Mutação G20210A no gene da protrombina, fator V de Leiden e anticorpos anticardiolipina não influenciam a sobrevida do enxerto renal após o transplante

Mutação G20210A no gene da protrombina, fator V de Leiden e anticorpos anticardiolipina não influenciam a sobrevida do enxerto renal após o transplante

Título alternativo Prothrombin G20210A gene mutation, factor V Leiden and anticardiolipin antibodies do not influence renal graft survival after transplantation
Autor Rocha, Luis Klaus A. da Autor UNIFESP Google Scholar
Galante, Nelson Zocoler Autor UNIFESP Google Scholar
Alvarez, Vivian Angélica Castilho Google Scholar
Areco, Kelsy C. N. Autor UNIFESP Google Scholar
Noguti, Maria Aparecida Eiko Autor UNIFESP Google Scholar
Amaral, Rogério Q. Autor UNIFESP Google Scholar
Andrade, Luiz Eduardo Coelho Autor UNIFESP Google Scholar
Peres, Clovis de Araujo Autor UNIFESP Google Scholar
Pestana, Jose Osmar Medina Autor UNIFESP Google Scholar
Lourenco, Dayse Maria Autor UNIFESP Google Scholar
Instituição Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Universidad de Antofagasta Departamento de Tecnologia Medica
Resumo INTRODUCTION: Thromboembolic complications are important risk factors for graft failure and worse renal transplantation outcome. Patients with thrombophilic disorders have a higher risk of thromboembolic complications. The prevalence of thrombophilic disorders and the associated risk for graft failure and for intravascular thrombosis were analyzed in renal transplant recipients. METHODS: This is a cohort study of 388 adult recipients investigated regarding the presence of thrombophilia, through the search for anticardiolipin antibodies (aCL) via ELISA and FV G1691A and PT G20210A gene mutations by multiplex PCR. RESULTS: Thrombophilic disorders were identified in 25.8% of the patients. The 2-year graft survival was similar among patients with and without thrombophilic disorder (94% versus 94%, p = 0.53), and so was the survival free of intravascular thrombosis (97% versus 97%, p = 0.83). The prevalence of intravascular thrombosis was similar in both groups (3% versus 3.5%, p = 0.82). Patients with previous kidney transplantation had a higher risk of graft failure (OR 20.8, p < 0.001) and of intravascular thrombosis (OR 6.8, p = 0.008). CONCLUSIONS: The prevalences of FV G1691A and PT G20210A gene mutations in this cohort of patients were similar to those of the general non-transplanted population. The prevalence of aCL antibodies was higher in this cohort than that observed in healthy individuals. The thrombophilic markers studied did not predict the medium-term survival of renal transplant.

INTRODUÇÃO: Complicações tromboembólicas são importantes fatores de risco para perda do enxerto e pior evolução após o transplante renal. Pacientes com defeito trombofílico apresentam maior risco de complicações tromboembólicas. Foram analisados, entre receptores de transplante renal, a prevalência de defeito trombofílico e o risco atribuído a esta condição para a perda do enxerto e para o desenvolvimento de tromboses intravasculares. MÉTODOS: Estudo do tipo coorte incluindo 388 receptores adultos analisados quanto à presença de trombofilia de acordo com a pesquisa de anticorpos anticardiolipina (aCL) por ELISA e das mutações G1691A no gene do fator V (FV) e G20210A no gene da protrombina (PT) por PCR multiplex. RESULTADOS: Defeito trombofílico foi identificado em 25,8% dos pacientes. As taxas de sobrevida de 2 anos do enxerto foram semelhantes entre os pacientes com e sem defeito trombofílico (94% versus 94%, p = 0,53), bem como a sobrevida dos enxertos livres de tromboses intravasculares (97% versus 97%, p = 0,83). Pacientes com defeito trombofílico apresentaram prevalência de tromboses intravasculares semelhante à do grupo-controle (3% versus 3,5%, p = 0,82). O transplante renal anterior foi associado a maior risco de perda de enxerto (OR 20,8, p < 0,001) e de ocorrência de tromboses intravasculares (OR 6,8, p = 0,008). CONCLUSÕES: As prevalências das mutações FV G1691A e PT G20210A na população estudada foram semelhantes às da população geral não transplantada, e a prevalência de anticorpos aCL superou a observada entre os indivíduos sadios. Não houve associação entre os marcadores de trombofilia estudados e a sobrevida em médio prazo do transplante renal.
Palavra-chave thrombophilia
anticardiolipin antibodies
factor V Leiden mutation
prothrombin G20210A mutation
renal transplantation
graft rejection
survival analysis
logistic models
trombofilia
anticorpos anticardiolipina
fator V de Leiden
mutação G20210A no gene da protrombina
transplante renal
rejeição de enxerto
análise de sobrevida
modelos logísticos
Idioma Português
Data de publicação 2009-12-01
Publicado em Jornal Brasileiro de Nefrologia. Sociedade Brasileira de Nefrologia, v. 31, n. 4, p. 277-285, 2009.
ISSN 0101-2800 (Sherpa/Romeo)
Publicador Sociedade Brasileira de Nefrologia
Extensão 277-285
Fonte http://dx.doi.org/10.1590/S0101-28002009000400006
Direito de acesso Acesso aberto Open Access
Tipo Artigo
SciELO S0101-28002009000400006 (estatísticas na SciELO)
Endereço permanente http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/5415

Exibir registro completo




Arquivo

Nome: S0101-28002009000400006.pdf
Tamanho: 226.4KB
Formato: PDF
Descrição:
Abrir arquivo

Este item está nas seguintes coleções

Buscar


Navegar

Minha conta