço (EP, Borg) apresentaram maior oscilação, principalmente durante a fase 5 (H5 METS), sendo considerados os melhores marcadores relativos ao esforço. A pressão arterial (PA, mmHg) apresentou pouca oscilação. Não houve aumento da incidência de arritmias (Kappa=0,552) frente ao esforço. Observamos correlação positiva moderada entre a EP apenas na fase 6 (caminhada de 200m), com PA (r=0,4; P=0,02). Nos pacientes com desfecho óbito, foram observados valores reduzidos de PiMax na avaliação prévia. Durante o protocolo, redução da resposta de PA e maior elevação da resposta de FC. CONCLUSÃO: O comportamento cardiovascular frente ao protocolo de exercícios foi bem tolerado e seguro, mas reforça a necessidade de monitoração. Informações obtidas na avaliação clínica inicial e durante o protocolo estão associadas com a descompensação e óbito tardio, e podem auxiliar no estadiamento destes pacientes.
Palavra-chave Exercise
Heart failure
Rehabilitation
Heart transplantation
Exercício
Insuficiência cardíaca
Reabilitação
Transplante de coração
Idioma Português
Data de publicação 2010-09-01
Publicado em Revista Brasileira de Cirurgia Cardiovascular. Sociedade Brasileira de Cirurgia Cardiovascular, v. 25, n. 3, p. 333-340, 2010.
ISSN 0102-7638 (Sherpa/Romeo, fator de impacto)
Publicador Sociedade Brasileira de Cirurgia Cardiovascular
Extensão 333-340
Fonte http://dx.doi.org/10.1590/S0102-76382010000300009
Direito de acesso Acesso aberto Open Access
Tipo Artigo
Web of Science WOS:000283698800009
SciELO S0102-76382010000300009 (estatísticas na SciELO)
Endereço permanente http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/5944

Exibir registro completo




Arquivo

Nome: S0102-76382010000300009.pdf
Tamanho: 122.4KB
Formato: PDF
Descrição:
Abrir arquivo

Este item está nas seguintes coleções

Buscar


Navegar

Minha conta