Disfagia Após Ressecção De Tumor De Fossa Posterior Em Pacientes Pediátricos: Queixa, Incidência, Caracterização E Fatores De Risco

Disfagia Após Ressecção De Tumor De Fossa Posterior Em Pacientes Pediátricos: Queixa, Incidência, Caracterização E Fatores De Risco

Author Correa, Claudia Carolina Da Silva Autor UNIFESP Google Scholar
Advisor Goncalves, Maria Ines Rebelo Autor UNIFESP Google Scholar
Institution Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Graduate program Distúrbios Da Comunicação Humana (Fonoaudiologia)
Abstract Objetivos: Verificar as incidências de queixa de deglutição e de disfagia, caracterizar o grau de gravidade da disfagia e identificar fatores de risco para a disfagia em casos de ressecção de tumor fossa posterior na população pediátrica. Métodos: Foram analisados prontuários médicos e fonoaudiológicos de pacientes pediátricos submetidos à ressecção de tumor de fossa posterior no Instituto de Oncologia Pediátrica – Grupo de Apoio ao Adolescente e à Criança com Câncer (IOP-GRAACC/Unifesp). Os pacientes foram classificados quanto à presença ou ausência de queixa de deglutição referida no pós-operatório. Em seguida, independente da presença ou ausência de queixa, foram classificados como deglutição normal ou disfágicos; foram considerados disfágicos quando, no registro médico e/ou fonoaudiológico, houve presença de disfagia com avaliação clínica e/ou objetiva da deglutição. O grau de gravidade da disfagia foi estabelecido pela escala DOSS e foram levantados dados do pós-operatório para associar a disfagia com possíveis fatores de risco. Resultados: 120 ressecções de tumor de fossa posterior foram levantadas em 100 prontuários de pacientes. A amostra foi caracterizada por indivíduos do sexo feminino (36%) e do sexo masculino (64%), com idade entre 8 meses e 16 anos e 8 meses, média de 7 anos. A maioria das queixas relacionadas à deglutição foram apresentadas por pacientes com disfagia, mas indivíduos com deglutição normal também a referiram; houve necessidade de via alternativa de alimentação em 34,2% dos pós-operatórios, sendo que destes 77,1% apresentavam distúrbio de deglutição. Dos pacientes disfágicos, mais da metade evoluiu com disfagia de grau grave. Dentre os fatores de risco estudados verificamos que os indivíduos com distúrbio de deglutição apresentaram: mediana de idade menor, média de tempo de intubação orotraqueal de 3,94 dias, necessidade de suporte ventilatório após desintubação e, evoluíram com acometimento de pares cranianos associados ou isolados (77,1%), paralisia facial (66,7%) e alteração vocal (62,5%). Conclusões: A incidência de queixa de deglutição foi de 13,3%, seguida de uma incidência de 40% de disfagia; o distúrbio de deglutição foi caracterizado como de grau grave na maioria dos pacientes; foram considerados fatores de risco: crianças com idade menor, maior tempo de intubação orotraqueal, ressecção cirúrgica parcial, localização tumoral em IV ventrículo e tronco cerebral, presença de disartria, acometimento de pares cranianos associados ou isolados, utilização de suporte ventilatório e acometimento motor.

Objetivos: Verificar as incidências de queixa de deglutição e de disfagia, caracterizar o grau de gravidade da disfagia e identificar fatores de risco para a disfagia em casos de ressecção de tumor fossa posterior na população pediátrica. Métodos: Foram analisados prontuários médicos e fonoaudiológicos de pacientes pediátricos submetidos à ressecção de tumor de fossa posterior no Instituto de Oncologia Pediátrica – Grupo de Apoio ao Adolescente e à Criança com Câncer (IOP-GRAACC/Unifesp). Os pacientes foram classificados quanto à presença ou ausência de queixa de deglutição referida no pós-operatório. Em seguida, independente da presença ou ausência de queixa, foram classificados como deglutição normal ou disfágicos; foram considerados disfágicos quando, no registro médico e/ou fonoaudiológico, houve presença de disfagia com avaliação clínica e/ou objetiva da deglutição. O grau de gravidade da disfagia foi estabelecido pela escala DOSS e foram levantados dados do pós-operatório para associar a disfagia com possíveis fatores de risco. Resultados: 120 ressecções de tumor de fossa posterior foram levantadas em 100 prontuários de pacientes. A amostra foi caracterizada por indivíduos do sexo feminino (36%) e do sexo masculino (64%), com idade entre 8 meses e 16 anos e 8 meses, média de 7 anos. A maioria das queixas relacionadas à deglutição foram apresentadas por pacientes com disfagia, mas indivíduos com deglutição normal também a referiram; houve necessidade de via alternativa de alimentação em 34,2% dos pós-operatórios, sendo que destes 77,1% apresentavam distúrbio de deglutição. Dos pacientes disfágicos, mais da metade evoluiu com disfagia de grau grave. Dentre os fatores de risco estudados verificamos que os indivíduos com distúrbio de deglutição apresentaram: mediana de idade menor, média de tempo de intubação orotraqueal de 3,94 dias, necessidade de suporte ventilatório após desintubação e, evoluíram com acometimento de pares cranianos associados ou isolados (77,1%), paralisia facial (66,7%) e alteração vocal (62,5%). Conclusões: A incidência de queixa de deglutição foi de 13,3%, seguida de uma incidência de 40% de disfagia; o distúrbio de deglutição foi caracterizado como de grau grave na maioria dos pacientes; foram considerados fatores de risco: crianças com idade menor, maior tempo de intubação orotraqueal, ressecção cirúrgica parcial, localização tumoral em IV ventrículo e tronco cerebral, presença de disartria, acometimento de pares cranianos associados ou isolados, utilização de suporte ventilatório e acometimento motor.
Keywords Transtornos De Deglutição
Reabilitação
Fonoaudiologia
Pediatria
Neoplasias Encefálicas
Transtornos De Deglutição
Reabilitação
Fonoaudiologia
Pediatria
Neoplasias Encefálicas
Language Portuguese
Date 2017-02-24
Research area Diagnóstico, Prevenção E Intervenção Nos Distúrbios Da Deglutição E Sistema Estomatognático
Knowledge area Comunicação Humana: Normalidade, Transtornos E Repercussões
Publisher Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Extent 92p.
Origin https://sucupira.capes.gov.br/sucupira/public/consultas/coleta/trabalhoConclusao/viewTrabalhoConclusao.jsf?popup=true&id_trabalho=5020256
Access rights Closed access
Type Dissertation
URI http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/50563

Show full item record




File

File Size Format View

There are no files associated with this item.

This item appears in the following Collection(s)

Search


Browse

Statistics

My Account