Potencial evocado auditivo de tronco encefálico por frequência específica: estudo da via aérea e via óssea em lactentes com alterações de orelha média

Potencial evocado auditivo de tronco encefálico por frequência específica: estudo da via aérea e via óssea em lactentes com alterações de orelha média

Autor Pereira, Priscila Karla Santana Autor UNIFESP Google Scholar
Orientador Azevedo, Marisa Frasson de Azevedo Autor UNIFESP Google Scholar
Instituição Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Pós-graduação Distúrbios da Comunicação Humana (Fonoaudiologia)
Resumo Objetivo: Descrever os achados do potencial evocado auditivo de tronco encefálico por frequência específica (PEATE-FE) por via aérea e via óssea em lactentes com e sem alteração de orelha média e correlacioná-los com os achados do PEATE com estímulo clique. Método: Foram avaliados 73 lactentes com até 12 meses de idade. Os lactentes foram distribuídos em dois grupos num total de 134 orelhas, sendo 52 orelhas do grupo estudo (com alteração de orelha média) e 82 orelhas do grupo controle (sem alteração). Todos os lactentes foram submetidos à realização do PEATE (pesquisa de integridade de vias auditivas com clique a 80dBnNA e pesquisa do limiar eletrofisiológico com clique e toneburst) nas frequências de 500 e 2000 Hz por via aérea e via óssea. Resultados: Os limiares eletrofisiológicos médios para as frequências de 500 Hz e 2000 Hz no grupo controle foram 26,6 dBnNA e 21,5 dBnNA, por via aérea e 16,3 dBnNA e 21,3 dBnNA por via óssea, respectivamente. Os limiares médios para as frequências de 500 Hz e 2000 Hz no grupo estudo foram 46,6 dBnNA e 38,2 dBnNA, por via aérea e 18,5 dBnNA e 23,8 dBnNA por via óssea, respectivamente. Foram observadas latências das ondas I, III e V mais prolongadas no grupo estudo. O grupo estudo apresentou gap aéreo-ósseo maior que o grupo controle.Não houve associação significante entre: gap e o tipo de curva timpanométrica (tipo B ou C), e gap e latência da onda I a 80 dBnNA. Conclusões: O grupo estudo apresentou limiares eletrofisiológicos mais elevados independentemente do tipo de estímulo (clique e frequência específica) e condução (via aérea e via óssea). O limiar eletrofisiológico em 500 Hz foi maior que 2000 Hz por via aérea e menor por via óssea em ambos os grupos. As latências das ondas I, III e V foram mais prolongadas no grupo estudo, caracterizando a presença de comprometimento condutivo. O PEATE- FE é de fundamental importância para conclusão do diagnóstico, pois possibilita a determinação da configuração e do grau da perda auditiva por meio da condução aérea, e associada à pesquisa por meio da via óssea possibilita a determinação do tipo de perda auditiva. Dessa forma, com o diagnóstico mais preciso da perda auditiva é possível realizar uma intervenção adequada nos casos de alterações de orelha média em lactentes.
Assunto perda auditiva condutiva
lactentes
potenciais evocados auditivos
condução óssea
Idioma Português
Data 2014-12-15
Publicado em PEREIRA, Priscila Karla Santana. Potencial evocado auditivo de tronco encefálico por frequência específica: estudo da via aérea e via óssea em lactentes com alterações de orelha média. 2014. 107 f. Tese (Doutorado) - Escola Paulista de Medicina, Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP), São Paulo, 2014.
Linha de pesquisa Fonoaudiologia
Área de concentração Ciências da saúde
Editor Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Extensão 107 p.
Fonte https://sucupira.capes.gov.br/sucupira/public/consultas/coleta/trabalhoConclusao/viewTrabalhoConclusao.jsf?popup=true&id_trabalho=2197563
Direito de acesso Acesso restrito
Tipo Tese de doutorado
URI http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/48806

Mostrar registro completo




Arquivos deste item

Arquivos Tamanho Formato Visualização

Não existem arquivos associados a este item.

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(s)