Lactobacilos e bifidobactérias nas fezes de crianças escolares de dois estratos socioeconômicos: moradores em uma favela e alunos de uma escola particular

Lactobacilos e bifidobactérias nas fezes de crianças escolares de dois estratos socioeconômicos: moradores em uma favela e alunos de uma escola particular

Título alternativo Lactobacilli and bifidobacteria in the feces of schoolchildren of two different socioeconomic groups: children from a favela and children from a private school
Autor Mello, Ricardo Martin Pereira de Autor UNIFESP Google Scholar
Morais, Mauro Batista de Autor UNIFESP Google Scholar
Tahan, Soraia Autor UNIFESP Google Scholar
Melli, Lígia C. F. L. Google Scholar
Rodrigues, Mirian S. do Carmo Google Scholar
Mello, Carolina S. Google Scholar
Scaletsky, Isabel Cristina Affonso Autor UNIFESP Google Scholar
Instituição Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Centro Universitário Fundação e Instituto de Educação de Osasco Departamento de Ciências da Saúde Instituto de Pesquisa Unolab
UNIFIEO Departamento de Ciências da Saúde Instituto de Pesquisa Unolab
UNIFIEO Departamento de Pediatria
Resumo OBJECTIVE: To determine the number of lactobacillus and bifidobacterium colonies in the feces of schoolchildren from two different socioeconomic levels. METHODS: We analyzed fecal samples of children aged 6 to 10 years without gastrointestinal symptoms or recent use of antimicrobials. The first group included 86 children living in a favela in the city of Osasco, state of São Paulo, southeastern Brazil. The second group included 36 children attending a private school in the same city. Body mass index (BMI) was used to assess nutritional status according to the reference values of the National Center for Health Statistics (NCHS). Specific anaerobic culture media were used for isolation of colonies for 48 and 72 hours at 37 °C. The number of colonies was determined using the plate-counting method. RESULTS: The mean lactobacillus (1.125 x 10(9) colony-forming units, CFU/g) and bifidobacterium (1.675 x 10(9) CFU/g) counts in the private school group were higher (p < 0.001) than those in the favela group: 0.250 x 10(9) and 0.350 x 10(9) CFU/g, respectively. In the favela group, children with BMI z score < -1.0 standard deviation (SD) (n = 28) showed lower mean (p < 0.05) lactobacillus (0.100 x 10(9) CFU/g) and bifidobacterium (0.095 x 10(9) CFU/g) counts than the children with BMI > -1.0 SD (n = 57): 0.350 x 10(9) and 0.420 x 10(9) CFU/g, respectively. CONCLUSION: The microbiota of schoolchildren living in unfavorable environmental conditions shows lower numbers of fecal lactobacillus and bifidobacterium colonies, especially in children with lower BMI values.

OBJETIVO: Determinar o número de colônias de lactobacilos e bifidobactérias nas fezes de crianças escolares, pertencentes a dois estratos socioeconômicos. MÉTODOS: Foram analisadas amostras de fezes de crianças com idade entre 6 e 10 anos sem sintomas gastrointestinais ou uso recente de antimicrobianos. O primeiro grupo foi constituído por 86 crianças, moradoras em uma favela localizada no município de Osasco (SP). O segundo grupo foi constituído por 36 crianças matriculadas em uma escola particular da mesma cidade. O estado nutricional foi avaliado usando o índice de massa corporal (IMC) de acordo com os valores de referência do National Center for Health Statistics (NCHS). O isolamento das colônias foi realizado em meios de cultura específicos em anaerobiose, durante 48 e 72 horas a 37 °C. A determinação do número foi feita pelo método da contagem em placa. RESULTADOS: A mediana de lactobacilos (1,125 x 10(9) unidades formadoras de colônia, UFC/g) e bifidobactérias (1,675 x 10(9) UFC/g) na escola particular foi superior (p < 0,001) ao do grupo da favela: 0,250 x 10(9) e 0,350 x 10(9) UFC/g, respectivamente. No grupo da favela, crianças com escore z de IMC < -1,0 desvio padrão (n = 28) apresentaram menor mediana (p < 0,05) de lactobacilos (0,100 x 10(9) UFC/g) e bifidobactérias (0,095 x 10(9) UFC/g) em relação às crianças com IMC > -1,0 desvio padrão (n = 57): 0,350 x 10(9) e 0,420 x 10(9) UFC/g, respectivamente. CONCLUSÃO: A microbiota de crianças escolares que moram em condições ambientais desfavoráveis apresenta menor número de colônias de lactobacilos e bifidobactérias nas fezes, especialmente naquelas com menores valores do IMC.
Palavra-chave Lactobacillus
bifidobacterium
socioeconomic factors
nutritional status
environmental exposure
enteropathies
Lactobacillus
bifidobacterium
fatores socioeconômicos
estado nutricional
exposição ambiental
enteropatias
Idioma Português
Data de publicação 2009-08-01
Publicado em Jornal de Pediatria. Sociedade Brasileira de Pediatria, v. 85, n. 4, p. 307-314, 2009.
ISSN 0021-7557 (Sherpa/Romeo, fator de impacto)
Publicador Sociedade Brasileira de Pediatria
Extensão 307-314
Fonte http://dx.doi.org/10.1590/S0021-75572009000400007
Direito de acesso Acesso aberto Open Access
Tipo Artigo
Web of Science WOS:000269725200007
SciELO S0021-75572009000400007 (estatísticas na SciELO)
Endereço permanente http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/5172

Exibir registro completo




Arquivo

Nome: S0021-75572009000400007.pdf
Tamanho: 243.0KB
Formato: PDF
Descrição:
Abrir arquivo

Este item está nas seguintes coleções

Buscar


Navegar

Minha conta