Influência da motivação na exaustão voluntária máxima

Influência da motivação na exaustão voluntária máxima

Author Dassouki, Eric Blasques Autor UNIFESP Google Scholar
Advisor Antunes, Hanna Karen Moreira Autor UNIFESP Google Scholar
Institution Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Abstract Introdução: Diversos estudos mostram que o mecanismo pelo qual a motivação pode influenciar o rendimento do atleta é discutível, no entanto, parece estar relacionada com aumento do nível de alerta, decréscimo da fadiga, aumento da sincronização e coordenação motora (KARAGEORGHIS et al., 1997). Objetivo: Investigar a influência da motivação na exaustão voluntária máxima de jovens. . Métodos: Participaram deste estudo 05 voluntários jovens, sadios do gênero masculino com idades entre 18 a 35 anos, com média (±desvio-padrão) da idade, estatura, massa corporal, índice de massa corpórea (IMC) e VO2 pico de: 25,40 ± 4,88 anos; 1,76 ± 0,03 cm; 90,74 ± 19,87 kg; 29,40 ± 6,29 kg/m2; e 35,83 ± 8,76 ml.kg.min-1, respectivamente.Os voluntários foram submetidos a dois (2) protocolos idênticos de carga progressiva até a exaustão voluntária máxima. Em cada um deles, determinamos o consumo pico de oxigênio e dos limiares ventilatórios, bem como demais variáveis relacionados a essa avaliação. Para cada tentativa, demos um diferente tipo de estímulo durante o teste, a saber: 1) Silêncio- o voluntário foi apenas informado de que ao longo do protocolo haveria aumentos de carga, mas em nenhum momento foi dado outro tipo de informação, inclusive não foi permitido que o avaliado tivesse acesso a qualquer resultado. Durante esse protocolo, o voluntário apenas era questionado sobre seu estado físico e nenhum estimulo verbal foi dado; 2) Incentivo verbal- os voluntários obtiveram incentivos verbais durante todo o período do protocolo. Os testes foram conduzidos em um cicloergômetro de membro inferior (Lode, Excalibur Sport 925900), e em todos os protocolos, foi realizado uma análise dos gases ventilatórios que foi realizado pelo método de mensuração das trocas gasosas respiratórias com um sistema metabólico (Quark PFT4 Cosmed, Italy). Em cada protocolo, os voluntários responderam a três instrumentos que avaliam o humor, essa avaliação foi realizada em diferentes momentos: antes, imediatamente após, 5’, 30’, 60’ após o término dos protocolos. Os instrumentos utilizados foram: 1) Escala de Humor de Brunel (BRUMS)- Desenvolvida para medir o estado de humor; 2) IDATE – Questionário de auto-avaliação que avalia a ansiedade; 3) VISUAL ANALOGUES OF MOOD SCALES (VAMS): Avalia as alterações de humor. O estudo foi aprovado pelo Comitê de ética da UNIFESP (#1629/08). As análises estatísticas foram realizadas com auxílio programa Statistica, versão 7.0. Os dados foram comparados em relação ao tempo utilizando análise de variância ANOVA para medidas repetidas com post-hoc Tukey Test; para comparar os protocolos foi utilizado o Teste T para amostras independentes, o nível de significância adotado em todas as análises foi de p≤0,05. Resultados e discussão: Na comparação dos protocolos, não encontramos diferenças significativas em relação ao comportamento das variáveis respiratórias, e nem no comportamento da freqüência cardíaca. Toda via resultados observados nos testes psicobiológicos, onde para o grupo que recebeu incentivo verbal, observamos um aumento do estado de ansiedade estado, com aumento do estado de fadiga, mas curiosamente com uma redução da ansiedade cognitiva. Já para o grupo em silêncio, observamos apenas aumento no estado de fadiga. Conclusão: A partir de nossos achados, podemos concluir que a motivação é um elemento de suma importância para a realização do exercício físico. Embora não tenhamos encontrado diferenças estatísticas no que diz respeito às variáveis fisiológicas, verificamos o aumento de variáveis importantes como a fadiga e diminuindo a ansiedade, variáveis importantes para o aumento do rendimento, o que sugere um maior esforço.

Introduction: Several studies show that motivation can influence the performance of the athletes and the mechanisms is related with increase of the level of alert, decrease of the fatigue and ameliorate of motor coordination (KARAGEORGHIS et Al., 1997). Objective: Investigate the influence of the motivation in the voluntary exhaustion maxim of young. Five young male healthy volunteers participated in this study with ages between 18 to 35 years, with medium (±standard-deviation) of the age, Height, weight, Body Mass Index (BMI) and VO2 peak of: 25.40 ± 4.88 years; 1.76 ± 0.03 cm; 90.74 ± 19.87 kg; 29.40 ± 6.29 kg/m2; and 35.83 ± 8.76 ml.kg.min-1, respectively. The volunteers were submitted to two (2) identical protocols of progressive exercise up to maximum voluntary exhaustion. In each one of them, we determine the consume peak of oxygen and the ventilator thresholds. For each protocol, we gave a different kind of stimulus during the test, to knowledge: 1) Silence- the volunteer was informed that during the protocol the load will be increase, but others information was not permitted. During that protocol the room was quiet and no stimulate verbal was act; 2) verbal Incentive- During the protocol a verbal incentives was make during all the period of the test. The tests was conducted in a cicloergometer (Lode, Excalibur Sport 925900), and in all of the protocols, was carried out an analysis of the ventilator gases (Quark PFT4 Cosmed, Italy). In each protocol, the volunteers answered three instruments that evaluate the humor, that evaluation was carried out in different moments: before, immediately after, 30', 60' after the term of the protocols. The instruments utilized were: 1) Scale of Humor of Brunel (BRUMS)- Developed for measure the state of humor; 2) IDATE – Questionnaire to evaluate the anxiety; 3) VISUAL ANALOGUES OF MOOD SCALES (VAMS): to evaluates alterations of humor. The study was approved by the Committee of ethics of the UNIFESP (#1629/08). The statistical analyses were carried out with Statistica version 7,0. Was ANOVA for repeated measures with post-hoc Tukey Test; for compare the protocols was utilized the Test T for independent samples, the level of significance was α=5%. Results and argument: In the comparison of the protocols, we not observed significant differences regarding the behavior of the respiratory variables, and neither in the behavior of the cardiac frequency between groups. We observed for the group that received verbal incentive, an increase of the state of anxiety been, with increase of the state of fatigue, but curiously with a reduction of the anxiety cognitive. Already for the group in silence, we observe an increase in the state of fatigue. These results can be related to the most greatest effort carried out by the group that received verbal incentive. Conclusion: We conclude that the motivation is an importance sum element for the achievement of the physical exercise. Although not I to have found statistical differences, we observed the increase of important variables as the fatigue and diminishing the anxiety, important variables for the increase of the performance
Keywords Motivação
Provas de Rendimento
Exercício
Motivation
Performance Tests
Exercise
xmlui.dri2xhtml.METS-1.0.item-coverage ISS
Language Portuguese
Date 2009-12-15
Published in DASSOUKI, Eric Blasques. Influência da motivação na exaustão voluntária máxima. 2009. 34 f.Trabalho de conclusão de curso de graduação (Educação Física) - Instituto de Saúde e Sociedade (ISS), Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP), Santos, 2009.
Knowledge area Promoção da saúde
Publisher Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Extent 34 f.
Access rights Open access Open Access
Type Trabalho de conclusão de curso de graduação
URI http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/51575

Show full item record




File

Name: Eric Dassouki.pdf
Size: 159.0Kb
Format: PDF
Description: TCC completo
Open file

This item appears in the following Collection(s)

Search


Browse

Statistics

My Account