Lipodistrofia em crianças e adolescentes com síndrome da imunodeficiência adquirida e sua relação com a terapia antirretroviral empregada

Lipodistrofia em crianças e adolescentes com síndrome da imunodeficiência adquirida e sua relação com a terapia antirretroviral empregada

Título alternativo Lipodystrophy in children and adolescents with acquired immunodeficiency syndrome and its relationship with the antiretroviral therapy employed
Autor Sarni, Roseli Oselka Saccardo Autor UNIFESP Google Scholar
Souza, Fabíola Isabel Suano de Autor UNIFESP Google Scholar
Battistini, Tânia Regina Beraldo Google Scholar
Pitta, Tassiana Sacchi Google Scholar
Fernandes, Ana Paula Google Scholar
Tardini, Priscila Chemiotti Google Scholar
Fonseca, Fernando Luiz Affonso Autor UNIFESP Google Scholar
Santos, Valter Pinho dos Autor UNIFESP Google Scholar
Lopez, Fábio Ancona Autor UNIFESP Google Scholar
Instituição Faculdade de Medicina do ABC Departamento de Pediatria Serviço de Nutrologia
Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
FMABC Departamento de Pediatria Serviço de Nutrologia
FMABC Serviço de Nutrologia, Departamento de Pediatria
FMABC
Universidade de São Paulo (USP)
FMABC Departamento de Pediatria
Resumo OBJECTIVE: To evaluate the presence of clinical lipodystrophy in children with the acquired immunodeficiency syndrome and to relate it to the antiretroviral regimen employed, to changes in lipid profile and to insulin resistance. METHODS: This was a cross-sectional study that evaluated 30 children and adolescents (median age = 9.1 years) with the acquired immunodeficiency syndrome during 2004 and 2005. The following clinical and laboratory evaluations were performed: classification of HIV infection, anthropometric measurements (weight and height), serum glycemia, serum insulin and lipid profile (LDL-c, HDL-c, triglycerides). Lipodystrophy was diagnosed using clinical parameters. The chi-square test was used for statistical analysis. RESULTS: All of the patients were taking antiretroviral therapy regularly (median duration of 28.4 months); 80% were on three drugs in combination (highly active therapy) and 30% were on protease inhibitors. Lipodystrophy and dyslipidemia were observed in 53.3 and 60% of the patients, respectively. Children on a highly active therapy regimen with protease inhibitors exhibited a higher percentage of mixed lipodystrophy; the difference between these children and the group on highly active therapy without protease inhibitors and the group not on a highly active therapy was statistically significant (44.4 vs. 16.7%; p = 0.004). There was no statistically significant association between the presence of lipodystrophy and sex, age (> 10 years), changes to the lipid profile or insulin resistance. CONCLUSIONS: The elevated prevalence of dyslipidemia and lipodystrophy observed among children with acquired immunodeficiency syndrome, which exhibited a relationship with the antiretroviral regimen employed, may represent an increased risk for future complications, in particular cardiovascular problems.

OBJETIVO: Avaliar a presença de lipodistrofia clínica em crianças com síndrome da imunodeficiência adquirida e relacioná-la com o esquema antirretroviral utilizado, alterações do perfil lipídico e resistência insulínica. MÉTODOS: Por meio de estudo transversal, foram avaliadas 30 crianças e adolescentes (mediana de idade = 9,1 anos) com síndrome da imunodeficiência adquirida, no período entre 2004 e 2005. As avaliações clínico-laboratoriais incluíram: classificação da infecção pelo HIV, medidas antropométricas (peso e estatura), glicemia e insulina séricas e perfil lipídico (LDL-c, HDL-c, triglicérides). A lipodistrofia foi definida por parâmetros clínicos. O teste do qui-quadrado foi utilizado na análise estatística. RESULTADOS: Todos os pacientes recebiam terapia antirretroviral regularmente (mediana de tempo de uso = 28,4 meses), 80% utilizavam três drogas em associação (terapia fortemente ativa) e 30% usavam inibidores de protease. Lipodistrofia e dislipidemia foram observadas em 53,3 e 60% dos pacientes, respectivamente. Crianças que utilizavam terapia fortemente ativa com inibidor de protease apresentaram maior percentual de lipodistrofia mista, com diferença estatisticamente significante em relação ao grupo com terapia fortemente ativa sem inibidor de protease e ao grupo sem terapia fortemente ativa (44,4 versus 16,7%; p = 0,004). Não se observou diferença estatisticamente significante entre presença de lipodistrofia e gênero, idade (> 10 anos), alterações do perfil lipídico e resistência insulínica. CONCLUSÕES: A elevada prevalência de dislipidemia e lipodistrofia verificada nas crianças com síndrome da imunodeficiência adquirida, mostrando relação com o esquema antirretroviral empregado, pode significar um risco elevado para o desenvolvimento futuro de complicações, especialmente as cardiovasculares.
Palavra-chave Acquired immunodeficiency syndrome
lipodystrophy
dyslipidemias
pediatrics
antiretroviral agents
Síndrome da imunodeficiência adquirida
lipodistrofia
dislipidemias
pediatria
agentes antirretrovirais
Idioma Português
Data de publicação 2009-08-01
Publicado em Jornal de Pediatria. Sociedade Brasileira de Pediatria, v. 85, n. 4, p. 329-334, 2009.
ISSN 0021-7557 (Sherpa/Romeo, fator de impacto)
Publicador Sociedade Brasileira de Pediatria
Extensão 329-334
Fonte http://dx.doi.org/10.2223/JPED.1910
Direito de acesso Acesso aberto Open Access
Tipo Artigo
Web of Science WOS:000269725200010
SciELO S0021-75572009000400010 (estatísticas na SciELO)
Endereço permanente http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/5183

Exibir registro completo




Arquivo

Nome: S0021-75572009000400010.pdf
Tamanho: 221.2KB
Formato: PDF
Descrição:
Abrir arquivo

Este item está nas seguintes coleções

Buscar


Navegar

Minha conta