Transpondo limites com doadores falecidos: transplantes bem-sucedidos com rins de doador com creatinina sérica igual a 13,1 mg/dL

Transpondo limites com doadores falecidos: transplantes bem-sucedidos com rins de doador com creatinina sérica igual a 13,1 mg/dL

Título alternativo Overcoming limits with deceased donors: successful renal transplantations from a donor with serum creatinine of 13.1 mg/dL
Autor Klein, Rodrigo Autor UNIFESP Google Scholar
Galante, Nelson Zocoler Autor UNIFESP Google Scholar
Franco, Marcello Fabiano de Autor UNIFESP Google Scholar
Almeida, Maurício Costa Manso de Autor UNIFESP Google Scholar
Nogueira Júnior, Mário Autor UNIFESP Google Scholar
Tedesco-Silva, Helio Autor UNIFESP Google Scholar
Pestana, Jose Osmar Medina Autor UNIFESP Google Scholar
Instituição Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Resumo Non-expanded deceased donors with acute kidney failure can be a safe option to increase the number of kidneys for transplantation. Histological evaluation is fundamental to establish the functional prognosis of those grafts. Two kidney transplantations were performed from a young deceased donor with severe acute kidney failure and no structural change in the renal parenchyma. Both patients had postoperative delayed graft function, but one of them, who had good initial urinary volume, required no dialysis. Adequate renal function was present at day 30 after transplantation. Severe acute kidney failure in deceased donors is not an independent risk factor for short-term outcome of renal graft and should not be considered an absolute contraindication for transplantation.

Doadores falecidos não limítrofes com insuficiência renal aguda podem ser uma opção segura para aumentar a oferta de rins para transplante. A avaliação histológica é fundamental para o estabelecimento do prognóstico funcional desses enxertos. Dois transplantes renais foram realizados com rins provenientes de um doador falecido jovem com insuficiência renal aguda severa sem comprometimento estrutural do parênquima renal. Ambos os enxertos apresentaram atraso de funcionamento no período pós-operatório, embora um deles com boa diurese inicial não tenha necessitado diálise. Função renal adequada foi observada a partir do 30º dia após o transplante. A insuficiência renal aguda severa no doador falecido não é fator de risco independente para a evolução em curto prazo do enxerto renal e não deve ser considerada contra-indicação absoluta para a realização do transplante.
Palavra-chave tissue donors
acute kidney failure
kidney transplantation
case reports
doadores de tecidos
insuficiência renal aguda
transplante renal
relatos de casos
Idioma Português
Data de publicação 2010-03-01
Publicado em Jornal Brasileiro de Nefrologia. Sociedade Brasileira de Nefrologia, v. 32, n. 1, p. 133-137, 2010.
ISSN 0101-2800 (Sherpa/Romeo)
Publicador Sociedade Brasileira de Nefrologia
Extensão 133-137
Fonte http://dx.doi.org/10.1590/S0101-28002010000100021
Direito de acesso Acesso aberto Open Access
Tipo Artigo
SciELO S0101-28002010000100021 (estatísticas na SciELO)
Endereço permanente http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/5639

Exibir registro completo




Arquivo

Nome: S0101-28002010000100021.pdf
Tamanho: 758.0KB
Formato: PDF
Descrição:
Abrir arquivo

Este item está nas seguintes coleções

Buscar


Navegar

Minha conta