Comparação da força dos músculos dorsiflexores, flexores plantares, inversores e eversores em pés hiperpronados, pronados e neutros

Comparação da força dos músculos dorsiflexores, flexores plantares, inversores e eversores em pés hiperpronados, pronados e neutros

Autor Souza, Tayla Perosso de Autor UNIFESP Google Scholar
Orientador Inoue, Liu Chiao Yi Inoue Autor UNIFESP Google Scholar
Instituição Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Pós-graduação Interdisciplinar em Ciências da Saúde
Resumo INTRODUCTION: The foot and ankle are responsible for absorb shock when heel hits the ground. During the movement, the arch flattens and the foot adapts in the ground. Because it, the foot suffer biomechanical changes from global changes in posture. These alterations may encourage injuries, which can be primary and secondary. Thus, physical therapy have been prioritized as a treatment to strengthen the intrinsic and extrinsic muscles, however, it is not justified through assessment with specific devices for measuring muscle strength. OBJECTIVE: To compare the strength of muscles dorsiflexors, plantar flexors, invertors and eversors in differents foot postures and to compare the strength of muscles between dominant(DLL) and nondominant lower limb (NLL). METHODS: 50 young people, both genders and with an average of 22,08 (2,56) years old were assessment. We selected volunteers with moderate level of physical activity, analyzed through the International Physical Activity Questionnaire (IPAQ). Initially, they were submitted to Foot Posture Index (FPI), which divided the foot into three groups: foot hiperpronated (GPH), pronated foot (GPP) and neutral foot (GPN). The groups GPH, GPP and GPN respectively were composed by: eight, 61 and 31 foots. Moreover, test for muscle strength was performed in the following muscles: triceps surae, plantar flexors, invertors, eversors and dorsiflexors, through manual dynamometer. The comparisons of muscle strength between groups and the comparisons between DLL and NLL were performed by analysis of variance (ANOVA) and through Bonferroni test for discrimar differences. Firstly, comparisons between the groups was performed without considering the dominance and then the test was repeated considering the side of the member. RESULTS: The invertors, evertors and dorsiflexors muscles in the GPH are stronger than the muscles in the GPN. Moreover, the plantar flexores and triceps surae muscles in the GPH are weaker than in the GPN. However, there was not statistically significant difference in the three groups, considering the dominance (p= 0.44, 0.68, 0.08, 0.42, 0.17, respectively) and without considering the dominance (p=0.83, 0.66, 0.78, 0.58, 0.34, respectively). There was no difference when comparing the muscle strength between the DLL and NLL, with p-values respectively equal to: 0.95, 0.90, 0.53, 0.30, 0.23. In the order side, the FPI had significantly difference (p=0.001) when compared between the three groups. CONCLUSION: The dorsiflexors, invertors and evertors muscles, in the highly foot pronated, are the trongest. The plantar flexors and triceps surae muscles, in the highly foot pronated, are the weakest. Furthermore, the dorsiflexors, invertors, evertors, plantar flexors and triceps surae muscles in the dominant side are stronger than the nondominant side.

Introdução: O complexo tornozelo e pé é responsável por absorver o peso corporal e adequar ao solo, por isso, sofre alterações biomecânicas provenientes da postura corporal global. Essas alterações podem promover lesões, que podem ser primárias e secundárias. Desse modo, têm sido priorizado como tratamento o fortalecimento dos músculos extrínsecos e intrínsecos do tornozelo. Contudo, esta reabilitação não é completamente justificada por meio de avaliações com aparelhos específicos para mensurar força muscular. Objetivos: Mensurar e comparar a força dos músculos dorsiflexores, flexores plantares, inversores e eversores em pés hiperpronados, pronados e neutros e comparar a força muscular dos voluntários entre o membro inferior dominante (MID) e o não dominante (MIND). Métodos: Foram avaliados 50 voluntários (100 pés), de ambos os gêneros, com média de 22,08 (2,56) anos e com nível de atividade física moderada, analisado por meio do Questionário Internacional de Atividade Física (IPAQ). Inicialmente, foi realizado o Foot Posture Índex (FPI) que dividiu os pés em três grupos: pé hiperpronado (GPH), pé pronado (GPP) e pé neutro (GPN). Os grupos GPH, GPP e GPN foram compostos respectivamente por: 8, 61 e 31 pés. Posteriormente, foram realizados os testes de força muscular do tríceps sural e dos músculos flexores plantares, inversores, eversores e dorsiflexores por meio do dinamômetro manual. As comparações da força muscular e do FPI entre GPH, GPP e GPN e as comparações entre os MID e MIND foram realizadas por meio da análise de variância com dois fatores (ANOVA) e por meio do Método de Comparações Múltiplas de Bonferroni para discrimar as diferenças. As comparações entre os grupos, primeiramente, foi realizado sem considerar a dominância e, em seguida, o teste foi repetido considerando o lado do membro. Resultados: Os músculos inversores, eversores e dorsiflexores apresentaram maior força e os músculos flexores plantares e tríceps sural apresentaram menor força ao comparar o GPH com o GPN, porém não houve diferença com significância estatística ao comparar o valor da força desses músculos entre os três grupos, considerando a dominância (p= 0,44; 0,68; 0,08; 0,42; 0,17, respectivamente) e sem considerar a dominância (p= 0,83; 0,66; 0,78; 0,58; 0,34, respectivamente). Também não houve diferença ao comparar a força entre o MID e o MIND, com valores de p, respectivamente, iguais a: 0,95; 0,90; 0,53; 0,30; 0,23. Por outro lado, o FPI apresentou diferença com significância estatística (p=0,001) ao realizar a comparação entre os três grupos. Conclusão: Os pés hiperpronados apresentaram maior força dos músculos dorsiflexores e inversores e menor força dos músculos flexores plantares e tríceps sural. Além disso, os músculos dorsiflexores, flexores plantares e eversores são mais fortes do lado dominante.
Assunto pronação
articulação talocalcânea
força muscular
Idioma Português
Data 2013-02-27
Publicado em SOUZA, Tayla Perosso de. Comparação da força dos músculos dorsiflexores, flexores plantares, inversores e eversores em pés hiperpronados, pronados e neutros. 2013. 76 f. Dissertação (Mestrado) - Instituto de Saúde e Sociedade, Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP), Santos, 2013.
Linha de pesquisa Interdisciplinar
Área de concentração Multidisciplinar
Editor Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Extensão 76 p.
Fonte https://sucupira.capes.gov.br/sucupira/public/consultas/coleta/trabalhoConclusao/viewTrabalhoConclusao.jsf?popup=true&id_trabalho=526097
Direito de acesso Acesso restrito
Tipo Dissertação de mestrado
URI http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/48848

Mostrar registro completo




Arquivos deste item

Arquivos Tamanho Formato Visualização

Não existem arquivos associados a este item.

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(s)