Espondilólise e espondilolistese em ginastas jovens

Espondilólise e espondilolistese em ginastas jovens

Título alternativo Spondylolysis and spondylolisthesis in young gymnasts
Autor Mohriak, Rafael Autor UNIFESP Google Scholar
Debieux, Pedro Autor UNIFESP Google Scholar
Trandafilov Junior, Miguel Autor UNIFESP Google Scholar
Martins, Délio Eulálio Autor UNIFESP Google Scholar
Wajchenberg, Marcelo Autor UNIFESP Google Scholar
Cohen, Moises Autor UNIFESP Google Scholar
Puertas, Eduardo Barros Autor UNIFESP Google Scholar
Instituição Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Resumo OBJECTIVE: To determine the incidence of spondylolysis and spondylolisthesis in young, female gymnasts, and to correlate these with lumbar pain, history of trauma and training load. METHOD: A total of 18 would-be Olympic gymnasts, aged 8-17, with an average age of 11.3, were voluntarily evaluated. The Gymnasts were asked to complete a questionnaire about their sports activities, and were submitted to a clinical examination and lumbar spine radiography. RESULTS: The radiographies were analyzed by experienced specialists in surgery of the vertebral column, who found a 5.56% incidence of spondylolysis and no cases of spondylolisthesis. CONCLUSION: The incidence of radiographic alterations identified remained close to those reported in the literature for non-athletic individuals, and the lumbalgia indicated by the athletes showed no direct relation with spondylolysis and spondylolisthesis.

OBJETIVO: Determinar a presença de espondilólise e espondilolistese em atletas de ginástica artística feminina e correlacionar com dor lombar, história de trauma e carga de treinamento. MÉTODO: Avaliação voluntária de 18 atletas de ginástica olímpica em nível competitivo de oito a 17 anos, com média de 11,3 anos. As ginastas responderam a um questionário em relação às suas atividades esportivas e foram submetidas a exame clínico e radiográfico da coluna lombar. RESULTADOS: A análise das radiografias foi realizada por ortopedistas especialistas em cirurgia de coluna vertebral, obtendo prevalência de 5,56% para espondilólise e não havendo casos de espondilolistese. CONCLUSÃO: A incidência das alterações radiográficas identificadas é semelhante à relatada na literatura para indivíduos não atletas e a lombalgia apontada pelas atletas não apresentou relação direta com a espondilólise ou espondilolistese.
Palavra-chave Gymnastics
Spine
Lumbalgia
Spondylolysis
Spondylolisthesis
Ginástica
Coluna vertebral
Lombalgia
Espondilólise
Espondilolistese
Idioma Português
Data de publicação 2010-01-01
Publicado em Revista Brasileira de Ortopedia. Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia, v. 45, n. 1, p. 79-83, 2010.
ISSN 0102-3616 (Sherpa/Romeo)
Publicador Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia
Extensão 79-83
Fonte http://dx.doi.org/10.1590/S0102-36162010000100014
Direito de acesso Acesso aberto Open Access
Tipo Artigo
SciELO S0102-36162010000100014 (estatísticas na SciELO)
Endereço permanente http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/5520

Exibir registro completo




Arquivo

Nome: S0102-36162010000100014.pdf
Tamanho: 192.0KB
Formato: PDF
Descrição:
Abrir arquivo

Este item está nas seguintes coleções

Buscar


Navegar

Minha conta