Complicações da intubação traqueal em pediatria

Complicações da intubação traqueal em pediatria

Título alternativo Complications of tracheal intubation in pediatrics
Autor Souza, Nélio de Google Scholar
Carvalho, Werther Brunow de Autor UNIFESP Google Scholar
Instituição Santa Casa de São Paulo
Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
Hospital Santa Catarina
Hospital Infantil Sabará
Resumo OBJECTIVE: To describe the frequency and types of tracheal intubation complications and their main causes. METHODS: Cross sectional study of patients who were submitted to tracheal intubation for more than 24 hours at the Pediatric ICU of Santa Casa de Misericórdia de São Paulo, between May 1998 and December 1999. Exclusion criteria were previous intubations, surgeries or traumas in the cervical region or oropharynx. RESULTS: A study of 147 patients with ages varying from 1 month to 15 years and 3 months was carried out. An inadequate tracheal tube had been used in 31.3% of patients submitted to tracheal intubation and 14.3% needed 5 or more attempts to achieve intubation. Resident physicians had more difficulty with intubation. Most tracheal intubation attempts were related to increased traumas, hypoxia, bradycardia and worsening of the Downes score after extubation. Accidental extubation was observed in 21.8%, related to worsening in the score of Downes and need for reintubation. The resident physicians also caused a higher number of traumas and bradycardia. CONCLUSION: Most complications may be attributed to lack of experience and training of the physician performing the tracheal intubation. We should implement training programs and increase supervision during tracheal intubation to minimize these outcomes.

OBJETIVO: Descrever a frequência e os tipos de complicações da intubação traqueal e suas principais causas. MÉTODOS: Estudo transversal de pacientes internados na UTI Pediátrica da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo, entre maio/98 e dezembro/99 e que foram submetidos a intubação traqueal por mais de 24 horas. Os critérios de exclusão incluíam intubações anteriores, cirurgias ou traumas em região cervical ou orofaringe. RESULTADOS: Foram estudados 147 casos com idade variando de um mês até 15 anos e três meses. Em 31,3% foram usados tubos traqueais de tamanho inadequado e 14,3% necessitaram cinco ou mais tentativas para serem intubados. Houve maior dificuldade de intubação por parte dos médicos residentes. O maior número de tentativas de intubação traqueal foi relacionado com aumento de traumas, hipóxia, bradicardia e piora no escore de Downes após a extubação. Foram observados 21,8% de extubação acidental, que se relacionou com piora no escore de Downes e necessidade de reintubação. Os médicos residentes também causaram maior número de traumas e de bradicardia. CONCLUSÃO: A maioria das complicações pode ser atribuída à falta de experiência e treinamento do médico que realizou a intubação traqueal, devendo-se para minimizá-las implementar programas de treinamento e aumentar a supervisão durante a intubação traqueal.
Palavra-chave Intratracheal intubation
Complications
Artificial respiration
Pediatrics
Intubação intratraqueal
Complicações
Respiração artificial
Pediatria
Idioma Português
Data de publicação 2009-01-01
Publicado em Revista da Associação Médica Brasileira. Associação Médica Brasileira, v. 55, n. 6, p. 646-650, 2009.
ISSN 0104-4230 (Sherpa/Romeo)
Publicador Associação Médica Brasileira
Extensão 646-650
Fonte http://dx.doi.org/10.1590/S0104-42302009000600007
Direito de acesso Acesso aberto Open Access
Tipo Artigo
SciELO S0104-42302009000600007 (estatísticas na SciELO)
Endereço permanente http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/4851

Exibir registro completo




Arquivo

Nome: S0104-42302009000600007.pdf
Tamanho: 293.1KB
Formato: PDF
Descrição:
Abrir arquivo

Este item está nas seguintes coleções

Buscar


Navegar

Minha conta