Sorologia de paracoccidioidomicose por paracoccidioides lutzii

Sorologia de paracoccidioidomicose por paracoccidioides lutzii

Autor Gegembauer, Gregory Autor UNIFESP Google Scholar
Orientador Camargo, Zoilo Pires de Camargo Autor UNIFESP Google Scholar
Instituição Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Pós-graduação Microbiologia e Imunologia
Resumo Até há pouco tempo pensava-se que Paracoccidioides brasiliensis fosse o único agente etiológico da paracoccidioidomicose (PCM). Entretanto, estudos recentes demonstraram se tratar de um complexo de espécies causando essa micose: P. brasilienis S1, PS2, PS3 e PS4. Uma nova espécie foi criada, Paracoccidioides lutzii que tem como epicentro a região centro-oeste do Brasil. A sorologia da PCM sempre foi feita com um exoantígeno tradicional da cepa P. brasiliensis B339 e por meio do teste de imunodifusão alcança 96% de positividade. Entretanto, alguns soros de pacientes da região centro-oeste do Brasil, com PCM comprovada, reagiam negativamente. Neste estudo, soros de pacientes com PCM comprovada, por exame direto a fresco ou exames histopatológicos, oriundos da região centro-oeste do Brasil foram estudados e testados com antígenos de P. brasiliensis e P. lutzii. À princípio, utilizamos como estratégia, exoantígeno de P. brasiliensis e gp43 para diagnosticar pacientes de PCM por P. brasiliensis. Os soros não reagentes foram testados com 3 diferentes preparações antigênicas de P. lutzii: i) exoantígeno de P. lutzii, ii) antígeno precipitado com ácido tricloroacétilco (AgTCA) e iii) Cell-free antigen (CFA). De 89 soros testados por imunodifusão contra exoantígeno de P. brasiliensise gp43, 72 foram reativos e classificados como sendo de pacientes de PCM por P. brasiliensis. Os 17 soros negativos foram testados por imunodifusão contra exoantígeno, AgTCA e CFA de P. lutzii. O exoantígeno forneceu 10 (58%) positivos, porém as reações for am muito fracas; o TCA forneceu 3 (17%) positivos, também com reações fracas; o CFA forneceu 17 (100%) positivos, com excelente reatividade e visibilidade das IV bandas. Por meio do teste de ELISA foi possível diferenciar os soros de pacientes de PCM por P. l utzii daqueles por P. brasiliensis utilizando como antígeno o CFA de P. lutzii. Os soros dos pacientes de PCM por P. lutzii apresentaram altos títulos quando comparados com soros de PCM por P. brasiliensis e soros heterólogos. Por Western-blot, soros de pacientes de PCM por P. lutzii reconhecem vários antígenos homólogos, enquanto soros de pacientes com PCM por P. brasiliensis não reconhecem antígenos de P. lutzii. Portanto, a preparação antigênica CFA de P. lutzii demonstra ser um excelente antígeno para o diagnóstico da PCM por P. lutzii.
Assunto p-brasiliensis
p-lutzii
Idioma Português
Data 2014-09-30
Publicado em GEGEMBAUER, Gregory. Sorologia de paracoccidioidomicose por paracoccidioides lutzii. 2014. 93 f. Dissertação (Mestrado) - Escola Paulista de Medicina, Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP), São Paulo, 2014.
Linha de pesquisa Microbiologia
Área de concentração Ciências biológicas
Editor Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Extensão 93 p.
Fonte https://sucupira.capes.gov.br/sucupira/public/consultas/coleta/trabalhoConclusao/viewTrabalhoConclusao.jsf?popup=true&id_trabalho=1304079
Direito de acesso Acesso restrito
Tipo Dissertação de mestrado
URI http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/48780

Mostrar registro completo




Arquivos deste item

Arquivos Tamanho Formato Visualização

Não existem arquivos associados a este item.

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(s)