Terapia de reposição enzimática para as mucopolissacaridoses I, II e VI: recomendações de um grupo de especialistas brasileiros

Terapia de reposição enzimática para as mucopolissacaridoses I, II e VI: recomendações de um grupo de especialistas brasileiros

Título alternativo Enzyme replacement therapy for mucopolysaccharidoses I, II and VI: recommendations from a group of Brazilian F experts
Autor Giugliani, Roberto Google Scholar
Federhen, Andressa Google Scholar
Munoz Rojas, Maria Verônica Google Scholar
Vieira, Taiane Alves Google Scholar
Artigalás, Osvaldo Google Scholar
Pinto, Louise Lapagesse Carmargo Google Scholar
Azevedo, Ana Cecília Google Scholar
Acosta, Angelina Xavier Google Scholar
Bomfim, Carmem Google Scholar
Lourenço, Charles Marques Google Scholar
Kim, Chong Ae Google Scholar
Horovitz, Dafne Google Scholar
Souza, Denize Bomfim Google Scholar
Norato, Denise Google Scholar
Marinho, Diane Google Scholar
Palhares, Durval Google Scholar
Santos, Emerson Santana Google Scholar
Ribeiro, Erlane Google Scholar
Valadares, Eugênia Ribeiro Google Scholar
Guarany, Fábio Google Scholar
De Lucca, Gisele Rosone Google Scholar
Pimentel, Helena Google Scholar
Souza, Isabel Neves de Google Scholar
Corrêa Neto, Jordão Autor UNIFESP Google Scholar
Fraga, José Carlos Google Scholar
Góes, José Eduardo Google Scholar
Cabral, José Maria Google Scholar
Simeonato, José Google Scholar
Llerena Junior, Juan Clinton Google Scholar
Jardim, Laura Bannach Google Scholar
Giuliani, Liane De Rosso Google Scholar
Silva, Luiz Carlos Santana da Google Scholar
Santos, Mara Google Scholar
Moreira, Maria Ângela Google Scholar
Kerstenetzky, Marcelo Google Scholar
Ribeiro, Márcia Google Scholar
Ruas, Nicole Google Scholar
Barrios, Patricia Google Scholar
Aranda, Paulo Google Scholar
Honjo, Rachel Google Scholar
Boy, Raquel Google Scholar
Costa, Ronaldo Google Scholar
Souza, Carolina Fishinger Moura de Google Scholar
Alcântara, Flavio F Google Scholar
Avilla, Sylvio Gilberto A Google Scholar
Fagondes, Simone Google Scholar
Martins, Ana Maria Autor UNIFESP Google Scholar
Instituição Universidade Federal do Rio Grande do Sul Departamento de Genética
Instituto Nacional de Genética Médica Populacional Centro Colaborador da OMS para o Desenvolvimento de Serviços de Genética Médica na América Latina e Coordenador
Hospital das Clínicas de Porto Alegre Grupo de Pesquisa Clínica em Genética Médica
Universidade Federal do Rio Grande do Sul Programa de Pós-Graduação em Saúde da Criança e do Adolescente
Grupo Hospitalar Conceição
Prefeitura Municipal de Gravataí
Universidade Federal da Bahia Departamento de Pediatria
Universidade Federal do Paraná Hospital de Clínicas Serviço de Transplante de Medula Óssea
Universidade de São Paulo (USP)
FIOCRUZ Instituto Fernandes Figueira Centro de Genética Médica
Hospital Universitário
PUC Faculdade de Medicina
Hospital de Clínicas de Porto Alegre Serviço de Oftalmologia
Universidade Federal do Mato Grosso do Sul Departamento de Pediatria
Universidade Estadual de Ciências da Saúde de Alagoas
Faculdade de Medicina de Juazeiro do Norte
Universidade Federal de Minas Gerais Departamento de Pediatria
Hospital de Clínicas de Porto Alegre Serviço de Fisiatria
Hospital Infantil Joana de Gusmão
APAE
Universidade Federal do Pará
Hospital do Servidor Público Estadual
Universidade Federal do Rio Grande do Sul Departamento de Cirurgia
Universidade Federal do Amazonas Departamento de Cirurgia
Hospital Infantil
Universidade Federal do Rio Grande do Sul Departamento de Medicina Interna
Universidade Federal do Pará Instituto de Ciências Biológicas
Hospital Infantil Pequeno Príncipe
Hospital de Clínicas de Porto Alegre Serviço de Pneumologia
Hospital da Restauração
Universidade Federal do Rio de Janeiro Departamento de Pediatria
Hospital de Clínicas de Porto Alegre
Hospital de Clínicas de Porto Alegre Serviço de Cardiologia
Hospital Evangélico
Universidade Estadual do Rio de Janeiro
Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Resumo Mucopolysaccharidoses (MPS) are rare genetic diseases caused by deficiency of specific lysosomal enzymes that affect catabolism of glycosaminoglycans (GAG). Accumulation of GAG in various organs and tissues in MPS patients results in a series of signs and symptoms, producing a multisystemic condition affecting bones and joints, the respiratory and cardiovascular systems and many other organs and tissues, including in some cases, cognitive performance. So far, eleven enzyme defects that cause seven different types of MPS have been identified. Before introduction of therapies to restore deficient enzyme activity, treatment of MPS focused primnarily on prevention and care of complications, still a very important aspect in the management of these patients. In the 80's treatment of MPS with bone marrow transplantation/hematopoietic stem cells transplantation (BMT/HSCT) was proposed and in the 90's, enzyme replacement therapy (ERT),began to be developed and was approved for clinical use in MPS I, II and VI in the first decade of the 21st century. The authors of this paper are convinced that a better future for patients affected by mucopolysaccharidoses depends upon identifying, understanding and appropriately managing the multisystemic manifestations of these diseases. This includes the provision of support measures (which should be part of regular multidisciplinary care of these patients) and of specific therapies. Although inhibition of synthesis of GAG and the recovery of enzyme activity with small molecules also may play a role in the management of MPS, the breakthrough is the currently available intravenous ERT. ERT radically changed the setting for treatment of mucopolysaccharidosis I, II and VI in the last decade., Benefits can even be extended soon to MPS IV A (ERT for this condition is already in clinical development), with prediction for treatment of MPS III A and the cognitive deficit in MPS II by administration of the enzyme directly into the central nervous system (CNS). A large number of Brazilian services, from all regions of the country, already have experience with ERT for MPS I, II and VI. This experience was gained not only by treating patients but also with the participation of some groups in clinical trials involving ERT for these conditions. Summing up the three types of MPS, more than 250 patients have already been treated with ERT in Brazil. The experience of professionals coupled to the data available in international literature, allowed us to elaborate this document, produced with the goal of bringing together and harmonize the information available for the treatment of these severe and progressive diseases, which, fortunately, are now treatable, a situation which bring new perspectives for Brazilian patients, affected by these conditions.

As mucopolissacaridoses (MPS) são doenças genéticas raras causadas pela deficiência de enzimas lisossômicas específicas que afetam o catabolismo de glicosaminoglicanos (GAG). O acúmulo de GAG em vários órgãos e tecidos nos pacientes afetados pelas MPS resulta em uma série de sinais e sintomas, integrantes de um quadro clínico multissistêmico que compromete ossos e articulações, vias respiratórias, sistema cardiovascular e muitos outros órgãos e tecidos, incluindo, em alguns casos, as funções cognitivas. Já foram identificados 11 defeitos enzimáticos que causam sete tipos diferentes de MPS. Antes do advento de terapias dirigidas para a restauração da atividade da enzima deficiente, o tratamento das MPS tinha como principal foco a prevenção e o cuidado das complicações, aspecto ainda bastante importante no manejo desses pacientes. Na década de 80 foi proposto o tratamento das MPS com transplante de medula óssea/transplante de células tronco hematopoiéticas (TMO/TCTH) e na década de 90 começou o desenvolvimento da Terapia de Reposição Enzimática (TRE), que se tornou uma realidade aprovada para uso clínico nas MPS I, II e VI na primeira década do século 21. Os autores deste trabalho têm a convicção de que um melhor futuro para os pacientes afetados pelas MPS depende da identificação, compreensão e manejo adequado das manifestações multissistêmicas dessas doenças, incluindo medidas de suporte (que devem fazer parte da assistência multidisciplinar regular destes pacientes) e terapias específicas. Embora a inibição da síntese de GAG e o resgate da atividade enzimática com moléculas pequenas também possam vir a ter um papel no manejo das MPS, o grande avanço disponível no momento é a TRE intravenosa. A TRE permitiu modificar radicalmente o panorama do tratamento das mucopolissacaridoses I, II e VI na última década, sendo que ainda pode estender seus benefícios em breve para a MPS IV A (cuja TRE já está em desenvolvimento clínico), com perspectivas para o tratamento da MPS III A e do déficit cognitivo na MPS II através de administração da enzima diretamente no sistema nervoso central (SNC). Um grande número de centros brasileiros, incluindo serviços de todas as regiões do país, já têm experiência com TRE para MPS I, II e VI. Essa experiência foi adquirida não só com o tratamento de pacientes como também com a participação de alguns grupos em ensaios clínicos envolvendo TRE para essas condições. Somados os três tipos de MPS, mais de 250 pacientes já foram tratados com TRE em nosso país. A experiência dos profissionais brasileiros, somada aos dados disponíveis na literatura internacional, permitiu elaborar este documento, produzido com o objetivo de reunir e harmonizar as informações disponíveis sobre o tratamento destas doenças graves e progressivas, mas que, felizmente, são hoje tratáveis, uma realidade que traz novas perspectivas para os pacientes brasileiros afetados por essas condições.
Palavra-chave Mucopolysaccharidosis I
Mucopolysaccharidosis II
Mucopolysaccharidosis VI
Glycosaminoglycans V
Enzyme replacement therapy
Mucopolissacaridoses
Mucopolissacaridose I
Mucopolissacaridose II
Mucopolissacaridose VI
Glicosaminoglicanos
Terapia de reposição enzimática
Idioma Português
Data de publicação 2010-01-01
Publicado em Revista da Associação Médica Brasileira. Associação Médica Brasileira, v. 56, n. 3, p. 271-277, 2010.
ISSN 0104-4230 (Sherpa/Romeo, fator de impacto)
Publicador Associação Médica Brasileira
Extensão 271-277
Fonte http://dx.doi.org/10.1590/S0104-42302010000300009
Direito de acesso Acesso aberto Open Access
Tipo Artigo
Web of Science WOS:000279678100008
SciELO S0104-42302010000300009 (estatísticas na SciELO)
Endereço permanente http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/5499

Exibir registro completo




Arquivo

Nome: S0104-42302010000300009.pdf
Tamanho: 223.4KB
Formato: PDF
Descrição:
Abrir arquivo

Este item está nas seguintes coleções

Buscar


Navegar

Minha conta