Resistência à aspirina: realidade ou ficção?

Resistência à aspirina: realidade ou ficção?

Título alternativo Aspirin resistance: fact or fiction?
Resistencia a la aspirina: realidad o ficción?
Autor Oliveira, Dinaldo Cavalcanti De Autor UNIFESP Google Scholar
Silva, Rogerio Ferreira Google Scholar
Silva, Diego Jantsk Google Scholar
Lima, Valter Correia De Autor UNIFESP Google Scholar
Instituição Associação do Sanatório Sírio Hospital do Coração
Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Universidade Federal de Pernambuco Hospital das Clínicas
Resumo A meta-analysis of clinical studies of patients with cardiovascular disease demonstrated that the use of aspirin was associated with a 22% decrease in death rates and relevant ischemic vascular events. However, clinical studies demonstrated that patients that regularly took aspirin presented recurrence of cardiovascular events. Such observation led to the question whether, in some patients, the aspirin was not effective in blocking platelet aggregation and these patients were called unresponsive to aspirin or aspirin-resistant. The clinical aspirin resistance is characterized as the occurrence of cardiovascular events in patients during treatment with aspirin, whereas the laboratory resistance is defined as the persistence of platelet aggregation, documented by laboratory test, in patients regularly taking aspirin. Patients that are aspirin-resistant presented, according to laboratory tests, on average 3.8 times more cardiovascular events when compared to non-resistant ones.

Un metanálisis de estudios clínicos de pacientes con enfermedad cardiovascular demostró que el uso de aspirina estaba asociado a la reducción de 22% de muertes y a eventos vasculares isquémicos relevantes. Entre tanto, estudios clínicos revelaron que pacientes tomando regularmente aspirina presentaban recurrencia de eventos cardiovasculares. Tal constatación llevó a un cuestionamiento: si, en algunos pacientes, la aspirina no era eficaz en bloquear la agregación plaquetaria, siendo estos pacientes llamados de no responsivos o resistentes a la aspirina. Se conceptúa resistencia clínica a la aspirina por la ocurrencia de eventos cardiovasculares en pacientes en la vigencia del tratamiento con aspirina, mientras que la resistencia de laboratorio es definida como la persistencia de la agregación plaquetaria, documentada por test de laboratorio, en pacientes tomando regularmente aspirina. Pacientes resistentes a la aspirina tuvieron, de acuerdo con tests de laboratorio, en media, 3,8 veces más eventos cardiovasculares cuando fueron comparados a los no resistentes.

Uma metanálise de estudos clínicos de pacientes com doença cardiovascular demonstrou que o uso de aspirina estava associado à redução de 22% de mortes e a eventos vasculares isquêmicos relevantes. Entretanto, estudos clínicos revelaram que pacientes tomando regularmente aspirina apresentavam recorrência de eventos cardiovasculares. Tal constatação levou a um questionamento: se, em alguns pacientes, a aspirina não era eficaz em bloquear a agregação plaquetária, sendo estes pacientes chamados de não responsivos ou resistentes à aspirina. Conceitua-se resistência clínica à aspirina pela ocorrência de eventos cardiovasculares em pacientes na vigência de tratamento com aspirina, enquanto a resistência laboratorial é definida como a persistência da agregação plaquetária, documentada por teste laboratorial, em pacientes tomando regularmente aspirina. Pacientes resistentes à aspirina tiveram, de acordo com testes laboratoriais, em média, 3,8 vezes mais eventos cardiovasculares quando comparados aos não resistentes.
Palavra-chave Aspirin
drug resistance
laboratory test
platelet aggregation
Aspirina
resistência a medicamentos
testes laboratoriais
agregação plaquetária
Idioma Português
Data de publicação 2010-09-01
Publicado em Arquivos Brasileiros de Cardiologia. Sociedade Brasileira de Cardiologia - SBC, v. 95, n. 3, p. e91-e94, 2010.
ISSN 0066-782X (Sherpa/Romeo, fator de impacto)
Publicador Sociedade Brasileira de Cardiologia - SBC
Extensão e91-e94
Fonte http://dx.doi.org/10.1590/S0066-782X2010001300024
Direito de acesso Acesso aberto Open Access
Tipo Artigo
Web of Science WOS:000282875600004
SciELO S0066-782X2010001300024 (estatísticas na SciELO)
Endereço permanente http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/5923

Exibir registro completo




Arquivo

Nome: S0066-782X2010001300024-en.pdf
Tamanho: 244.3KB
Formato: PDF
Descrição:
Abrir arquivo
Nome: S0066-782X2010001300024-es.pdf
Tamanho: 241.3KB
Formato: PDF
Descrição:
Abrir arquivo
Nome: S0066-782X2010001300024-pt.pdf
Tamanho: 260.0KB
Formato: PDF
Descrição:
Abrir arquivo

Este item está nas seguintes coleções

Buscar


Navegar

Minha conta