Epidemiology of osteoporotic fractures in Brazil: what we have and what we need

Epidemiology of osteoporotic fractures in Brazil: what we have and what we need

Título alternativo Epidemiologia de fraturas pela osteoporose no Brasil: o que temos e o que precisamos
Autor Pinheiro, Marcelo de Medeiros Autor UNIFESP Google Scholar
Eis, Sérgio Ragi Google Scholar
Instituição Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
CEDOES
Resumo The epidemiology of osteoporotic fractures varies widely among countries and is primarily related to differences in the population and utilization of public healthcare services. Since 1994, over 200 studies about osteoporosis and fractures have been conducted in Brazil, among which 60 have described the current epidemiological status. This work is a compilation of studies published in scientific journals (PubMed, MedLine, Lilacs, SciELO Database) with the respective highlights. Overall, these studies show moderate incidence of hip fracture in subjects over 50 years old. However, the prevalence of all types of bone fragility fracture is higher, ranging from 11% to 23.8%. In addition, there is a high incidence of recurrent falls, which are the main extra-skeletal factor associated with these fractures. According to the national studies, 12 months after femoral fractures, the mortality rate ranged between 21.5% and 30%, and there was also a high rate of physical impairment, deterioration of the quality of life and excessive burden to the healthcare system. Considering its high prevalence and associated mortality and physical impairment, osteoporosis and its main consequence, bone fragility fractures, must be considered a major public health problem in our country.

A epidemiologia das fraturas por osteoporose varia amplamente entre os países, principalmente em decorrência das diferenças entre as populações e da utilização de recursos públicos de saúde. Desde 1994, mais de 200 estudos sobre osteoporose e fraturas foram feitos no Brasil, dos quais 60 descreveram a situação epidemiológica atual. Esse manuscrito é a compilação de estudos publicados em revistas científicas (PubMed, MedLine, Lilacs, SciELO Database) com seus principais achados. Em geral, esses trabalhos mostram moderada incidência de fratura de quadril em indivíduos acima de 50 anos de idade. No entanto, a prevalência de todos os tipos de fratura por fragilidade óssea é elevada, variando de 11% a 23,8%. Além disso, é observada alta incidência de quedas recorrentes, um dos principais aspectos extraesqueléticos associados com essas fraturas. De acordo com os estudos nacionais, 12 meses após a fratura de fêmur, a taxa de mortalidade variou de 21,5% a 30%, com elevada taxa de incapacidade física, deterioração da qualidade de vida e grande impacto sobre o sistema de saúde. Diante da elevada prevalência, associação com mortalidade e incapacidade física, a osteoporose e sua principal consequência, a fratura por fragilidade óssea, deveriam ser consideradas um problema de saúde pública em nosso país.
Palavra-chave Epidemiology
fracture
osteoporosis
Brazil
Epidemiologia
fratura
osteoporose
Brasil
Idioma Inglês
Data de publicação 2010-03-01
Publicado em Arquivos Brasileiros de Endocrinologia & Metabologia. Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia, v. 54, n. 2, p. 164-170, 2010.
ISSN 0004-2730 (Sherpa/Romeo, fator de impacto)
Publicador Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia
Extensão 164-170
Fonte http://dx.doi.org/10.1590/S0004-27302010000200012
Direito de acesso Acesso aberto Open Access
Tipo Artigo
Web of Science WOS:000277526000012
SciELO S0004-27302010000200012 (estatísticas na SciELO)
Endereço permanente http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/5653

Exibir registro completo




Arquivo

Nome: S0004-27302010000200012.pdf
Tamanho: 1.123MB
Formato: PDF
Descrição:
Abrir arquivo

Este item está nas seguintes coleções

Buscar


Navegar

Minha conta