Avaliação comportamental e eletrofisiológica do processamento auditivo em crianças e adolescentes que sofreram traumatismo cranioencefálico

Avaliação comportamental e eletrofisiológica do processamento auditivo em crianças e adolescentes que sofreram traumatismo cranioencefálico

Autor Figueiredo, Carolina Calsolari Autor UNIFESP Google Scholar
Orientador Gil, Daniela Gil Autor UNIFESP Google Scholar
Instituição Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Pós-graduação Distúrbios da Comunicação Humana (Fonoaudiologia)
Resumo Objetivo: Caracterizar o desempenho de crianças e adolescentes que sofreram traumatismo cranioencefálico em testes comportamentais e eletrofisiológicos do Processamento Auditivo. Método: O estudo foi realizado com 10 indivíduos audiologicamente normais, com idade entre 6 e 18 anos, que sofreram traumatismo cranioencefálico moderado ou grave há em média 11,4 meses. Foram submetidos à avaliação eletrofisiológica do processamento auditivo, com o potencial evocado auditivo de tronco encefálico, potencial evocado auditivo de longa latência com estímulo tone burst e potencial evocado auditivo de longa latência com estímulo complexo (fala). Em seguida os pacientes foram submetidos a avaliação comportamental do processamento auditivo, composta pelos teste de localização sonora, memória sequencial para sons verbais, memória sequencial para sons não verbais, teste de fala com ruído branco, teste dicótico de dígitos, teste de identificação de sentenças sintéticas (mensagem competitiva ipsilateral), teste dicótico de dissílabos alternados, teste de padrão de duração, teste dicótico consoante vogal e teste de identificação de intervalos aleatórios. Resultados: Na análise quantitativa da avaliação eletrofisiológica, observou-se que não houve diferença estatisticamente significante entre as orelhas nas latências e amplitudes dos potenciais estudados. No potencial evocado auditivo de tronco encefálico, apenas a média das latências das ondas I e III mostrou-se alterada. 40% dos indivíduos que participaram da pesquisa apresentaram alteração de tronco encefálico baixo no potencial evocado auditivo de tronco encefálico. As latências dos componentes N1, P2 e N2 foram estatisticamente menores para os potencial evocado auditivo de longa latência com tone burst em comparação ao potencial evocado auditivo de longa latência com estímulo complexo, assim como a amplitude dos componentes P2 e P3. 10% dos participantes do estudo apresentaram alteração do potencial evocado auditivo de longa latência eliciado com tone burst. Na avaliação comportamental do processamento auditivo alguns testes mostraram-se alterados na maioria dos indivíduos, como por exemplo, o teste de fala com ruído branco, o dicótico de dissílabos alternados, o teste de padrão de duração e o teste dicótico consoante vogal, todos com 50% ou mais de alteração nas avaliações realizadas. Quanto aos processos gnósicos alterados, a decodificação, a organização e o processo gnósico não verbal apresentaram-se alterados na maioria das avaliações. Conclusão: crianças e adolescentes que sofreram traumatismo cranioencefálico moderado e grave apresentaram, na avaliação eletrofisiológica e comportamental do processamento auditivo: avaliação eletrofisiológica sem diferença entre as orelhas direita e esquerda, quanto à latência e amplitude dos componentes estudados, potencial evocado auditivo de tronco encefálico alterado na maioria dos indivíduos, com predominância de alteração de tronco encefálico baixo, latências e amplitudes maiores no potencial evocado auditivo de longa latência com estímulo complexo (fala) em relação ao potencial evocado auditivo de longa latência com tone burst, potencial evocado auditivo de longa latência com estímulo tone burst dentro dos limites da normalidade, avaliação comportamental do processamento auditivo alterada em todos os indivíduos estudados com predomínio de alteração nos processos gnósicos de decodificação, organização e não verbal
Assunto processamento auditivo
transtornos de percepção auditiva
potencial evocado auditivo
traumatismo encefálico
Idioma Português
Data 2016-02-24
Publicado em FIGUEIREDO, Carolina Calsolari. Avaliação comportamental e eletrofisiológica do processamento auditivo em crianças e adolescentes que sofreram traumatismo cranioencefálico. 2016. 90 f. Dissertação (Mestrado) - Escola Paulista de Medicina, Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP), São Paulo, 2016.
Linha de pesquisa Fonoaudiologia
Área de concentração Ciências da saúde
Editor Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Extensão 90 p.
Fonte https://sucupira.capes.gov.br/sucupira/public/consultas/coleta/trabalhoConclusao/viewTrabalhoConclusao.jsf?popup=true&id_trabalho=3609080
Direito de acesso Acesso restrito
Tipo Dissertação de mestrado
URI http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/48840

Mostrar registro completo




Arquivos deste item

Arquivos Tamanho Formato Visualização

Não existem arquivos associados a este item.

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(s)