As relações de poder entre os africanos e portugueses em Angola (1750-1850)

Mostrar registro simples

dc.contributor.advisor Schleumer, Fabiana [UNIFESP]
dc.contributor.author Alves, Newton Rodrigues [UNIFESP]
dc.coverage.spatial Guarulhos pt_BR
dc.date.accessioned 2019-01-17T16:00:13Z
dc.date.available 2019-01-17T16:00:13Z
dc.date.issued 2018-12-04
dc.identifier.uri http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/49176
dc.format.extent 51 f. pt_BR
dc.language por pt_BR
dc.publisher Universidade Federal de São Paulo pt_BR
dc.rights Acesso aberto pt_BR
dc.subject História de Angola pt_BR
dc.subject Relações de poder pt_BR
dc.subject Líderes angolanos pt_BR
dc.title As relações de poder entre os africanos e portugueses em Angola (1750-1850) pt_BR
dc.title.alternative The power relations between the africans and portuguese in Angola (1750-1850) pt_BR
dc.type Trabalho de conclusão de curso de graduação pt_BR
unifesp.campus Escola de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (EFLCH) pt_BR
dc.contributor.advisorLattes http://lattes.cnpq.br/4278276689410882 pt_BR
dc.description.resumo "A difusão da língua portuguesa, escrita e falada em Angola, tinha por objetivo facilitar a comunicação entre os governadores portugueses e os povos africanos, um instrumento para o desenvolvimento da província. O aprendizado e a divulgação da língua concorreriam para que a Metrópole pudesse sujeitar os africanos ao seu controle legal e administrativo. A Igreja, através do seu Padroado, alinhada aos interesses do Império foi a responsável pelo ensino e divulgação da língua, condição para a conversão e batismo dos africanos, que se tornavam súditos da Coroa Portuguesa. Quanto aos líderes angolanos, os Dembos, após a conversão e o batismo, eram também avassalados e alçados à condição de “Nobres Portugueses” jurando lealdade à Coroa, porém, aceitando toda sujeição às Leis Régias do Império. Nosso trabalho descreve as relações de poder entre os Governantes Portugueses e essa Elite Africana em Angola, no período pré-colonial, entre 1750 e 1850. Período que coincide com as grandes transformações na Europa com o Movimento Iluminista. Em Portugal, no ano de 1755, ocorre o terremoto de Lisboa, cujo evento obriga a Coroa a somar esforços para a reconstrução de sua Capital Imperial. Esses eventos somados foram determinantes para que o Marquês de Pombal reajustasse toda a estrutura mercantil do Império Português, incluindo Angola. Para compreender sobre os desdobramentos ocorridos entre os portugueses “dominadores” e os africanos “dominados”, que foram protagonistas de uma relação cultural permutada, uma sinergia que resultou no desenvolvimento social e cultural em toda Angola, nosso trabalho entrevê muito mais que mera assimilação da língua pelos africanos. Há indícios de um empoderamento. Percebe-se um mecanismo de resistência passiva daqueles povos. Esse processo destaca Angola entre as outras províncias Africanas, desde os períodos pré-colonial ao colonial até sua luta e conquista pela independência. pt_BR
unifesp.departamento História pt_BR
unifesp.graduacao História pt_BR



Arquivos deste item

Nome: Ficha Catalográfica Modelo (3).pdf
Tamanho: 82.43Kb
Formato: PDF
Descrição:
Visualizar/Abrir
Nome: MONOGRAFIA_conclusa. II.pdf
Tamanho: 559.2Kb
Formato: PDF
Descrição:
Visualizar/Abrir

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(s)

Mostrar registro simples